obrigado

#openhouse2018 #voluntario #força #obrigado (at Porto, Portugal)

June 30, 2018

#openhouse2018 #voluntario #força #obrigado (at Porto, Portugal)

June 30, 2018

#openhouse2018 #voluntario #força #obrigado (at Oliveira Do Douro, Porto, Portugal)

June 30, 2018

#openhouse2018 #voluntario #força #obrigado (at Oliveira Do Douro, Porto, Portugal)

June 30, 2018

#openhouse2018 #voluntario #força #obrigado (at Rua de José Falcão)

June 30, 2018

#openhouse2018 #voluntario #força #obrigado (at Rua de José Falcão)

June 30, 2018

Obrigado @ palavra que mais me custa dizer. Necessariamente, cortês, sou sempre entendido como educado, pois não falto a essa norma social que nos exige urbanidade. Reconheço o obrigatório, por ser uma forma de reconhecer espécie. Diariamente, porque tenho que o fazer presente na cabeça de quem a palavra é descartável, surge sem valor e assume a definição que me permite odiá-la, a de ser sequer necessário usar. Suponho que a substituição imediata da norma social não seja possível, mas a retribuição silenciosa é uma ambição pessoal, de mim para o mundo. Obrigad@.

the MONSTRUKTOR

May 22, 2018

De todas as formas possíveis de pedir desculpa eu prefiro que a escolhida seja a dádiva. Dar, retribuir, pela gratidão, sincera, construtiva e justificativa, como a epítome do verdadeiro termo: obrigad@. Esta substituição, é um movimento horizontal entre o respeito e a humanidade, a auto estima e a consideração pelo próximo. O arrependimento já não me serve, preciso de ouvir outras palavras além dos termos comuns que só prolongam a ineptitude.

the MONSTRUKTOR

May 2, 2018

De todas as formas possíveis de pedir desculpa eu prefiro que a escolhida seja a dádiva. Dar, retribuir, pela gratidão, sincera, construtiva e justificativa, como a epítome do verdadeiro termo: obrigad@. Esta substituição, é um movimento horizontal entre o respeito e a humanidade, a auto estima e a consideração pelo próximo. O arrependimento já não me serve, preciso de ouvir outras palavras além dos termos comuns que só prolongam a ineptitude.

the MONSTRUKTOR

May 2, 2018