restless

It never was anxiety, it was, unquestionably, restlessness.

I have faced death, loss, violence, sadness, despair, drama and obsoletion.

Looking back, I can identify a common definition of anxiety but, giving it a second look, I can now see and translate those events in a deeper view of the moment: I never stopped.

Never got stranded, ever got immobilised in more than a fraction, a protective synapse, and this changes everything! It’s not anxiety. Anxiety incapacitates, and I never felt stronger than during the event (obviously sensing the adrenal/hormonal decay immediately after) but I always fell into a mature acknowledgement of my own personal strengths and weaknesses.

I’m not an alien, I just have built the tools to look at things in spacetime differently.

March 2, 2021

Nunca, é a altura certa para me render à batalha que travo dentro de mim. Esta guerra não se perde, não se ganha e nunca acaba pois nada morre dessa luta, quando tudo nasce desse sangue que corre de derrota em derrota até que as vitórias são maiores, visíveis e de todos os que estão tanto em volta como comigo até ao fim.

May 19, 2019

#restless #drawing #life #create (at Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto – Institucional)
https://www.instagram.com/p/BuhBU9wlUbH/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=uvpohdpsd7es

March 2, 2019

Wait for the answers vs search for those big questions !

. MONSTRUKTOR

February 28, 2019

Não sou inquieto, sou mais do que isto: do que a palavra consegue ativar, do que o conceito imerge na sua descrição, do que eu próprio consigo evitar parar ∞

. MONSTRUKTOR

January 23, 2019

Não sou inquieto, sou mais do que isto: do que a palavra consegue ativar, do que o conceito imerge na sua descrição, do que eu próprio consigo evitar parar ∞

. MONSTRUKTOR

January 23, 2019

Páro quando morrer, descanso um pouco da vida e a seguir continuo ~

. MONSTRUKTOR

January 22, 2019

Páro quando morrer, descanso um pouco da vida e a seguir continuo ~

. MONSTRUKTOR

January 22, 2019

Quando o meu descanso é só uma forma de reservar tempo para pensar, eu penso no que sirvo afinal para mim próprio e chego à conclusão que sou um naco de uso dos outros.

the MONSTRUKTOR

May 8, 2018

Quando o meu descanso é só uma forma de reservar tempo para pensar, eu penso no que sirvo afinal para mim próprio e chego à conclusão que sou um naco de uso dos outros.

the MONSTRUKTOR

May 8, 2018

Eu magoo, eu inflijo em todos o que mais cruel existe neles. Sou a personificação do medo que existe no reflexo pessoal da vida de cada um.. Mais do que somente o tonto que anui com o medíocre estado de estar sem ser…

the MONSTRUKTOR

February 5, 2018

O bucólico instante de reconhecimento sobre a forma de ser humano; a melancólica virtude de olhar para trás ao caminhar para a frente; a nostalgia de agradar à morte com uma vida medíocre.

the MONSTRUKTOR

February 1, 2018

O bucólico instante de reconhecimento sobre a forma de ser humano; a melancólica virtude de olhar para trás ao caminhar para a frente; a nostalgia de agradar à morte com uma vida medíocre.

the MONSTRUKTOR

February 1, 2018

Treaties are possible, even when (I’m) commissioned.

the MONSTRUKTOR

October 26, 2017

Rest on restlessness.

the MONSTRUKTOR

October 8, 2017

Rest on restlessness.

the MONSTRUKTOR

October 8, 2017

I have seized the opportunity of new cycles when the quest for value is no longer made solely by me.

Apart from the apparent reasons to morn the past, I know the understanding of celebrating change, comes from an enlightened few that know the difference between it and my tales yet to be told.

Only in me I know for sure that the path taken is the righteous end of all that are yet to cross my sight.

I celebrate.

the MONSTRUKTOR

September 30, 2016

A contas com o bem que tu me fazes
A contas com o mal por que passei
Com tantas guerras que travei
Já não sei fazer as pazes

São flores aos milhões entre ruínas
Meu peito feito campo de batalha
Cada alvorada que me ensinas
Oiro em pó que o vento espalha

Cá dentro inquietação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer
Qualquer coisa que eu devia perceber
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Ensinas-me fazer tantas perguntas
Na volta das respostas que eu trazia
Quantas promessas eu faria
Se as cumprisse todas juntas

Não largues esta mão no torvelinho
Pois falta sempre pouco para chegar
Eu não meti o barco ao mar
Pra ficar pelo caminho

Cá dentro inquietação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer
Qualquer coisa que eu devia perceber
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Cá dentro inquietação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Mas sei
É que não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que eu tenho que fazer
Qualquer coisa que eu devia resolver
Porquê, não sei
Mas sei
Que essa coisa é que é linda

José Mário Branco

October 25, 2015

A contas com o bem que tu me fazes
A contas com o mal por que passei
Com tantas guerras que travei
Já não sei fazer as pazes

São flores aos milhões entre ruínas
Meu peito feito campo de batalha
Cada alvorada que me ensinas
Oiro em pó que o vento espalha

Cá dentro inquietação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer
Qualquer coisa que eu devia perceber
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Ensinas-me fazer tantas perguntas
Na volta das respostas que eu trazia
Quantas promessas eu faria
Se as cumprisse todas juntas

Não largues esta mão no torvelinho
Pois falta sempre pouco para chegar
Eu não meti o barco ao mar
Pra ficar pelo caminho

Cá dentro inquietação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer
Qualquer coisa que eu devia perceber
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Cá dentro inquietação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Mas sei
É que não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que eu tenho que fazer
Qualquer coisa que eu devia resolver
Porquê, não sei
Mas sei
Que essa coisa é que é linda

José Mário Branco

October 25, 2015

To the ones who realise I can’t stop please be advised that I can’t be stopped.

the MONSTRUKTOR

August 25, 2015