porto

Carta de motivação

A pedagogia em que habito foi, por mim, desafetada ( e desinfetada ) da instituição contaminante.
Sou um ser fundacional e dessa forma fundo a minha prática, numa sensibilidade que vai para além da crítica inovadora que me reconheço ser capaz de estruturar. Essa ecologia intelectual que alimento e que me retribui uma sustentabilidade possante de curiosidade e inquietação indexante, vive de modelos mensuráveis e reprodutíveis de hipótese, de teste e de constância – analítica, empírica, narrativa subjetiva e paisagem emocional pessoal – e de lugares :
. onde não posso ancorar a criação como construção ilusória, mas desiludida somente da sua pouca realidade prática;
. onde utopias podem ser de novo realidades.

EXTERNO

Love and Garbage, ou a expectativa em aceitar o amor e o lixo numa mesma frase, é em si um desafio provocatório, de crítica e autocomiseração sobre a matéria do mundo que resta para trabalhar.

É um argumento agressor, assente numa perspectiva picada sobre a instituição ocidental, secular, colonizadora de mentes, métodos e meios.

É um ponto de encontro condicional e tangente à própria noção crítica da visão pessoal, facilmente institucionalizada em processos de desmultiplicação da contemporaneidade, sempre intermináveis e por consequência inconsequentes.

É viver por isso no tempo definido pelo espaço intelectual do tema.

É viver no limiar da percepção e da dúvida do processo, tanto quanto na inovação da certeza da nova criação como a constatação da condição de incerteza e da curiosidade ínfima, cíclica e eterna. Uma curiosidade polimática, é nesse o território elementar de tangência onde me movo. Com a consciência do tempo decorrido e percebido, no contexto do que o imita e como o principal catalisador da prevalência da instituição, crio a oportunidade de escolher diferente, indexante, etimológico, semiótico e pleno de materialidades epistemológicas. Busco a frescura da leitura na forma de um externo, desconhecido e por isso livre do compromisso institucional.

É assim que vejo este grupo, corpo colectivo, estruturas que de novo promovem a assemblagem, montagem de paisagens de interesses e técnicos competentes na melhor disposição de fazer o presente que é passado e desse passado ainda presente, o que só por si não mudará o futuro.

INTERNO
A prevalência metodológica do processo, premente enquanto sistema ético e político de criação, mantém ancorada num contexto particular, singular e consequentemente universal a minha etnografia do lugar. Esta perspectiva progressista da forma de pensar e discutir coletivamente, garante o ( meu ) interesse pelo trabalho em cooperação, numa mesma conquista da alternativa aos processos sistematizados da arquitetura contemporânea.

Solidariedade, de apuro, de novas formas procedurais, de bases epistemológicas de criação e acima de tudo da construção de outros processos como as ferramentas desreguladoras das normas conhecidas, são inquietude que partilho, revoltando assertivamente novos actores numa simplificação peculiar de si próprios.

Esta abordagem literal decorrente de uma pedagogia radical, instruída a partir de proposições e processos físicos, sustentados, assentes no trabalho conjunto, colaborativo e laboratorial, corporizam a minha própria metodologia individual, testada em metodologia de grupo, na potência do ensemble e na ignição do lugar. A leitura cognoscente, cada vez mais próxima do átomo, ativando reciprocamente conceito, crítica e proposta de hipótese é o meu objetivo final : o mal afamado resultado.

Proponho uma interpolação derivante, seja do caráter do território, seja na justaposição da marca patrimonial, sempre na génese funcional, garantidamente pessoal e assente numa noção de percurso com história e relevo. Presencio uma arquitetura contemporânea em delírio galopante, um mero exercício de tentativa e erro na logística descomprometida do praticante do nada. Este processo demorado, capitalista e conformista, exige o prosperar de novos sistemas, a partir do sistema instalado, seja o do próprio lugar enquanto a alternativa aos processos da contemporaneidade, seja a da metodologia do próximo estilo, movimento ou denominação de caráter universal e determinista.

Serei assim um situacionista inconformado, raptado do espetáculo mundano pela minha noção de criação e governança cooperativa da cidade, agindo a favor da lógica da essencial.

CV Abreviado
Porto, 1979
Autor polímata, também conhecido como MONSTRUKTOR.

Desenvolve atividades de explorador crítico, curador de pessoas e mentes, através do seu sistema original de pensamento estrutural, crítico analítico e autoral.

. formação em arquitetura FAAULP
. especialização em Património e Paisagem FAUP
. formação em técnicas avançadas de Captação de Vídeo ESAP
. especialização em Representações Desenho e Imagens do Território FBAUP
. interpola académica e profissionalmente, desde 2000 o design gráfico, web e produto em ambiente de estúdio criativo @ STUDIUM
. dirige a criação e estratégias de marca em agência @ AMMP marcas e gestão

ASSEMBLE (Tutores)

5 a 8 de dezembro Com Madelon Vriesendorp, Jasmine Padjak, Thomas Thwaites, Andrés Saenz de Sicilia, Richard Wentworth, Rainer Hehl and Jerszy Seymour

EN

The pedagogy in which I live now, was disaffected (and disinfected) by the contaminating institution.
I am a foundational being and in that way I anchor my own practice, within a sensitivity that goes beyond the innovative criticism that I recognise be able to structure myself. I also nurture an intellectual ecology of retribution, always repaying me with a sustainable curiosity powered mainly by an indexing restlessness, relying on measurable and reproducible models of hypothesis, trials and constancy – either analytical, empirical or narrative and subjective personal emotional landscape – and places:
. where I cannot anchor creation as an illusory construction, but instead disillusioned only with its insufficient practical reality;
. where utopias may become realities again.

External
Love and Garbage, or the expectation of accepting love and garbage in a one sentence, is in itself a provocative challenge of criticism and self-pity about the matter of the world that remains to work on.

It is an aggressive argument, based on a steep perspective on the Western, secular, coloniser institution of minds, of methods, and means of production.

It is a conditional meeting point, tangent to the very critical notion of personal vision, easily institutionalised in processes of contemporary demultiplication, always endless and consequently inconsequential.

It is to live for it in the time defined by the intellectual space of the theme.

It is living on the threshold of the perception and doubt of the process, as well as in the innovation of the certainty given by a new creation as the finding of the condition of undermost uncertainty and of the cyclical and eternal curiosity. A polymath curiosity, as the elemental territory of tangency where I move. With the awareness of elapsed and perceived time, in the context of what imitates it and as the main catalyst of the institution’s prevalence, I create the opportunity to choose different, choose etymological, semiotic and full of epistemological materialities. I seek a new reading, mainly in the form of an external, unknown and therefore free of institutional commitment freshness.

This is how I see this group, a collective body, structures that again promote the assembly, setting up landscapes of interests and of competent technicians, able to make present what is past and from that past still present, what in itself will not change the future.

Internal
The methodological prevalence of the process, pressing as an ethical and political system of creation, keeps anchored in a particular context, singular and consequently universal my ethnography of the site specificity. This progressive perspective on the way of thinking and discussing collectively guarantees (my) interest in this cooperative work, in a conquest of the alternative from the normalised processes of contemporary architecture.

Solidarity, of refinement, of new procedural forms, of epistemological foundations of creation and above all of the construction of other processes such as the deregulatory tools of known norms, are concerns I share, therefore assertively revolting new actors in a peculiar simplification of their own selves.

This literal approach stemming from a radical pedagogy, based on propositions and physical processes, sustained on collective work, collaborative and laboratorial, embodies my own individual methodology, tested in group methodology, in the power of the ensemble and in the ignition of the place. My cognisant reading, closer and closer to the atom, reciprocally activating concept, critique and the proposal of the hypothesis is my ultimate goal: the ill-known result.

I propose a derivative interpolation, whether of the character of the territory or in the juxtaposition of the heritage brand, always in the functional genesis, preemptively personal and based on a notion of a carved history. I witness a contemporary architecture in a rampant delirium, a mere exercise of trial and error in the uncompromising logistics of the practitioner of nothingness. This time-consuming, capitalist and conformist process demands the prosperity of new systems, from within the installed system, whether of the place itself as the alternative to the processes of contemporaneity, either of the methodology of the next style, movement or denomination of universal and deterministic character.

I will thus be a nonconformist situationist, kidnapped from the mundane spectacle by my own notion of creation and cooperative governance of the city, acting in favor of the logic of the essential.

December 5, 2019

November 22, 2019

Se mais houvesse a dizer, eu teria dito, por isso agora partilho o que me apazigua a alma : a forma consciente de promover a minha arte, pela arquitetura, o planeamento urbano e a comunicação ( materializadas em tantas valências quanto necessárias ) que me dedico a praticar.

October 25, 2019

Carta de motivação

Externo

Falar do pós é em si uma imposição clara da prevalência do antes ( seja ele formulado pelo pré, pelo proto ou por outro qualquer prefixo temporal ) numa noção de tempo determinado somente pelo espaço intelectual do seu tema. Este limite, o da percepção, domina a prática. Refiro-me a esse antes, o que persiste na dúvida da melhor abordagem de entendimento a ter : seja porque transportamos o que sempre soubemos ou porque nunca inovamos verdadeiramente qualquer tema. O pós não pode ser assim mais do que um novo nada, dependente sempre da condição de incerteza que só a curiosidade e a exploração intencional de alguém, podem reabilitar do oblívio total.

Sem recurso à necrofilia, assumo que me interesso por esta matéria decomposta ( ou em constante processo de decomposição ) que é a leitura do tempo. Interesso-me pela textura dessas fibras batidas pela química da instituição, coloquiais e assim mais favoráveis à deglutição de grandes pedaços de conhecimento. Por experiência, proponho este consumo com o lubrificante adequado, na indexação etimológica e eminentemente em meio dominado pela semiótica, dessas materialidades epistemológicas. Não é obrigatório, mas em cursos como este é o que se espera : um especialista capaz de deglutir a putrefação endémica do meio de produção académico ocidental.

Este tema, se verdadeiramente trabalhado em grupo, que pela sua experiência, partilha o que tem/sabe/detém no presente do agora, pode desmaterializar o tempo do espaço que se propõe trabalhar. Tanto em curso como em oficina, faça-se Porto em Campanhã ( ou até campanha noutros portos como Gdansk ) e assim as não só parecenças nucleares serão expostas tanto quanto as diferenças de estilo, antropológicas e materiais do curso e dos seus participantes.

Interessa pois, ver e praticar a nostalgia da crítica, na partilha do que ainda não sei sobre um lugar. Acompanhado e acompanhando mais do que o óbvio, na sua transição do antes para um pós que merece ser criticado, pelo menos, quanto ao seu futuro.

Interno

A metodologia de trabalho proposta, a duração e a composição desse plano de trabalhos, o local e a potência do grupo, motivam-me na participação sacramental do tema e do lugar. Desde tempos que me inscrevo na topologia de Campanhã, cada vez mais próximo do problema e sempre na proposta de solução. Desde o curso que estudo, crítico e proponho solução para esta região. Planeio, projeto e estudo, participando e por vezes especulando, mas sempre consciente do potencial instalado e da forma potencial do resultado.

Derivo conscientemente de tema em tema, interpolando o que inusitadamente se sobrepõe pelo carácter essencial do território, na sua marca patrimonial e na sua génese industrial. Apelo a esta consciência e génio do lugar e ao que tudo isto significa para mim. Com a marca de autor reúno experiências variadas, desde a estratégia e criação em contexto patrimonial industrial ( C.E. Lionesa ) até ao plano e projeto da Fábrica e terrenos circundantes da Praça da Corujeira.

Detenho-me somente pelo sonho acordado em participar, na prosperidade deste velho novo lugar.

CV Abreviado
Porto, 1979
Autor polímata, também conhecido como MONSTRUKTOR.

Desenvolve atividades de explorador crítico, curador de pessoas e mentes, através do seu sistema original de pensamento estrutural, crítico analítico e autoral.

. formação em arquitetura FAAULP
. especialização em Património e Paisagem FAUP
. formação em técnicas avançadas de Captação de Vídeo ESAP
. especialização em Representações Desenho e Imagens do Território FBAUP
. interpola académica e profissionalmente, desde 2000 o design gráfico, web e produto em ambiente de estúdio criativo @ STUDIUM
. dirige a criação e estratégias de marca em agência @ AMMP marcas e gestão

ANETA SZYLAK, INÊS MOREIRA (Tutores)

28 de setembro a 4 de outubro Águas do Porto – Central Elevatória de Nova Sintra Com Anton Kats, Elena Lacruz, Jonas Žukauskas, Jorge Ricardo Pinto, Solvita Krese

September 18, 2019

Vivo envolto numa pedagogia muito própria desde há demasiado tempo : nunca pela institucionalização da minha prática, mas sempre pela sensibilidade crítica da minha abordagem. Para a sustentabilidade dessa ecologia pessoal preciso de modelos de hipótese, de teste, e de análise, lugares onde a minha criação fundacional se iluda e desiluda da sua realidade prática, e ainda, onde as utopias possam dar lugar a novas considerações evolutivas e factuais. 

Esta construção é praticada em ambiente controlado de crítica e criação, modelando a estranheza da abordagem com a minha assertividade, própria de um crítico inquieto. Abraço quotidianamente ( a partir de um estruturalismo imaginado e autoral ) um sistema de sistemas que me permite abordar a universalidade polidisciplinar da minha decisão : criativa, procedural, administrativa, operacional, estratégica e também legal. Este sistema enquanto processo de atividade procedural, age como uma composição de argumentos rasos, envoltos no contexto da decisão e da irrefutabilidade. Desde as propostas e interações provenientes da arquitetura de informação – através das entidades conceptuais criticamente selecionadas – é possível delimitar um plano visionário, que se materializa num conjunto rigoroso de técnicas quantitativas e qualitativas, obrigatoriamente públicas e autoriginais.

O tempo deste sistema é o meu, e por isso comporta um universo de experiências pessoal. Para libertar a análise e a dependência do resultado desse ambiente condicional, proponho a prática da auto verificação e da irrefutabilidade. Este é um dos fatores de maior importância, em falta, nos sistemas de criação, nas práticas de produção e desde as instituições de formação. É por isso necessário discutir uma ética de remoção do ego académico, endogámico e obsoleto. É necessário encaminhar essa política capitalista perante o processo de criação para a extinção, favorecendo a progressão evolutiva do indivíduo criador ao invés da substituição pseudo curativa dos mesmos conceitos pelos mesmos conceitos.

Este ecossistema, prevalece unicamente numa relação de interdependência, entre as suas partes numa leitura antropocêntrica desta entidade autónoma, mas sempre relativa à sua relação humanizada – a garantia da realidade concreta do exercício que outrora ficcional, desde a mente de partida, agora promove a metodologia de modo a evitar propor soluções, propor em substituição a seleção do método, da prática e dos processos enquanto construção e percurso iterativo.

Do estúdio que domino, do design enquanto abordagem estruturalista, e do exercício prático tanto quanto real, pretendo ativar tanto o espaço de contacto ficcional, quanto o visitante real, numa participação pedagógica provocadora, onde até o tutor será tentado pela minha abordagem.

Porto Design Biennale 2019

— workshop 4 | 23–27 setembro 2019 [exposição 28 setembro]
DESIGN AS LEARNING: RE-EDIT
Por Jan Boelen e Vera Sacchetti

Porquê fazer design? Qual é o propósito do design? Estas são questões prospetivas para uma disciplina criativa que, mais do que nunca, se afigura esquiva a definições. Num mundo de recursos naturais depauperados, sistemas políticos e sociais exauridos, submetido a uma sobrecarga de informação, há muitos motivos urgentes para repensar a disciplina do design e uma necessidade crescente de nos focarmos na formação em design. Aprender e desaprender deveriam tornar-se processos integrantes de uma prática educativa contínua. Precisamos de novas propostas de organização social e de estruturação governativa, novas formas de viver com – e não contra – o planeta, de aprender a separar factos de ficções e de nos relacionarmos com cada um e, sinceramente, de simplesmente sobreviver. Este workshop toma como ponto de partida a publicação Design as Learning: A School of Schools Reader, produzida aquando da 4.ª Bienal de Design de Istambul, A School of Schools. Através de uma série de leituras coletivas, discussões e visitas in situ, vamos olhar para a formação em design através de diversos prismas, considerando de que modo diferentes modelos pedagógicos educativos têm sido implementados ao longo do tempo. Estas leituras, visitas e reflexões serão repensadas e reeditadas para dar forma a novas reflexões e caminhos alternativos para o design, a educação e a formação em design.

DIREÇÃO
Jan Boelen é diretor artístico da Z33 House for Contemporary Art em Hasselt, na Bélgica, um espaço dedicado à experimentação e inovação e à organização de exposições inovadoras de design e arte contemporânea, e do Atelier LUMA, um laboratório experimental de design em Arles. É curador da 4.ª Bienal de Design de Instanbul (2018). Dirige o departamento de Social Design na Design Academy Eindhoven, na Holanda.
Vera Sacchetti é curadora e crítica de design. Faz diversos trabalhos de curadoria, investigação e edição. Integra a iniciativa curatorial Foreign Legion e é cofundadora da agência de consultoria editorial Superscript. Foi curadora associada da 4.º Bienal de Design de Instamblul e conselheira curatorial da Bienal de Design de Liubliana, na Eslovénia. Os seus textos têm sido publicados na Disegno, Metropolis e na Avery Review, entre outras publicações.

July 16, 2019

Carta de motivação

Externo

Desde a presença à participação, ativando outros olhares para a cultura e para o seu manifesto na sociedade contemporânea Este é o legado pós colonial, ruinosamente ocidental e deturpado de virtude livre do seu site specificity, que ainda reúne num protocolo de artistas e intelectuais, a eterna discussão desde a arte, a crítica, a curadoria, a produção, a história e a representação.


Interessa pois, e a partir destes termos, explorar a visão pessoal, cultural, social e sempre institucional que o indivíduo representa neste grupo de trabalho. Interessa ainda sugerir, pela contaminação de novos critérios de análise e sugestão, que o mesmo indivíduo se transforme num ativo universal, proclamando mais e mais camadas descolonizadoras, no sentido possível da noção de contemporaneidade.

Interno

Nunca abafado pelo grito persistente do legado, o processo deve seguir o caminho do reconhecimento desavergonhado dum novo sistema de ética e política de criação : antropológica enquanto lógica; cultural enquanto manifestação universal do tempo e do lugar etnográfico.


Material e imaterial, este procedimento deve abarcar metodologicamente as formas de repressão, tanto quanto as epistemologias de interação crítica com os processos de criação. Só assim é possível garantir as ferramentas assertivas para identificar as instituições originárias de tais sistemas de produção.
Desde o processo, ao método, em perspectiva com o sistema de informação, quero aprender e desaprender as práticas formativas para garantir a minha consciência e presença egossencial.

CV Abreviado
Porto, 1979
Autor polímata, também conhecido como MONSTRUKTOR.

Desenvolve atividades de explorador crítico, curador de pessoas e mentes, através do seu sistema original de pensamento estrutural, crítico analítico e autoral.

. formação em arquitetura FAAULP
. especialização em Património e Paisagem FAUP
. formação em técnicas avançadas de Captação de Vídeo ESAP
. especialização em Representações Desenho e Imagens do Território FBAUP
. interpola académica e profissionalmente, desde 2000 o design gráfico, web e produto em ambiente de estúdio criativo @ STUDIUM
. dirige a criação e estratégias de marca em agência @ AMMP marcas e gestão

CLAIRE BISHOP, NUNO CRESPO (Tutores)

10, 11, 12 e 13 de julho 2019 Com Dora García, Emanuel Lopes (Coletivo Cadjigue), Filipa César, Françoise Vergès, Kader Attia e Marinho de Pina

July 7, 2019

Sejam coisas, ações, verbos e sobretudo adjetivos tudo cabe à partida. Mas há também aquilo que não, e segue no porão. Vistas, listas, pontos de eleição, paragens, paisagens lendárias e outros momentos futuros imaginários, são a carga pesada que é levada a sério. Ou serão apenas um #checkpoint a assinalar numa qualquer #bucketlist, numa demanda em forma de missão que nos obriga, pelos outros, a normalizar a nossa própria viagem? São estes nossos hábitos habitantes.

Mas será que voltamos ainda mais carregados? Será que o peso é maior à chegada do que foi à partida? Será que o que transporta vem afinal carregado de coisas novas, ou tem só o pó superficial deste agora?

Esta procissão de relíquias sagradas tem um propósito claro, eu é que ainda não sei qual é. Talvez no futuro saibamos olhar para trás e entender estes fluxos migratórios temporários ( como fazem os pássaros para sobreviver, ou os gafanhotos para viver ) , numa expectativa de aprender, se o que procuramos quando por aí andamos são recursos, ou é só a humanidade de querer encher relicários andantes. Uma vaidade de quem se cultiva ou a vaidade de outro #milestone alcançado?

Na ironia entre quem parte e quem chega, entre quem se adapta e quem se impõe, vejo muito clara a forma desvendada dos caixões que se passeiam pela rua acima, rua abaixo, cheios de um pouco de todos nós.

Qual a religião deste momento? quais as crenças que nela habitam? quais os deuses a quem se reza? qual o perdão final de quem carrega relicários, cheios de ouro e novidade? Chamar-se-á Economia Turística a deusa que guia essa mesma procissão?

Relicarium 2019 @SharedInstitute – Porto, Portugal

O conteúdo real é afinal uma amálgama de intenções, e não pode ser mais do que isso. Falsetes pessoais que definem uma fraca saúde mental e social, quase sempre comparativa pelos media que tanto impressionam. O indivíduo consciente dissociado do objeto e dependente da experiência para validar-se perante o mundo. Quem comanda quem? Onde está o controle?

Os comerciantes de relíquias e objetos sagrados pessoais traficam a nossa matéria invisível, aquela que se esconde em nós. Cedemos : na oportunidade de vender uma memória conservada para sempre; no futuro possível do argumento egoísta de uma conversa centrada em nós; muitas vezes autista; numa partilha que guarda sem vergonha esta viagem como mais um elo do percurso assoberbante que já não é a vida.

“Hoje eu sou isto e muito devo ao que colecionei.”

Serão muitas as vozes assim, tantas quantas as que deambulam porque sim, sem mais sentido, porque a vida ( económica ) lhes permite essa forma boémia de andar por aí. Afinal esse capital será sempre a carga que chega e a carga que parte.

Porto Design Biennale após,

workshop 1 | 10–12 maio 2019
DESIGN SYSTEMS: IMPOSSIBLE METHODS
Por Luiza Prado & Pedro Oliveira ( A Parede )

July 3, 2019

É na plena continuidade dos coletivos PLÁKA, que me encontro presente, no acionamento da cidade, e pela comunidade que a promove. Sinto a ação formativa, estruturante e pioneira que a cada passo toma controlo sobre a decisão de ser mais, não só alguma coisa, e como isso passou a comandar em cada participante o tempo da sua própria contemporaneidade. Como passei eu, a ser a ferramenta de contexto além da minha abordagem pessoal com o meu outro mundo.
A vivência desde a resistência da política da sobrevivência, uma aposta na perspetiva da ética, filosófica e sedimentada na base do conhecimento como observação do alheio, adjetivou cada participante com a relação dentro do seu ecossistema particular, como a garantia de acesso à camada mais comum.
E agora a prática, o acionamento da rotina pela experiência que suja, ensina, limpa e repete. Metodologicamente, a dissecação de objetivos, competências e responsabilidades, numa taxonomia tutorial de filosofia aplicada, prática. Mesmo temporária, e desde a leitura da escola oficina, pretendo criticar-me na posição que ocupo e dessa forma implicar o contexto que se cruza tangencialmente comigo; como poderá intersetar uma nova realidade aumentada, mais competente e consciente, feita não só de mim como dos outros que também se debatem para nunca parar de aprender.

Carta de motivação MONSTRUKTOR

PARA A ESCOLA E FORA DELA, a relação direta entre o que aprendemos e ensinamos, entre o que dou e recebo.

June 26, 2019

Aguardo uma derrapagem de sentido onde o espírito de um lugar, enquanto um movimento sem novo resultado, não será mais do que uma simples rotação de soslaio no teorema ecológico do momento em que suspiramos, desde as nossas ambições de futuro, uma incerta enquanto sóbria reflexão. Composto pelos fluxos piroclásticos, implícitos aos movimentos intelectuais e geradores de massa crítica, conto com o novo conteúdo – iluminista; com os novos contextos – paradoxos acelerados por um efeito Venturi renovador e lancinante; com as novas propostas – inflamadas pela interminável dúvida do pensador incomum.
Desejo um criterioso controlo da metodologia, procedural, uma execução magistral, na demonstração e/do domínio da forma e/do modo ( acima de tudo do modo ), pela partilha e experiência de atravessamento inter corpóreo, dos tutores e dos seus selecionados, na transmissão do tema proposto. Um rigor analítico, uma discussão revigorante, um registo horizontal que extravasará a performance individual deste grupo, transportado pretensiosamente para os novos horizontes intelectuais urbanos da cidade, além do contexto e da sua história.
Proponho uma seleção de consciência, de nível mitocondrial, onde não só os espaços mas também os sujeitos são acionadas como momentos expectantes, num desígnio estaminal que somente o resultado pela necessidade influenciará a formação definitiva do ato.

Carta de motivação MONSTRUKTOR

A interpretação das POLÍTICAS DE SOBREVIVÊNCIA no contexto do tempo, espaço, matéria e modo.

June 26, 2019

Depósito de Bagagem @Estação de Metro Bolhão, Porto, Portugal

O estado comatoso da mala, em viagem, escondida da vista de todos mais uma vez, como sempre.

May 26, 2019

Em meio solúvel, em oficina, estúdio ou gabinete é onde a densidade do criativo do design melhor se enquadra e onde este participa com a marca, a estratégia, o tema e o suporte numa convergência de interesse tão real quanto pessoal e efémero. Em solubilidades diluídas como as de agência ou até de consultoria ( em contexto interno ou externo à equipa de projeto ), a produção do design é um paradoxo de aceitação e canibalismo intelectual, uma sodomia criativa e sobreposição da competência pela técnica e nunca pelo conteúdo.

Em qualquer dos casos, raramente alguém sabe bem o que fazer a partir do como fazer e não do quem fez o quê. Vale tudo e fica bem desde que a prevalência seja a da novidade, a nova. Fazem-se coisas que soam bem, parecem bem e não se garantem irrefutáveis : seja pelo profissionalismo criativo seja pelo incontestável processo de trabalho. Obviamente que a afetação irresponsável da criação a um profissional idealista e sem escrúpulos de si próprio para si próprio não ajuda e claro, deturpa a imagem do processo a quem detém o poder da comissão.
A culpa do design é dos designers e o estado atual dos meios de produção a estes dizem respeito, exclusivamente : senão exigimos o respeito a nós próprios e à profissão, nunca seremos prendados por ninguém ( mercado, academia, outros sectores ) com nada menos do que isso. A este cenário devemos afetar a própria definição de meios de produção : plena de sarcasmo e ambiguidade, voltada aos media, confundindo tudo e todos nos canais e nas ferramentas, desprestigiando os suportes e os conceitos basilares de aplicabilidade, legibilidade e de acesso universal, como se fosse demasiado difícil integrar e mesmo assim, o trabalho ficar com bom aspeto. Preguiça, falta de capacidade, ou pura e simplesmente a banalização do ensino da arte e do design.
São estes meios de produção que me interessa discutir, aprioristicamente e na base fundamental das gerações de criativos que são despejados em mercados de produção sem meios reais de criação. Propor novos sistemas metodológicos, desbloqueadores do acesso pela compreensão e entendimento do verdadeiro papel do criativo no design de comunicação seja ele mais ou menos gráfico.

Porto Design Biennale

April 29, 2019

Viver na obsessão pela compulsão visual, popular e folclórica, essa das imagens efémeras relativas ao influxo do trauma intelectual de hoje, na construção cíclica do presente POP, enquanto meio cultural ( ? ). Afinal é nesta presença global das imagens que se refletem em nós os conceitos de contemporaneidade para os futuros olhos da história passada; é ainda neste limbo entre a realidade sentida e a realidade inventada, que nos deixamos manipular desde a fonte da informação, até ao mais íntimo e ínfimo detalhe ficcional que nos impõe como verdade e até estilo de vida.

Onde assenta então a crítica? Individual ou coletiva? A prevalência do meio ou da mensagem? Paradigma dos tempos ou paradoxo da própria espécie? O antropocénico ou a egocência? Perguntas ou dúvidas?

As marcas, os pontos notáveis e as inflexões de raciocínio, assentes na epítome do singular ou do coletivo, fluem no diálogo do contacto inter dimensional, virtual e por vezes, também irreal. Os pontos de contato, as marcas entre os humanos que necessitam de ligação efetiva à linha temporal global, como se a sua sanidade dependesse disso mesmo – do tempo que acham que partilham com os outros. A alternativa não é dada pelo contato com a realidade mas antes pela leitura e interação interpretativa que temos com a território mental que construímos como paisagem cultural. Este conceito, determinista e constitutivo de uma construção individual, nunca foi a verdade. Apetece-me identificar os fatores que nos posicionam a todos perante a noção concreta de tempo e espaço cultural, só para os distorcer ao limite da sua própria razoabilidade e aí, refletir numa sobrevisão omnisciente como num legado para esse grupo de humanos com os quais ainda partilho a minha linha temporal.

É este o verdadeiro paradoxo : entre a vida real individual e o cenário coletivo que nos é imposto; entre a noção de participação induzida e a completa passividade autoral; entre os meios de produção regimentados e as políticas da criação ética; entre a linha temporal da história ( antropológica, biográfica e etnográfica ) e o tempo cultural da massificação capital deformada em estória ( historieta ); é aqui que situo a cultura POPular, onde procuro reconhecer cada vez mais como um ciclo interminável de um tempo presente que se extingue no momento em que é identificado.

Porto Design Biennale

April 2, 2019

#light #color #landmark #reflection #proportions #morning #street #urban #porto (at Studium . creative studio & gallery)
https://www.instagram.com/p/Bvqk0IEFP8-/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=dtxg7jlotv1w

March 31, 2019

A prática do processo e da criatividade implicam urgentemente uma revisão do sistema metodológico corrente. Denso, pesado e complexo, sem a exatidão que garante processo até ao resultado, apoia-se demasiado na gratificação do produto final, da estética insustentável da moda e do efémero. É perante a curadoria interpretativa dos modelos de pensamento institucionalizados ( tanto quanto da pedagogia estratificada pelo público orgânico, pelo tema e pela mensagem ) que os conjuntos de linguagem devem formar os novos atores do campo do design e da criação. A prática curatorial é um intento auto infligido, que não se treina ou se adquire sem a noção concreta de que esse estilo de vida afeta não só a nossa visão imediata, como também influencia os nossos contatos inter sociais.

Só pela autoria é possível delinear o caminho equilibrado entre a comissão e o processo auto iniciado : esta abordagem pode assim seguir livre pela resistência do eficaz e no ganho da eficiência pela irrefutabilidade e nunca do gosto descartável. E é este significado social descentralizado desde a academia que importa entender, seja pelo sentido mais lato da palavra, seja pela epistemologia do entendimento abrangente ao acesso universal e coletivo. A suficiência da narrativa é implicitamente medíocre e não responsabiliza os participantes da mesma forma – seja quem forma ou seja quem se forma – em mar de iguais ninguém vai querer assumir a diferença.

A responsabilidade da construção ( pessoal, profissional, singular ou coletiva ) deve começar pela base estruturante da desconstrução e veementemente criticar os modelos, pelos dogmas e pela leitura colonizada dos sistemas de produção ocidentais. Para suprir esta falta de crítica consciente e da prática curatorial como razão profissional, o fator de interesse inicial é o que deve ser dedicado ao fator decisão. As tensões visíveis entre os meios de produção bissectam o mundo atual entre as práticas ininteligíveis, próximas do domínio artístico do design e entre a massificação comercial de mensagens estéticas obsoletas e irresponsáveis. Seja qual for o meio, o público, a instituição, a aposta no fator decisão deve simplificar o real acesso ao significado, à promoção consciente do uso necessário, tanto quanto de outros termos mais imediatos.

Esta é uma falha de base que somente a revisão processual, tanto quanto das políticas de criação, pode evoluir e fazer avançar pelo movimento cíclico da decisão, do ímpeto, da iniciativa e da investigação, da inquietude e da infinita vontade cruzada na ambição do discurso notável e responsável metodologicamente.

Porto Design Biennale

March 28, 2019

Insightful! #esad #id #talks #industrial #design #designsketch #sketchdrive #sketch #matosinhos #porto #product #design (at ESAD Matosinhos)
https://www.instagram.com/p/BuMP0S7F7tc/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=olff4yk0ikvg

February 22, 2019

De volta para mais… #faculdade #belas #artes #universidade #porto #representacao #territorio (at Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto – Institucional)
https://www.instagram.com/p/BuCSVv_F8I3/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=16myu6p521wn

February 18, 2019

Comunicar e o sentido proibido destrutivo. #porto #sign #view #city #future #tower (at Câmara Municipal do Porto)
https://www.instagram.com/p/Btra-paFFK0/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1speo4bvjfegd

February 9, 2019

Comunicar e o sentido obrigatório opinativo. #porto #sign #view #city #future #tower (at Câmara Municipal do Porto)
https://www.instagram.com/p/Btra2DPFbTL/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=mmoaczdnm4gw

February 9, 2019

#working #studio #design #graphic #web #architecture #porto #portugal #hard #lighting (at Studium . creative studio & gallery)
https://www.instagram.com/p/BtbtUWilLbY/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=lnevt35jrf4e

February 3, 2019

#porto #bolhao #mercado #market #work #construction #worker #fluorescent #green #orange #sky #facade #confeitaria #impossible #lighting #light (at Mercado do Bolhão)
https://www.instagram.com/p/BsY114WA0D0/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=3gb7xa1jqwff

January 8, 2019

January 8, 2019

Obliquidade _s #portotowers #lowcity #skyline #new #porto #architecture (at Capela de Nossa Senhora Da Boa Hora de Fradelos)
https://www.instagram.com/p/BsJVOa6g13O/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=faycww8v0k97

January 2, 2019

#imoloc #portotowers #lowcity #skyline #new #porto #architecture #leca #palmeira #double #trouble (at Leça Da Palmeira, Porto, Portugal)
https://www.instagram.com/p/BsIn-JWg6nb/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=ip77u5jh1qse

January 2, 2019

#imoloc #portotowers #lowcity #skyline #new #porto #architecture #leca #palmeira #double #trouble (at Leça Da Palmeira, Porto, Portugal)
https://www.instagram.com/p/BsIn6nzAmLU/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=b7bt1py2271c

January 2, 2019

#imoloc #portotowers #lowcity #skyline #new #porto #architecture #leca #palmeira #double #trouble (at Leça Da Palmeira, Porto, Portugal)
https://www.instagram.com/p/BsInzjGgZ9M/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=bsb7qjc2m03m

January 2, 2019

#imoloc #portotowers #lowcity #skyline #new #porto #architecture #leca #palmeira #double #trouble (at Leça Da Palmeira, Porto, Portugal)
https://www.instagram.com/p/BsInxA1AraZ/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=lrvqp9xvu5zm

January 2, 2019

#imoloc #portotowers #lowcity #skyline #new #porto #architecture #leca #palmeira #double #trouble (at Leça Da Palmeira, Porto, Portugal)
https://www.instagram.com/p/BsInu8ugLZ1/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=4gzyfj8vskk8

January 2, 2019

#imoloc #portotowers #lowcity #skyline #new #porto #architecture #leca #palmeira #double #trouble (at Leça Da Palmeira, Porto, Portugal)
https://www.instagram.com/p/BsIngDOg3T4/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1kilf00lvwuvy

January 2, 2019

A sair da sombra e o homem escondido. #Porto #shadow #foco #p3top #perspective #architecture #monstruktor (at Foco, Boavista, Porto)
https://www.instagram.com/p/BsGTYDDAQkZ/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=a9in2w8w7rio

January 1, 2019

#marciofreitas #josecarlosloureiro #soutomoura #portotowers #lowcity #skyline #new #porto #architecture #goncalocristovao (at Rua de Gonçalo Cristovão)
https://www.instagram.com/p/BsC40SRg2pt/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=9ri45res1x6f

December 31, 2018

#marciofreitas #josecarlosloureiro #soutomoura #portotowers #lowcity #skyline #new #porto #architecture #goncalocristovao (at Hotel Dom Henrique – Downtown Porto)
https://www.instagram.com/p/BsC4fjqAA4L/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=7uo1kuscaul7

December 31, 2018

#marciofreitas #josecarlosloureiro #soutomoura #portotowers #lowcity #skyline #new #porto #architecture #goncalocristovao (at Hotel Dom Henrique – Downtown Porto)
https://www.instagram.com/p/BsC4Vpjg2Zb/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=189c600762rqp

December 31, 2018

#sunsets #boring #pictures #boring #people #porto #red #sign #river #douro (at Lordelo Do Ouro, Porto, Portugal)
https://www.instagram.com/p/Br-0JBdA_VW/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1rsbzweg60qgt

December 29, 2018

#sunsets #boring #pictures #boring #people #porto #portotowers (at Lordelo Do Ouro, Porto, Portugal)
https://www.instagram.com/p/Br8a4HRg_Pl/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1djkdp1tc42fx

December 28, 2018

#marciofreitas #josecarlosloureiro #soutomoura #portotowers #lowcity #skyline #new #porto #architecture (at Estação Trindade)
https://www.instagram.com/p/Br7uzYfgxRc/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1u5d7lxnx7ew1

December 28, 2018

Oh oh oh #porto #light #irony #season #hypocrite #not #hohoho (at Porto, Portugal)
https://www.instagram.com/p/BrsbGAglNzc/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=o3g1hwtapvk4

December 22, 2018

Looking for the fantasy attic in Brussels #tsos #plaka #sessions #porto #iritrogoff #benjaminseroussi #oliviermarbeouf #curating #myself #egocentric #politics #structural #ethics #bohemian #researcher #hard #work #headache #thankyou #beautiful #mind #conjuntural #procedural #tessellation #contact #ines #see #you #soon #startinthemiddle (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/BrcnDe3FH_F/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1rb9o7def1sy5

December 16, 2018

Looking for the fantasy attic in Brussels #tsos #plaka #sessions #porto #iritrogoff #benjaminseroussi #oliviermarbeouf #curating #myself #egocentric #politics #structural #ethics #bohemian #researcher #hard #work #headache #thankyou #beautiful #mind #conjuntural #procedural #tessellation #contact #ines #see #you #soon #startinthemiddle #intellectual #brothel (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/BrbF-K9Au1f/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1ijcp1rqpodup

December 15, 2018

#porto #night #sunset #breathe #engulf (at Jardins do Palácio de Cristal)
https://www.instagram.com/p/BrL6rbulenC/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=o377gc9ruxri

December 10, 2018

#trans #antiquity #transantiquity #exhibition #porto #cultura #tranquilidade #night #light (at Galeria Municipal do Porto)
https://www.instagram.com/p/BrL6bjclPYq/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1oux394bm1hhd

December 10, 2018

#grocerystore #grocery #atm #porto #art #district #legit #fake (at Rua Miguel Bombarda / Porto Art District)
https://www.instagram.com/p/BrL6FYlFkCY/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1cuqsgoip05d7

December 10, 2018

#reflection #night #day #red #blue #sky #porto #art #gallery #painting #magic #hour #walk #street #omw #orange #mirror #storefront #sillouette #ocaso #lusco #sunset (at Rua Miguel Bombarda / Porto Art District)
https://www.instagram.com/p/BrLRMcxlycI/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1p2s16j2hzvdn

December 9, 2018

#porto #sunset #yellow #light #magic #hour #façade #structure #scale #street #people #view #perspective #coble #construction #site (at Aduela taberna-bar)
https://www.instagram.com/p/BrKhTxcFOM9/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=r9f6kaxoiz53

December 9, 2018

#agora #club #forumdofuturo #porto #futuro #cultura #bazofias #professional #bullshit #entertainment #forum #international #superstar #discussion #evolution (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BrFn2vjlgWK/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=ocyygbax8mh5

December 7, 2018

#agora #club #forumdofuturo #porto #futuro #cultura #bazofias #professional #bullshit #entertainment #forum #international #superstar #discussion #evolution (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BrFnqtelNKN/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1gy9idjgnlcti

December 7, 2018

#agora #club #forumdofuturo #porto #futuro #cultura #bazofias #professional #bullshit #entertainment #forum #international #superstar #discussion #evolution (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BrFnYtqlpQ2/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=811el9uqjzi7

December 7, 2018

#agora #club #forumdofuturo #porto #futuro #cultura #bazofias #professional #bullshit #entertainment #forum #international #superstar #discussion #evolution (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BrFnLdPF8MY/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1ieewhdhc7thg

December 7, 2018

#agora #club #forumdofuturo #porto #futuro #cultura #bazofias #professional #bullshit #entertainment #forum #international #superstar #discussion #evolution (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BrFm8YPlGYI/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1p2mg83dcees0

December 7, 2018

#agora #club #forumdofuturo #porto #futuro #cultura #bazofias #professional #bullshit #entertainment #forum #international #superstar #discussion #evolution (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BrFmznMlHIA/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=o61tbpzrxx4

December 7, 2018

#agora #club #forumdofuturo #porto #futuro #cultura #bazofias #professional #bullshit #entertainment #forum #international #superstar #discussion #evolution (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BrFmmKSF1h8/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=yvvye9f0ocya

December 7, 2018

#agora #club #forumdofuturo #porto #futuro #cultura #bazofias #professional #bullshit #entertainment #forum #international #superstar #discussion #evolution (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BrFmUojl_cK/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=9qptnki757ba

December 7, 2018

#agora #club #forumdofuturo #porto #futuro #cultura #bazofias #professional #bullshit #entertainment #forum #international #superstar #discussion #evolution (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BrFmLhDFGpz/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1keoancohzwb8

December 7, 2018

#agora #club #forumdofuturo #porto #futuro #cultura #bazofias #professional #bullshit #entertainment #forum #international #superstar #discussion #evolution (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BrFl625Fez-/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1dqgh4ovyujoc

December 7, 2018

#agora #club #forumdofuturo #porto #futuro #cultura #bazofias #professional #bullshit #entertainment #forum #international #superstar #discussion #evolution (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BrFlwelFLpm/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=13y0mzgt124bj

December 7, 2018

#agora #club #forumdofuturo #porto #futuro #cultura #bazofias #professional #bullshit #entertainment #forum #international #superstar #discussion #evolution (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BrFlkMNlfgL/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=gokng46uae9m

December 7, 2018

#agora #club #forumdofuturo #porto #futuro #cultura #bazofias #professional #bullshit #entertainment #forum #international #superstar #discussion #evolution (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BrFlCm-F-c-/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=j9i9jc5c0a9a

December 7, 2018

Carta de Motivação selecionada

Externo

É na plena continuidade dos coletivos PLÁKA, que me encontro presente, no acionamento da cidade, e pela comunidade que a promove.

Sinto a ação formativa, estruturante e pioneira que a cada passo toma controlo sobre a decisão de ser mais, não só alguma coisa, e como isso passou a comandar em cada participante o tempo da sua própria contemporaneidade. Como passei eu, a ser a ferramenta de contexto além da minha abordagem pessoal com o meu outro mundo.

A vivência desde a resistência da política da sobrevivência, uma aposta na perspetiva da ética, filosófica e sedimentada na base do conhecimento como observação do alheio, adjetivou cada participante com a relação dentro do seu ecossistema particular, como a garantia de acesso à camada mais comum.

E agora a prática, o acionamento da rotina pela experiência que suja, ensina, limpa e repete. Metodologicamente, a dissecação de objetivos, competências e responsabilidades, numa taxonomia tutorial de filosofia aplicada, prática. Mesmo temporária, e desde a leitura da escola oficina, pretendo criticar-me na posição que ocupo e dessa forma implicar o contexto que se cruza tangencialmente comigo; como poderá intersetar uma nova realidade aumentada, mais competente e consciente, feita não só de mim como dos outros que também se debatem para nunca parar de aprender.

Interno

Admito-me um ser profundamente epistemológico, e vivo dessa filosofia da ciência e do conhecimento. Divido as minhas metodologias e abordagens, sistemas e processos, enquanto rotinas diárias de criação e hipótese. Nesse contexto, muito raramente sou acompanhado por tutoria que não a decisão do gosto comercial de outros. Por isso criei um conjunto de ferramentas, verificações e auto análises de ato, modo e resumo que me infligem uma auto curadoria em simbiose com essa tutoria auto curada, que me distanciam cada vez mais da realidade medíocre do mercado – práticas que precisam de teste, mais teste. Exploro desde sempre os limites da encomenda comercial com a autoriginalidade, a de um ser como eu : um monstro crítico, em frente ao espelho, a flutuar na busca do eterno COMO? É desta forma que penso, seja no meu contexto de iguais, seja separado pelo tempo e pelo espaço em tantos outras dimensões cosmológicas, as quais, sem perda de nexo, rumam para mim, em mim, como instituição.

CV Abreviado

Sérgio Miguel Magalhães, autor, também conhecido como o MONSTRUKTOR, o autor, desenvolve atividade de explorador crítico e curador de pessoas e mentes no Porto. Formado em Arquitetura, interpolando profissionalmente desde 2002 o Design Gráfico e Web com o Design de Produto e a Curadoria e Estratégia de Marcas.

ANA ROCHA, ANDRÉ SOUSA (Tutores)

20-24 de Novembro 2018 + 11-15 de Dezembro de 2018 + 14-19 de Janeiro de 2019 Com Adrian Heathfield, Benjamin Seroussi, Catarina Saraiva, Fadwa Naamna, Irit Rogoff, Markus Miessen, Olivier Marbouef, Pedro G. Romero e Stephan Dillemuth

November 18, 2018

Next year will be … #thanks #congrats @joaquimguilhermeblanc #brookeholmes @acimanandre @eva_franch @guanxiaoisme #pankajmishra @loscandeleros @loverslollypops @cmp_portocultura @caferivoli @teatro_municipal_do_porto #cumbria #baile #wtf #forumdofuturo #agoraclub #cmp #porto #classic #west #east #philosophy #rivoli #talk #classicistic #ancient #times #view #return #rediscover (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BqGKq14lYki/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1ry98mv0xepsd

November 12, 2018

Olé to the history of a urban, self destructive society that forgets the primitive biological element of reason. I would listen to you for hours, if only this present we both live in, was not so much damaged and therefore inflicted so much distortion our reasonable and simple minds. Don’t over complexify things but instead enter the realm of simplicity, of simple humans.

#overwhelmed #lets #eat #pinchos #drink #wine #necropolitics #biopolitics #cyberpolitics #paulpreciado #paulbeatrizpreciado #preciado #human #evolutionary #wtf #forumdofuturo #agoraclub #cmp #porto #classic #west #east #philosophy #rivoli #talk #classicistic #ancient #times #view #return #rediscover (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BqDKsknlObH/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1fpdr59wyw0ug

November 11, 2018

Olé to the history of a urban, self destructive society that forgets the primitive biological element of reason. I would listen to you for hours, if only this present we both live in, was not so much damaged and therefore inflicted so much distortion our reasonable and simple minds. Don’t over complexify things but instead enter the realm of simplicity, of simple humans.

#overwhelmed #lets #eat #pinchos #drink #wine #necropolitics #biopolitics #cyberpolitics #paulpreciado #paulbeatrizpreciado #preciado #human #evolutionary #wtf #forumdofuturo #agoraclub #cmp #porto #classic #west #east #philosophy #rivoli #talk #classicistic #ancient #times #view #return #rediscover (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BqDKsknlObH/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1fpdr59wyw0ug

November 11, 2018

Democracy is an absolute concept growingly obsolete, with no definitive answer and in urgent need of proper action. Dissolution is a way to see it if anarchy comes to mind, but I prefer the silence as absence of an old participation to emancipate a new term. Awareness and reflection are my biggest claims. #astrataylor #whatisdemocracy #wtf #forumdofuturo #agoraclub #cmp #porto #classic #west #east #philosophy #rivoli #talk #classicistic #ancient #times #view #return #rediscover (at Cinema Trindade)
https://www.instagram.com/p/BqDIFCwFoO2/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=wfio41im4ix5

November 11, 2018

“…I ran out of raisins to live so I will throw a party @ my discotent…” #poetryI#pun #intentions #satire @maryandpat #bw #wtf #forumdofuturo #agoraclub #cmp #porto #classic #west #east #philosophy #rivoli #talk #classicistic #ancient #times #view #return #rediscover (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/BqAYk2GlAWJ/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=nk95p337dsck

November 10, 2018

The Seated Audience, zombified >>> with Ito-san making a rough migration from alien to popstar by @martapedro_ + and the freakish show man Walid Raad decomposing war, financial cannibalism and auto necrophilia, within terrible OCD’s + the beautiful lucid dream of plural sex, gender and identity from the dicotomy of a >> return or a comeback << to the classical views on love, body and critical language by Marina Warner and Beatriz Colomina delivered by a strong @shumonbasar #toyoito #alien #popstar #walidraad #showbiz #bs #marinawarner #beatrizcolomina #people #plantsandzombies #bw #wtf #forumdofuturo #agoraclub #cmp #porto #classic #west #east #philosophy #rivoli #talk #classicistic #ancient #times #view #return #rediscover (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/Bp83OCegbqN/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=7cd9rrxg19op

November 9, 2018

Em Serralves, não aqui… #wtf #forumdofuturo #agoraclub #cmp #porto #classic #west #east #philosophy #rivoli #talk #classicistic #ancient #times #view #return #rediscover (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/Bp7n3OjAVMV/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=lmj17pshmgxj

November 8, 2018

Em Serralves, não aqui… #wtf #forumdofuturo #agoraclub #cmp #porto #classic #west #east #philosophy #rivoli #talk #classicistic #ancient #times #view #return #rediscover (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/Bp7n3OjAVMV/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=lmj17pshmgxj

November 8, 2018

From scepticism to cynicism #agoraclub #forumdofuturo @cmp_portocultura #art&language duopoly evolution from concept to conceptual acceptance in the practice and art world of dialectic relations + the way we angelicise sports, bodies and hysterically idolise consumerism from the views of a literary sport addict and a amateur scientific body builder #forumdofuturo #agoraclub #cmp #porto #classic #west #east #philosophy #rivoli #talk (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/Bp4xGCTF_2J/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=v11co08wtu37

November 7, 2018

Carta de Motivação selecionada

Externo

Aguardo uma derrapagem de sentido onde o espírito de um lugar, enquanto um movimento sem novo resultado, não será mais do que uma simples rotação de soslaio no teorema ecológico do momento em que suspiramos, desde as nossas ambições de futuro, uma incerta enquanto sóbria reflexão.

Composto pelos fluxos piroclásticos, implícitos aos movimentos intelectuais e geradores de massa crítica, conto com o novo conteúdo – iluminista; com os novos contextos – paradoxos acelerados por um efeito Venturi renovador e lancinante; com as novas propostas – inflamadas pela interminável dúvida do pensador incomum.

Desejo um criterioso controlo da metodologia, procedural, uma execução magistral, na demonstração e/do domínio da forma e/do modo (acima de tudo do modo), pela partilha e experiência de atravessamento inter corpóreo, dos tutores e dos seus selecionados, na transmissão do tema proposto.

Um rigor analítico, uma discussão revigorante, um registo horizontal que extravasará a performance individual deste grupo, transportado pretensiosamente para os novos horizontes intelectuais urbanos da cidade, além do contexto e da sua história.

Proponho uma seleção de consciência, de nível mitocondrial, onde não só os espaços mas também os sujeitos são acionadas como momentos expectantes, num desígnio estaminal que somente o resultado pela necessidade influenciará a formação definitiva do acto.

Interno

A oportunidade de partilhar a dúvida, na busca da questão própria e irresolúvel do que fazemos e porque sequer estamos aqui.

Uma noção agnóstica de tempo, que nunca se repetirá em nenhum espaço que não o da intimidade partilhada nos momentos solenes da assembleia crítica que Politics of Survival adivinha. Um pregão de espírito, matéria e modo que me interessa explorar metodologicamente, na busca epistemológica da autoria pela irrepetibilidade da minha existência. A cura do contexto, de onde parte o meu ser e de onde decidi influenciar com a força dimensional do conhecimento que transmito, equilibrando num vórtice de progressiva gravidade cosmológica o que dou e o que posiciono para outros receberem.

CV Abreviado

Sérgio Miguel Magalhães, autor, também conhecido como o MONSTRUKTOR, desenvolve atividade de explorador crítico e curador de pessoas e mentes no Porto. Formado em Arquitetura, interpolando profissionalmente desde 2002 o Design Gráfico e Web com o Design de Produto e a Curadoria e Estratégia de Marcas.

CARLOS COSTA, GABRIELA VAZ-PINHEIRO, JORGE PALINHOS (Tutores)

5, 10, 13, 17, 24 e 31 de outubro de 2018 Com Aliki Kylika & Kyveli Anastasiadi, Álvaro Domingues, Camille Louis, João Luis Fernandes, Jorge Leandro Rosa, Lia Carreira, Margarida Mendes, Mariana Pestana, Marjetica Potrč, Marta Alvim, Matilde Seabra, Rui Matoso

November 5, 2018

Where the paths meet and rarely something is added… Thank you @ali.cherri for the profound insight of natural/human decadence and of lost theological simbiose. #waterblues @guanxiaoisme
beautiful misconceptioned bodies and classical movements around the “hidden track @tolokno_ wtf #nikesocksact ??? #forumdofuturo #agoraclub #cmp #porto #classic #west #east #philosophy #rivoli #talk (at Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre)
https://www.instagram.com/p/Bpxc45IF-w1/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1ig6ole5y9yg2

November 4, 2018

The last… #politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #bullshit #pessimism #dumb #people #agression #defocus #long #view #pseudo #intellectualism #anthropocene #architecture #design #built #environment #land (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/BpwdUZwFcdQ/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=gu2kktwo7787

November 4, 2018

#politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #bullshit #pessimism #dumb #people #agression #defocus #long #view #pseudo #intellectualism #anthropocene #architecture #design #built #environment #body (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/BpwdJsWFZM6/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=z9d19nnyx8kq

November 4, 2018

A brigada da perna cruzada… #politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #bullshit #pessimism #dumb #people #agression #defocus #long #view #pseudo #intellectualism #anthropocene #architecture #design #built #environment #land (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/BpWhytOAtyn/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1kw5vrbzyhto8

October 25, 2018

A brigada da perna cruzada… #politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #bullshit #pessimism #dumb #people #agression #defocus #long #view #pseudo #intellectualism #anthropocene #architecture #design #built #environment #land (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/BpWhFPEgJoc/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=ld28zfpiz02

October 25, 2018

#mishmashing #mishmash #ptmade #design #porto #thebest #quality #notebooks #studium #ontop #fuck #moleskine (at Studium . creative studio & gallery)
https://www.instagram.com/p/BpEhxCyAxvO/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=hijwg84h6dl2

October 18, 2018

#politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #bullshit #pessimism #dumb #people #agression #defocus #long #view #pseudo #intellectualism #anthropocene #architecture #design #built #environment #geographer (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/BpEey3HgVcl/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1nwly12i4j68h

October 18, 2018

#politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #bullshit #pessimism #dumb #people #agression #defocus #long #view #pseudo #intellectualism #anthropocene #architecture #design #built #environment #geographer (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/BpEef3GgEfN/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1b385yeoikd4d

October 18, 2018

#politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #bullshit #pessimism #dumb #people #agression #defocus #long #view #pseudo #intellectualism #anthropocene #architecture #design (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/Bo6ywZugiyl/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=2ol57290n9je

October 14, 2018

#politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #bullshit #pessimism #dumb #people #agression #defocus #long #view #pseudo #intellectualism #anthropocene #architecture #design (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/Bo6rkP4AOaZ/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=18d5zt4afzvlu

October 14, 2018

#politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #bullshit #pessimism #dumb #people #agression #defocus #long #view #pseudo #intellectualism #anthropocene #architecture #design (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/Bo6odU2gle8/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1n8sjzzkhau4d

October 14, 2018

#politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #bullshit #pessimism #dumb #people #agression #defocus #long #view #pseudo #intellectualism #anthropocene #architecture #design (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/Bo6oYZuAphM/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=frpqgshw07dt

October 14, 2018

#politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #bullshit #pessimism #dumb #people #agression #defocus #long #view #pseudo #intellectualism #anthropocene #architecture #design (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/Bo6bsbHAvay/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1cw8gqgofeb3s

October 14, 2018

#politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #bullshit #pessimism #dumb #people #agression #defocus #long #view #pseudo #intellectualism #anthropocene #architecture #design (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/Bo3-r2GAlNS/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=z440aemlcur

October 13, 2018

#politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #bullshit #pessimism #dumb #people #agression #defocus #long #view #pseudo #intellectualism #anthropocene #architecture #design (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/Bo3o3B8A_q2/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1ez95si5zgzbz

October 13, 2018

#politicsofsurvival #plaka #porto #modes #talk #urban #art #curation #cmp #cultura #critica #discussion #deriva #mindmaps #drawing #references #paper #collector #gather #wall (at Palácio dos Correios)
https://www.instagram.com/p/Bo3nV1vgi7P/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1cqbxkcfw158t

October 13, 2018

Por vezes encerramos para descansar… Mas é só para voltar ainda mais intensos! #studium #unbuilt #series #exhibition #gallery #bw #gate #door #closed #open #porto #architecture #design #graphicdesign #webdesign #productdesign #studio #life #work (at Studium . creative studio & gallery)
https://www.instagram.com/p/BopC97agK6T/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=16jjwduidf7tj

October 7, 2018

Por vezes encerramos para descansar… Mas é só para voltar ainda mais intensos! #studium #unbuilt #series #exhibition #gallery #bw #gate #door #closed #open #porto #architecture #design #graphicdesign #webdesign #productdesign #studio #life #work (at Studium . creative studio & gallery)
https://www.instagram.com/p/BopC97agK6T/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=16jjwduidf7tj

October 7, 2018

Carta de motivação selecionada

Externo

Despertar o próximo passo, pela participação, mas acima de tudo pela ativação do momento inquestionável do renovado apoio municipal à prática contemporânea, na assunção do curador como o último degrau evolutivo da espécie artística. É este o momento em que a convergência Darwiniana, determinista e epistemológica se refunda na doutrina de Descartes e Spinoza numa nova idade de razão e consciência.

Presenciar o fatal afunilamento de artistas ao encontro do seu dever, na constatação da sua pivotação desde o palco iluminista, o mesmo que os consome e os conceptualiza, dando lugar aos mestres que curam e protegem as práticas infantes, e essa enorme onda de futuras desilusões individuais.

Sobrevisionar do fluxo migratório, desde já presencial e substancial, dos que buscam as luzes deste porto de cinza e ouro por entre a neblina do valor próprio, auto infligido, descartável e popular, social.

Interno

O tempo na dicotomia do seu domínio e irrepetibilidade; o espaço do Porto enquanto porto da próxima volta de curiosidade universal. O osmótico duo, os catalistas que me motivam a deixar uma prática inerentemente profissional, por um percurso evoluído da consciência do despertar.

Dar e receber, aprender e ensinar, dos e com os exemplos de quão forte é esta espécie que agora se apresenta, é o passo óbvio para accionar este momento. Sintetizar, descodificar e simplificar desde dentro o ato da criação, da investigação e da mediação entre a cultura e a postura.

Preparar o Porto, exige preparar-me para o Porto.

.

CV Abreviado

Sérgio Miguel Magalhães, autor, também conhecido como o MONSTRUKTOR, desenvolve atividade de explorador crítico e curador de pessoas e mentes no Porto. Formado em Arquitetura, interpolando profissionalmente desde 2002 o Design Gráfico e Web com o Design de Produto e a Curadoria e Estratégia de Marcas.

CLAIRE BISHOP, NUNO CRESPO (Tutores)

24, 25, 26 e 27 de julho 2018 Com Isabel Lewis, Flávio Almada, Joana Gorjão Henriques e Tania Bruguera

September 30, 2018

Já só falta um ano!

.
.
.
#portodesignbiennale #porto #design #biennale #2019 # (at Palacette of the Visconts of Balsemão)
https://www.instagram.com/p/Bn9dCDIg2tR/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1h2mpbu7jfkgt

September 20, 2018

Já só falta um ano!

.
.
.
#portodesignbiennale #porto #design #biennale #2019 # (at Palacette of the Visconts of Balsemão)
https://www.instagram.com/p/Bn9dCDIg2tR/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=1h2mpbu7jfkgt

September 20, 2018

De volta à escola, agora para estudos mais avançados, mas sempre com as melhores ferramentas. Contento-me sempre com o melhor.

#escola #aulas #arquitetura #vernaculo #patrimonio #faup #primeiro #dia #colegas #sol #visita #romantico #caminhos #porto #teses #ferramenta #siza (at Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto)
https://www.instagram.com/p/Bn8_K00gHNp/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=b4yhv71j48ew

September 20, 2018

De volta à escola, agora para estudos mais avançados, mas sempre com as melhores ferramentas. Contento-me sempre com o melhor.

#escola #aulas #arquitetura #vernaculo #patrimonio #faup #primeiro #dia #colegas #sol #visita #romantico #caminhos #porto #teses #ferramenta #siza (at Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto)
https://www.instagram.com/p/Bn8_K00gHNp/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=b4yhv71j48ew

September 20, 2018

Recomendo vivamente a experiência! Espectáculo único em todos os aspectos possíveis e inimagináveis… #amazing #quality #dazzled #night #theatre #performance #lugar #decay #passado #art #recontextualisation #congrats #thanks #portugal #production #porto #futuro #awareness (at Shopping Center Brasilia – Associação de Comerciantes)
https://www.instagram.com/p/BnzVbQYhcLb/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=kpp1vvcozcpk

September 16, 2018

Recomendo vivamente a experiência! Espectáculo único em todos os aspectos possíveis e inimagináveis… #amazing #quality #dazzled #night #theatre #performance #lugar #decay #passado #art #recontextualisation #congrats #thanks #portugal #production #porto #futuro #awareness (at Shopping Center Brasilia – Associação de Comerciantes)
https://www.instagram.com/p/BnzVbQYhcLb/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=kpp1vvcozcpk

September 16, 2018

#musonautas #porto #galeria #municipal #exposição #palacio #cristal (at Galeria Municipal do Porto)
https://www.instagram.com/p/Bnb6kvmAJJb/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=b7zlva5ot8ct

September 7, 2018

#musonautas #porto #galeria #municipal #exposição #palacio #cristal (at Galeria Municipal do Porto)
https://www.instagram.com/p/Bnb6kvmAJJb/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=b7zlva5ot8ct

September 7, 2018

The Time(s) of Contemporaneity | Curso Colectivos Pláka #cultura #porto #palaciodoscorreios #political #timing #specific #contemporaneity (at Palácio dos Correios)

July 27, 2018

The Time(s) of Contemporaneity | Curso Colectivos Pláka #cultura #porto #palaciodoscorreios #poscolonial #descolonizacao #diaspora #inflammatory #racism #intervention #rap #mc #lisboa #contemporaneity
(at Palácio dos Correios)

July 27, 2018

The Time(s) of Contemporaneity | Curso Colectivos Pláka #cultura #porto #palaciodoscorreios #historicity #art #critic #what #is #now #thirdbody (at Palácio dos Correios)

July 26, 2018

The Time(s) of Contemporaneity | Curso Colectivos Pláka #cultura #porto #palaciodoscorreios (at Palácio dos Correios)

July 25, 2018