System

The current global pandemic context is serving as the justification for a new instalment on how to maintain ( one of ) capitalism’s biggest trend : instigate people to thrive by keeping movement as a commodity.

This is backed by two main arguments concerning an implicit relation with time ( therefore the speed of execution and of availability/access ) and space ( concerning mostly where we produce professional activities ) with the ability to move, commute or even displace our participative capitalist habitat through the notion of mobility.

Time

I can state that 5G is not the answer to the notion of mobility : it’s only a medium in which new approaches and specifically new professionals can develop new and innovative ways to gather more and better information, establish productive connections and enhance existing opportunities to develop pre existing valuables. It’s definitely not radical, it’s possibly harmful and should not be overrated – as it is right now. We can presumptuously do more and call it “better” but only if our intellectual abilities are adjusted in tandem with the new set of digital tools and, in my opinion, they couldn’t be farther away from one another as they are right now. Nonetheless, faster, sooner, quickest are the ( wrongfully ) used terms to describe performance when they represent ignorantly the inherent vice of a poor use of time. This is ironically the status quo in which every single one of us can find comfort when describing work related positions.

We have to realise that it takes time to produce an environmental change able to conduct a forward momentum specifically aimed at surpassing the unaware state in which we can position ourselves and the ( supposed ) ethical, political and productive leaders of our time. It takes time and training, meaningful and restructured training. Prepare individuals, train groups and reset corporations into the ecology of time is an enormous task and again, takes an enormous amount of time itself to be done properly, productively and efficiently. Time is key in this context of mobility as a commodity and speed/connectivity could be the misunderstood relation between execution and process.

Space

Home, individual, collective and almost all of the different categories of living, are not prepared to be used as an indiscriminately answer to the topic. This intimate human habitat is not arranged to be fruitful in the answer to the professional activities we are discussing right now. It does not includes a mandatory set of conditions we can universally acclaim as representative of a modern day workspace. One can have a designated space with a perfect desk, state of the art digital instruments and all the broadband connectivity in the world and still, be missing the biggest asset in this home setup : the implicit mindset of the surroundings relative to the ongoing activities.

As a note take this argument as being applied to the workgroup as well as to the liberal individuals and as a generic statement, representing the need to peer recognition in order to satisfy the social urge to reward composite behaviours by expecting communal reunion routines. Again, not universal.

We have to stop thinking about working from home as a better solution for these times, comparing this with an appropriate workspace at a purpose built office. Cumulatively we cannot deny that a garden or even a public square can make us more productive than an enclosed one in certain moments or conditions. There’s a range of opportunities for us to profit from this, acknowledging first and foremost that this is not an universal truth applicable to everyone but rather a different vision, mostly driven towards a better education and in order to the accepted as a positive change within a much needed diversity in the home-habitat-work context. This is also not a services/desk only based opinion, as we can find that most of production-line workers need differential inputs in order to keep their motivation going and the diversity of spaces during work routines is a proven one. I affirm myself in line with the internal positioning proposition of a space and time relevant only for the individual in every specific task, not as an universal model or even a undisputable solution but a diversified approach to increase equilibrium, hierarchical achievements and a fruitful life-habitat-career curation.

Towards training

I am proposing that we must be trained to practice how to work hard and how to rest hard; how to identify the difference between personal life and professional character; how to utterly engage our creativity at work at its full potential even acknowledging the lack of context and adequate conditions to submit a different type of intimacy to that limited yet public community scrutiny; how space needs to be adequate to range every set of needs while uses as a definition need to be fundamentally distinct from functions in order to propose individual appropriations.

This reflects itself in an immediate need to dissect time and space as a dissertation of use and function in order to propose the context for the next level professionals. Mobility is key and connectivity is the foundation for this progression to even exist, thus considering time and space as the core instalment of this conundrum.

Despite being able to profit from mobility people prefer to settle. Despite being able to roam the entire hemisphere, remember how the agricultural revolution and individual/small proto urban settlements were dethroned by social gatherings of larger and larger scale. These behaviours are the defense mechanisms of every single ethnographic group in a defined range of identifiable anthropological tactics. Rationality led us to the development of civilisation’s biggest argument : safety within a group of equals. Race defined that we only want to be together because we need to, but I can assure you, we need to be alone most of the time. A time and space for meditation, mediation and self recognition is lacking every time we are not able to admite we should be better with ourselves in order to be better by being in a group. I admit this is a satisfying and comforting way to provide and feel the full dome of safety upon us but I also recognise we are no longer dependant of walls to defend our cities and protect our crops. It’s time to move on, accepting diversity, migrations and mobility beyond just the compulsory behaviour capitalism intended it to be. Travel, transport, move, commute, but deflect the mandatory peer acceptance of social bucket list and the ” have to visit ” politics as they are the categorisation of poor individual mental skills.

Does this mean we should consider the next step in the direction of work as a standstill in mobility? Should we engage in working from home as an evolution of a person career or can we reposition any workspace to start working from within ourselves? Should we engage in new types of social peer recognition in which we stand out and suffer estrangement from workgroups or should we try and start coworking from wherever because my position/activity is no longer geo dependant? Should develop an individual space, indifferent from physical position, established by each one of us through proper training?

It is not hard to acknowledge that even a factory worker can apply this tactics into is individual career strategy, considering time and space as training dependant in order to achieve awareness and sustain an emotional stability conducing to successful equilibrium in individual-habitat-production insight.

Maybe, we can benefit from choices, better ones, about solitude, hermitage and awareness and could become more selective about travelling and spending hours commuting, but surely this is not the point. We must reposition our own perspective on time and space and exchange the expected with the improved, starting from within, and when needed, with proper training. Despite being able to travel without moving, when we do we still don’t go anywhere with a meaningful and progressive state of mind. We travel and visit common places, because we have to and not because we want to, and work is not different in any point from this context. We rarely develop a critical knowledge of where, how and who we cross paths with.

The pandemics is not the excuse but surely can be a catalyst, not for home office and extended work hours while having family interactions in between, but for rethinking our position, value and careers into the future of a participatory workforce disconnected from the expected strain of capitalism and politics of production.

This is a methodological positioning on how to identify the conditions for a solution to be applied in a capitalist context. From home, from an office or even from an unidentified place in the world of nature, one thing that you can not argue is that we only need to work autonomously is to pre-emptively design our mindset.

September 21, 2020

Individuals are context. Even collectives are made from individual context(s), preceded by a notion of individuals collecting relations of individual recognition between them prior to a collective agreement.

This constant unification of fallacies is a simplification method that includes a deep rooted supremacist way of seeing only the macro picture. A normalisation process of the way we see the world as single race induced us to think precariously about ourselves while the globalisation and hegemonic practices of colonisation embedded in white practices were the lubricant that made it all possible.

Capitalism can be blamed, socialism too. So can global organisations and free trade, migrations and scientific exploration, war and peace have their place in this reduced argument as well. I can argue that every single thing that came after the hunter gatherer is an evolution into a common notion of collective predicaments. This is bad in a sense that the concept of the individual didn’t evolved property and should be revisited and revised.

Let’s us star by proper training, readying individuals for contextual positioning. This can be applied through experimentation of the individual decision as a process of observation from a methodology of perception. This has to be developed from a practice within the spectrum of design systems, social studies and anthropological behaviours in the perspective of the individual/collective engagement.

This is the methodologic system that proposes the individual decision as a commonality and not a universal good. This is the singular point of engagement between individual and collective engagement and not another normalisation of the spacetime I live on.

Values and practices are again an individual forward loop towards prosperity and not an achievement of the collective mind of some sort.

August 12, 2020

March 31, 2020

Como é possível com decisões binárias ( e portanto absolutamente factuais ) garantir a autonomia autoral a partir do sistema metodológico? Com decisões superiores à desambiguação do óbvio, do estilo e da razão identificável nos outros. Por fim, assumindo a capacidade e a sagacidade do intelecto no equilíbrio quântico da expressão pessoal nesse tempo que ainda não é registo. Essas decisões são só os pontos que marcam o trilho no percurso do processo e da inten(x)ão.

August 23, 2019

Vivo envolto numa pedagogia muito própria desde há demasiado tempo : nunca pela institucionalização da minha prática, mas sempre pela sensibilidade crítica da minha abordagem. Para a sustentabilidade dessa ecologia pessoal preciso de modelos de hipótese, de teste, e de análise, lugares onde a minha criação fundacional se iluda e desiluda da sua realidade prática, e ainda, onde as utopias possam dar lugar a novas considerações evolutivas e factuais. 

Esta construção é praticada em ambiente controlado de crítica e criação, modelando a estranheza da abordagem com a minha assertividade, própria de um crítico inquieto. Abraço quotidianamente ( a partir de um estruturalismo imaginado e autoral ) um sistema de sistemas que me permite abordar a universalidade polidisciplinar da minha decisão : criativa, procedural, administrativa, operacional, estratégica e também legal. Este sistema enquanto processo de atividade procedural, age como uma composição de argumentos rasos, envoltos no contexto da decisão e da irrefutabilidade. Desde as propostas e interações provenientes da arquitetura de informação – através das entidades conceptuais criticamente selecionadas – é possível delimitar um plano visionário, que se materializa num conjunto rigoroso de técnicas quantitativas e qualitativas, obrigatoriamente públicas e autoriginais.

O tempo deste sistema é o meu, e por isso comporta um universo de experiências pessoal. Para libertar a análise e a dependência do resultado desse ambiente condicional, proponho a prática da auto verificação e da irrefutabilidade. Este é um dos fatores de maior importância, em falta, nos sistemas de criação, nas práticas de produção e desde as instituições de formação. É por isso necessário discutir uma ética de remoção do ego académico, endogámico e obsoleto. É necessário encaminhar essa política capitalista perante o processo de criação para a extinção, favorecendo a progressão evolutiva do indivíduo criador ao invés da substituição pseudo curativa dos mesmos conceitos pelos mesmos conceitos.

Este ecossistema, prevalece unicamente numa relação de interdependência, entre as suas partes numa leitura antropocêntrica desta entidade autónoma, mas sempre relativa à sua relação humanizada – a garantia da realidade concreta do exercício que outrora ficcional, desde a mente de partida, agora promove a metodologia de modo a evitar propor soluções, propor em substituição a seleção do método, da prática e dos processos enquanto construção e percurso iterativo.

Do estúdio que domino, do design enquanto abordagem estruturalista, e do exercício prático tanto quanto real, pretendo ativar tanto o espaço de contacto ficcional, quanto o visitante real, numa participação pedagógica provocadora, onde até o tutor será tentado pela minha abordagem.

Porto Design Biennale 2019

— workshop 4 | 23–27 setembro 2019 [exposição 28 setembro]
DESIGN AS LEARNING: RE-EDIT
Por Jan Boelen e Vera Sacchetti

Porquê fazer design? Qual é o propósito do design? Estas são questões prospetivas para uma disciplina criativa que, mais do que nunca, se afigura esquiva a definições. Num mundo de recursos naturais depauperados, sistemas políticos e sociais exauridos, submetido a uma sobrecarga de informação, há muitos motivos urgentes para repensar a disciplina do design e uma necessidade crescente de nos focarmos na formação em design. Aprender e desaprender deveriam tornar-se processos integrantes de uma prática educativa contínua. Precisamos de novas propostas de organização social e de estruturação governativa, novas formas de viver com – e não contra – o planeta, de aprender a separar factos de ficções e de nos relacionarmos com cada um e, sinceramente, de simplesmente sobreviver. Este workshop toma como ponto de partida a publicação Design as Learning: A School of Schools Reader, produzida aquando da 4.ª Bienal de Design de Istambul, A School of Schools. Através de uma série de leituras coletivas, discussões e visitas in situ, vamos olhar para a formação em design através de diversos prismas, considerando de que modo diferentes modelos pedagógicos educativos têm sido implementados ao longo do tempo. Estas leituras, visitas e reflexões serão repensadas e reeditadas para dar forma a novas reflexões e caminhos alternativos para o design, a educação e a formação em design.

DIREÇÃO
Jan Boelen é diretor artístico da Z33 House for Contemporary Art em Hasselt, na Bélgica, um espaço dedicado à experimentação e inovação e à organização de exposições inovadoras de design e arte contemporânea, e do Atelier LUMA, um laboratório experimental de design em Arles. É curador da 4.ª Bienal de Design de Instanbul (2018). Dirige o departamento de Social Design na Design Academy Eindhoven, na Holanda.
Vera Sacchetti é curadora e crítica de design. Faz diversos trabalhos de curadoria, investigação e edição. Integra a iniciativa curatorial Foreign Legion e é cofundadora da agência de consultoria editorial Superscript. Foi curadora associada da 4.º Bienal de Design de Instamblul e conselheira curatorial da Bienal de Design de Liubliana, na Eslovénia. Os seus textos têm sido publicados na Disegno, Metropolis e na Avery Review, entre outras publicações.

July 16, 2019

Sejam coisas, ações, verbos e sobretudo adjetivos tudo cabe à partida. Mas há também aquilo que não, e segue no porão. Vistas, listas, pontos de eleição, paragens, paisagens lendárias e outros momentos futuros imaginários, são a carga pesada que é levada a sério. Ou serão apenas um #checkpoint a assinalar numa qualquer #bucketlist, numa demanda em forma de missão que nos obriga, pelos outros, a normalizar a nossa própria viagem? São estes nossos hábitos habitantes.

Mas será que voltamos ainda mais carregados? Será que o peso é maior à chegada do que foi à partida? Será que o que transporta vem afinal carregado de coisas novas, ou tem só o pó superficial deste agora?

Esta procissão de relíquias sagradas tem um propósito claro, eu é que ainda não sei qual é. Talvez no futuro saibamos olhar para trás e entender estes fluxos migratórios temporários ( como fazem os pássaros para sobreviver, ou os gafanhotos para viver ) , numa expectativa de aprender, se o que procuramos quando por aí andamos são recursos, ou é só a humanidade de querer encher relicários andantes. Uma vaidade de quem se cultiva ou a vaidade de outro #milestone alcançado?

Na ironia entre quem parte e quem chega, entre quem se adapta e quem se impõe, vejo muito clara a forma desvendada dos caixões que se passeiam pela rua acima, rua abaixo, cheios de um pouco de todos nós.

Qual a religião deste momento? quais as crenças que nela habitam? quais os deuses a quem se reza? qual o perdão final de quem carrega relicários, cheios de ouro e novidade? Chamar-se-á Economia Turística a deusa que guia essa mesma procissão?

Relicarium 2019 @SharedInstitute – Porto, Portugal

O conteúdo real é afinal uma amálgama de intenções, e não pode ser mais do que isso. Falsetes pessoais que definem uma fraca saúde mental e social, quase sempre comparativa pelos media que tanto impressionam. O indivíduo consciente dissociado do objeto e dependente da experiência para validar-se perante o mundo. Quem comanda quem? Onde está o controle?

Os comerciantes de relíquias e objetos sagrados pessoais traficam a nossa matéria invisível, aquela que se esconde em nós. Cedemos : na oportunidade de vender uma memória conservada para sempre; no futuro possível do argumento egoísta de uma conversa centrada em nós; muitas vezes autista; numa partilha que guarda sem vergonha esta viagem como mais um elo do percurso assoberbante que já não é a vida.

“Hoje eu sou isto e muito devo ao que colecionei.”

Serão muitas as vozes assim, tantas quantas as que deambulam porque sim, sem mais sentido, porque a vida ( económica ) lhes permite essa forma boémia de andar por aí. Afinal esse capital será sempre a carga que chega e a carga que parte.

Porto Design Biennale após,

workshop 1 | 10–12 maio 2019
DESIGN SYSTEMS: IMPOSSIBLE METHODS
Por Luiza Prado & Pedro Oliveira ( A Parede )

July 3, 2019

I am an old designer while and still a young architect.

I subject myself to that subjective classification only to find and draw what is meant to be built, imposing a systematic approach to either analogue or digital products of a so called imagination, with a procedural mind within an irrefutable process.

May 6, 2019

Em meio solúvel, em oficina, estúdio ou gabinete é onde a densidade do criativo do design melhor se enquadra e onde este participa com a marca, a estratégia, o tema e o suporte numa convergência de interesse tão real quanto pessoal e efémero. Em solubilidades diluídas como as de agência ou até de consultoria ( em contexto interno ou externo à equipa de projeto ), a produção do design é um paradoxo de aceitação e canibalismo intelectual, uma sodomia criativa e sobreposição da competência pela técnica e nunca pelo conteúdo.

Em qualquer dos casos, raramente alguém sabe bem o que fazer a partir do como fazer e não do quem fez o quê. Vale tudo e fica bem desde que a prevalência seja a da novidade, a nova. Fazem-se coisas que soam bem, parecem bem e não se garantem irrefutáveis : seja pelo profissionalismo criativo seja pelo incontestável processo de trabalho. Obviamente que a afetação irresponsável da criação a um profissional idealista e sem escrúpulos de si próprio para si próprio não ajuda e claro, deturpa a imagem do processo a quem detém o poder da comissão.
A culpa do design é dos designers e o estado atual dos meios de produção a estes dizem respeito, exclusivamente : senão exigimos o respeito a nós próprios e à profissão, nunca seremos prendados por ninguém ( mercado, academia, outros sectores ) com nada menos do que isso. A este cenário devemos afetar a própria definição de meios de produção : plena de sarcasmo e ambiguidade, voltada aos media, confundindo tudo e todos nos canais e nas ferramentas, desprestigiando os suportes e os conceitos basilares de aplicabilidade, legibilidade e de acesso universal, como se fosse demasiado difícil integrar e mesmo assim, o trabalho ficar com bom aspeto. Preguiça, falta de capacidade, ou pura e simplesmente a banalização do ensino da arte e do design.
São estes meios de produção que me interessa discutir, aprioristicamente e na base fundamental das gerações de criativos que são despejados em mercados de produção sem meios reais de criação. Propor novos sistemas metodológicos, desbloqueadores do acesso pela compreensão e entendimento do verdadeiro papel do criativo no design de comunicação seja ele mais ou menos gráfico.

Porto Design Biennale

April 29, 2019

Ferramentas : pessoas, instrumentos e paisagens, coisas que têm sentido juntas tanto quanto separadas por mim. O conjunto ou a parte por si não têm a formulação do autor : é preciso autorar ! Arte, criação no verbo curar. Me a mim que junto sou um todo.

. MONSTRUKTOR

April 5, 2019

Viver na obsessão pela compulsão visual, popular e folclórica, essa das imagens efémeras relativas ao influxo do trauma intelectual de hoje, na construção cíclica do presente POP, enquanto meio cultural ( ? ). Afinal é nesta presença global das imagens que se refletem em nós os conceitos de contemporaneidade para os futuros olhos da história passada; é ainda neste limbo entre a realidade sentida e a realidade inventada, que nos deixamos manipular desde a fonte da informação, até ao mais íntimo e ínfimo detalhe ficcional que nos impõe como verdade e até estilo de vida.

Onde assenta então a crítica? Individual ou coletiva? A prevalência do meio ou da mensagem? Paradigma dos tempos ou paradoxo da própria espécie? O antropocénico ou a egocência? Perguntas ou dúvidas?

As marcas, os pontos notáveis e as inflexões de raciocínio, assentes na epítome do singular ou do coletivo, fluem no diálogo do contacto inter dimensional, virtual e por vezes, também irreal. Os pontos de contato, as marcas entre os humanos que necessitam de ligação efetiva à linha temporal global, como se a sua sanidade dependesse disso mesmo – do tempo que acham que partilham com os outros. A alternativa não é dada pelo contato com a realidade mas antes pela leitura e interação interpretativa que temos com a território mental que construímos como paisagem cultural. Este conceito, determinista e constitutivo de uma construção individual, nunca foi a verdade. Apetece-me identificar os fatores que nos posicionam a todos perante a noção concreta de tempo e espaço cultural, só para os distorcer ao limite da sua própria razoabilidade e aí, refletir numa sobrevisão omnisciente como num legado para esse grupo de humanos com os quais ainda partilho a minha linha temporal.

É este o verdadeiro paradoxo : entre a vida real individual e o cenário coletivo que nos é imposto; entre a noção de participação induzida e a completa passividade autoral; entre os meios de produção regimentados e as políticas da criação ética; entre a linha temporal da história ( antropológica, biográfica e etnográfica ) e o tempo cultural da massificação capital deformada em estória ( historieta ); é aqui que situo a cultura POPular, onde procuro reconhecer cada vez mais como um ciclo interminável de um tempo presente que se extingue no momento em que é identificado.

Porto Design Biennale

April 2, 2019

A prática do processo e da criatividade implicam urgentemente uma revisão do sistema metodológico corrente. Denso, pesado e complexo, sem a exatidão que garante processo até ao resultado, apoia-se demasiado na gratificação do produto final, da estética insustentável da moda e do efémero. É perante a curadoria interpretativa dos modelos de pensamento institucionalizados ( tanto quanto da pedagogia estratificada pelo público orgânico, pelo tema e pela mensagem ) que os conjuntos de linguagem devem formar os novos atores do campo do design e da criação. A prática curatorial é um intento auto infligido, que não se treina ou se adquire sem a noção concreta de que esse estilo de vida afeta não só a nossa visão imediata, como também influencia os nossos contatos inter sociais.

Só pela autoria é possível delinear o caminho equilibrado entre a comissão e o processo auto iniciado : esta abordagem pode assim seguir livre pela resistência do eficaz e no ganho da eficiência pela irrefutabilidade e nunca do gosto descartável. E é este significado social descentralizado desde a academia que importa entender, seja pelo sentido mais lato da palavra, seja pela epistemologia do entendimento abrangente ao acesso universal e coletivo. A suficiência da narrativa é implicitamente medíocre e não responsabiliza os participantes da mesma forma – seja quem forma ou seja quem se forma – em mar de iguais ninguém vai querer assumir a diferença.

A responsabilidade da construção ( pessoal, profissional, singular ou coletiva ) deve começar pela base estruturante da desconstrução e veementemente criticar os modelos, pelos dogmas e pela leitura colonizada dos sistemas de produção ocidentais. Para suprir esta falta de crítica consciente e da prática curatorial como razão profissional, o fator de interesse inicial é o que deve ser dedicado ao fator decisão. As tensões visíveis entre os meios de produção bissectam o mundo atual entre as práticas ininteligíveis, próximas do domínio artístico do design e entre a massificação comercial de mensagens estéticas obsoletas e irresponsáveis. Seja qual for o meio, o público, a instituição, a aposta no fator decisão deve simplificar o real acesso ao significado, à promoção consciente do uso necessário, tanto quanto de outros termos mais imediatos.

Esta é uma falha de base que somente a revisão processual, tanto quanto das políticas de criação, pode evoluir e fazer avançar pelo movimento cíclico da decisão, do ímpeto, da iniciativa e da investigação, da inquietude e da infinita vontade cruzada na ambição do discurso notável e responsável metodologicamente.

Porto Design Biennale

March 28, 2019

#arqout #oasrn #exposicao #exhibition #gallery #studio #studium #unbuilt #series #production #shelf #post #exhibitor #structure #dexion #systems #system #scale #proportions #rule #arrangement #bw #lightweight #outubro #ordem #arquiteto #arquitetura #2018 #openning (at studium)
https://www.instagram.com/p/BnwcQx1Fyon/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=14dcx1isuzkkz

September 15, 2018

Resonance @ fortuitous assembly of a background, made by, and for, a finite system of action, in which the actionable content can be measured in several spectrums, wave lengths and dimensions. Assertiveness, rigour, vision, passion and a very specific oddity.

the MONSTRUKTOR

May 3, 2018

The components of a system deflect the contextual participants of it’s reality.

the MONSTRUKTOR

May 2, 2018

May life bring me something better than this precarious existence of abuse.

the MONSTRUKTOR

June 21, 2016

The apprentice.

April 21, 2015

A line can become a cross that lives in the infinite square of plus.

the MONSTRUKTOR

April 17, 2015