dominaktor

I’m unlucky about meeting some people but they’re all lucky they’ve met me.

the MONSTRUKTOR

May 4, 2018

I see without sight and hear from the reverbations that I make of life. I feel the amplified resonance of silence from every pore of my mind. I devour what to do best, better, bestowing only my own demise, in the way I digest the dimensions of being alive. A complete man, a serious accident of incomensurable value, registering the future of my own story. This is how I came to explain myself the limitations of being a vision of intuition.

the MONSTRUKTOR

May 4, 2018

Maintain the flow of legacy. Obtain the ordinance of a curated goal through inclusion and opinion. Gain from participation and succeed from that flow of people, thoughts and concepts. Results are abundant, altruists to complement my visions are scarce.

the MONSTRUKTOR

May 3, 2018

Resonance @ fortuitous assembly of a background, made by, and for, a finite system of action, in which the actionable content can be measured in several spectrums, wave lengths and dimensions. Assertiveness, rigour, vision, passion and a very specific oddity.

the MONSTRUKTOR

May 3, 2018

The components of a system deflect the contextual participants of it’s reality.

the MONSTRUKTOR

May 2, 2018

A complete mind will be able to inspect the relation between the art in science and the science of art. For the transformation of knowledge to intelligence occur, and incite a diligent prosecution of an ambitioned goal, all the particles of doubt must settle in the awareness of life. This predisposition and mindset has to reside in the dimensionism surrounding the context of humans.

the MONSTRUKTOR

May 2, 2018

Masters and pupils must surpass themselves in definition, causality, concept and value. Only a successful relation of grandeur between their minds can justify such an approach to the eyes of the common. Therefore, it is of most importance that both, and not as individuals, can include the expanding content they’ve assembled into the construction of the human kind.

the MONSTRUKTOR

May 1, 2018

Agressor @ I am the prosecutor of critic, among good and constructive intentions. I am that one who makes others feel the force of gravity I demand upon life and contain the fission of the dogmas they didn’t know to exist inside themselves.

the MONSTRUKTOR

May 1, 2018

Past doesn’t exist anymore. I live in the present expectation of the future. Punishment or success, whatever it may be, it must be continuous with time and the notion of the illusion of mortality. This is me, I define who I am and what I am known for. Please forgive me, all those who don’t understand me and I am not able to do so. I have already forgave myself.

the MONSTRUKTOR

April 26, 2018

Estou rodeado de normais.

the MONSTRUKTOR

April 25, 2018

Persistence @ an ambitious, while fair, delirious pervasive persuasion of eternity and a remarkable brand. A simple thought thriving on the way I live learning how to engage in the advancement of a bigger percentage of use of my brain into the life of all.

the MONSTRUKTOR

April 22, 2018

Maintain the flow of legacy. Obtain the ordinance of a curated goal through inclusion and opinion. Gain from participation and succeed from that flow of people, thoughts and concepts. Results are abundant, altruists to complement my visions are scarce.

the MONSTRUKTOR

April 19, 2018

A perfect life is just, life. Perfectly imperfect.

the MONSTRUKTOR

April 17, 2018

Nem todos são calculistas, bons.

the MONSTRUKTOR

April 10, 2018

Nem todos são calculistas, bons.

the MONSTRUKTOR

April 10, 2018

Flow @ the state of the blind sight, of the silent profusion of noise, of inconspicuous reverbations, of the absent touch of certainty, of the repetion untill infinity of the present sureness. A constant supriment of ambition, desire and strength.

the MONSTRUKTOR

April 9, 2018

A arte de ser artista, não da arte, mas das artes, essas ardilosas variações do tema artista. Algo como, o artífice de algo artificial, astuto na medida antagónica da boa intenção e vontade ambiciosa em alcançar o que nunca será seu. O apanágio da resposta sã da evolução humana em artistices, financiadas publicamente por quem adire ao engodo, ou mesmo enganado, decide não ousar critério.

the MONSTRUKTOR

April 9, 2018

A arte de ser artista, não da arte, mas das artes, essas ardilosas variações do tema artista. Algo como, o artífice de algo artificial, astuto na medida antagónica da boa intenção e vontade ambiciosa em alcançar o que nunca será seu. O apanágio da resposta sã da evolução humana em artistices, financiadas publicamente por quem adire ao engodo, ou mesmo enganado, decide não ousar critério.

the MONSTRUKTOR

April 9, 2018

Extrapolation @ the deduction from the obvious, enhancing backwards validation and retro positives. Some are able to do it instinctively, I prefer to rationalize intents with facts, factors and conditions. This is my creative process in an advanced design thinking – applied generically to all mediums and not exclusively to a creative methodology – which disserts my everyday decisions with remarkable justifications, irrefutable detail and my incomparable assertive oddity.

the MONSTRUKTOR

April 8, 2018

Dominaktor

Deference, a prerequisite of my current state. A polite consideration about my mental ecosystems, arrogant while humble, submitted to the quest to creatively construct content. Positive, forwarding intentions and levering everything around me, in my fixed status of dominance. All ways including others in the depths of my path, with no shame, no regret and without constraints. A pursue of context, in which I can only be measured by myself.

Reference, to the notable candidate for eternity. A singular point in the evolution of men. Women too, as a respectful part of my humanity, but I am an allusion mainly as a man. Tall while erect, vertically aligned with the horizontal world of inclusion and participation, an infinite axiom of possible directions. I am therefore unequally equal to all the others. Always trying to cope with the loneliness of being followed while denied the comprehension of my simplicity.

Power. Never less than intense and passionate, a reveal that overwhelms my ancestors till the end of mortality. Controlled by the quest to become more and everytime I breathe. Tyrannical, submitting my existence to the pursuit of the best in all of them, neglecting only that the connections I have to my singularity are not handled by their mundane connectors.

And yet I share.

April 6, 2018

Sou eu quem perde, ou é o mundo? Definitivamente, perda há, agora, quem amortiza melhor do que eu, é que quero ver quem. Sou um mestre em desculpar os outros, aceitar as suas frustrações com o meu empenho e disponibilidade, em ver o que nem sonham serem capazes, e mesmo assim, ainda tenho a certeza que o erro não é dar-me. O erro é ser como sou, estranho, anormal, simples, mente, diferente.

the MONSTRUKTOR

April 6, 2018

Sou eu quem perde, ou é o mundo? Definitivamente, perda há, agora, quem amortiza melhor do que eu, é que quero ver quem. Sou um mestre em desculpar os outros, aceitar as suas frustrações com o meu empenho e disponibilidade, em ver o que nem sonham serem capazes, e mesmo assim, ainda tenho a certeza que o erro não é dar-me. O erro é ser como sou, estranho, anormal, simples, mente, diferente.

the MONSTRUKTOR

April 6, 2018

Sofrer é um hábito, é uma rotina que não se pode explicar a todos, nem fazer desaparecer com a vontade. É uma virtude que se não for de vítima dá algo mais, algo que a mera palavra não consegue explicar. É um âmago de coragem que não depende desse resultado pontiagudo que geralmente se recusa, e pelo contrário intensifica o contornos de todas as formas. Ou então, estou em negação e preciso de ajuda para identificar-me como agressor.

the MONSTRUKTOR

April 5, 2018

Sofrer é um hábito, é uma rotina que não se pode explicar a todos, nem fazer desaparecer com a vontade. É uma virtude que se não for de vítima dá algo mais, algo que a mera palavra não consegue explicar. É um âmago de coragem que não depende desse resultado pontiagudo que geralmente se recusa, e pelo contrário intensifica o contornos de todas as formas. Ou então, estou em negação e preciso de ajuda para identificar-me como agressor.

the MONSTRUKTOR

April 5, 2018

Tenho que parar de negar que eu é que sou a obra prima, o tema único e principal da obra, a notabilidade de tudo o que me rodeia. Sim, sou eu.

the MONSTRUKTOR

April 4, 2018

Tenho que parar de negar que eu é que sou a obra prima, o tema único e principal da obra, a notabilidade de tudo o que me rodeia. Sim, sou eu.

the MONSTRUKTOR

April 4, 2018

Aukthor

Uncanny conditions will present the strangest results. Daily.

Idiosyncrasies of the course of action; the struggle to document the correct choices; always proposing advances in the preposition of predisposition; the ability to communicate openly, yet strategically manipulating the emissary, the recognition and the receiving order of understanding, and the message contained in the end result.

This is the measure of how I am able to continue to pursue my career, through authorship. Day by day.

I know it for ever, but I was deemed unworthy by the nearest jealousy. It prevented me, justified only by my ignorance (the one I can’t yet control, in the unfortunate belief in humans), to act upon it. I always give them the benefit of a true creed, trusting and joining their self quest. Mostly lies, put on display as soon as the barrier between belief and actionable demand acts as a filter. The particles of true competence are then retained and clog the dynamics of trust, intensifying the expectations of everyone’s interest into the current disappointment and usual mediocrity.

My awareness, was definitely imposed by the denial I must provide to the weak. I know it now by experience, by my expanded thinking of people and their things; I know it by the infinite connection of the point cloud nobody even sees as a shape. I know it dot by dot, one by one of them. Everyday.

I have things inside I can’t communicate. I know it, clearly. They are not secrets or even regrets, just indecipherable theorems of my own mundanity waiting for me to proccess them into the dissection of my uncomfortable rational passion about life. Patiently, as a sage and never as a pariah.

It’s hard to know what others don’t see and should feel about themselves but harder is to know how to say it and not be alowed to.

April 4, 2018

Dominance @ intellectual control over social reciprocal action through silent influence of the end result. From ice cream to shoes, or rockets, or kids, dominance affects only the infliktor by the strong opposition of the inflicted to acquire my new, and always unwelcome truth.

the MONSTRUKTOR

April 3, 2018

A extrema unção da mentira, repetida vezes e vezes sem conta, como se soubesses que já não vale a pena voltar à verdade. Ainda há tempo para a redenção, não é verdade?

the MONSTRUKTOR

April 1, 2018

A extrema unção da mentira, repetida vezes e vezes sem conta, como se soubesses que já não vale a pena voltar à verdade. Ainda há tempo para a redenção, não é verdade?

the MONSTRUKTOR

April 1, 2018

I have seen so many, with ambitions as large as their aptitudes, struggle to search for a distinctive profession and become valid through that, as a career. I too, have, and will continue to gather, amplifying my assertiveness into the production of strategic investruments that consolidates what am obliged to say: I establish only authorship, my own.

the MONSTRUKTOR

April 1, 2018

Exiguidade @ no acesso à minha atenção, pela necessidade que tenho de me ter mais em tempo e forma. Especialmente imposto, aos que não se dão da mesma maneira a si próprios, como sendo o apanágio do seu domínio e auto estima, e em resposta à minha suprema exigência.

the MONSTRUKTOR

March 29, 2018

Exiguidade @ no acesso à minha atenção, pela necessidade que tenho de me ter mais em tempo e forma. Especialmente imposto, aos que não se dão da mesma maneira a si próprios, como sendo o apanágio do seu domínio e auto estima, e em resposta à minha suprema exigência.

the MONSTRUKTOR

March 29, 2018

Notabilidade @ noção de ser quem sou, sem margem para dúvida, na abordagem que divide o mundo entre os que pertencem à raça por analogia e os que são indivisíveis pela sua singularidade.

March 27, 2018

Notabilidade @ noção de ser quem sou, sem margem para dúvida, na abordagem que divide o mundo entre os que pertencem à raça por analogia e os que são indivisíveis pela sua singularidade.

March 27, 2018

I am not what my constraints allow me to be.

the MONSTRUKTOR

March 27, 2018

Travão

Apetece-me muito mas sei que não posso, ainda. Há essa vontade de ser e fazer ser como ninguém, em mim, mas não a há dentro de quem me interessa. Erro, pois primeiro, interesso-me por toda a gente, e isso não está bem.

Eu sei o que quero, como quero e quando quero, mas nos outros há um limite que não se ultrapassa. É ócio, mais preguiça que dúvida, uma facilidade que se permito, erro, eu, pois dou sem pensar, eles não.

Erro. Não posso. Não devo, não tenho sequer que aligeirar a proximidade que permite essa usurpação da minha vontade de estar presente por mim só.

Eu sei que sou mais. Tudo. Mas também sou fácil, útil, perto, ductil. Sou e dou o que tenho na expectativa da execução, sempre gorada nas múltiplas vezes que repito o que digo até à exaustão.

Erro. Aprendo. Protejo-me pouco e os espertos vêem bem isso. São astutos na forma como se encavalitam em mim. Usam e abusam da minha infinita vontade de melhor, nunca mais.

Parar, porquê? Pelos outros, mais uma vez, ou por mim, de facto?

Sim, talvez, parar agora num sinal de força e reunião de ainda mais força. Juntar a visão à forma, ao discurso e ao foco. Simplesmente, prever orientar-me nesse labirinto de sucção humana para usar a solução à partida.

Sim, parar para avançar.

March 27, 2018

Travão

Apetece-me muito mas sei que não posso, ainda. Há essa vontade de ser e fazer ser como ninguém, em mim, mas não a há dentro de quem me interessa. Erro, pois primeiro, interesso-me por toda a gente, e isso não está bem.

Eu sei o que quero, como quero e quando quero, mas nos outros há um limite que não se ultrapassa. É ócio, mais preguiça que dúvida, uma facilidade que se permito, erro, eu, pois dou sem pensar, eles não.

Erro. Não posso. Não devo, não tenho sequer que aligeirar a proximidade que permite essa usurpação da minha vontade de estar presente por mim só.

Eu sei que sou mais. Tudo. Mas também sou fácil, útil, perto, ductil. Sou e dou o que tenho na expectativa da execução, sempre gorada nas múltiplas vezes que repito o que digo até à exaustão.

Erro. Aprendo. Protejo-me pouco e os espertos vêem bem isso. São astutos na forma como se encavalitam em mim. Usam e abusam da minha infinita vontade de melhor, nunca mais.

Parar, porquê? Pelos outros, mais uma vez, ou por mim, de facto?

Sim, talvez, parar agora num sinal de força e reunião de ainda mais força. Juntar a visão à forma, ao discurso e ao foco. Simplesmente, prever orientar-me nesse labirinto de sucção humana para usar a solução à partida.

Sim, parar para avançar.

March 27, 2018

A magnitude da purga, essa magnífica imagem que é, a renovada forma de ser novo, a magnânime indulgência do pretérito perfeito que é, a busca do que ainda não é nada para ninguém. Esse mistério propõe compromisso, perda e talvez até remorso, mas nunca em mim, e nunca irá ser a causa da morte do critério e da intensidade de viver assim. Nunca deixarei de ser quem sou, só para depois criar quem me rodeia.

the MONSTRUKTOR

March 21, 2018

A magnitude da purga, essa magnífica imagem que é, a renovada forma de ser novo, a magnânime indulgência do pretérito perfeito que é, a busca do que ainda não é nada para ninguém. Esse mistério propõe compromisso, perda e talvez até remorso, mas nunca em mim, e nunca irá ser a causa da morte do critério e da intensidade de viver assim. Nunca deixarei de ser quem sou, só para depois criar quem me rodeia.

the MONSTRUKTOR

March 21, 2018

Extravasar-me @ um ato auto inflito, fora do normal, que reconhece o direito ao atravessamento e vazamento de matéria valor, na direcção pública da exposição mediática e natural.

the MONSTRUKTOR

March 20, 2018

Envisioning planning without fallacies or segmented people, only tasks. Achieving the end goal by exact measure and proportional understanding of the given context. I am a predictionist?

the MONSTRUKTOR

March 13, 2018

A howling noise, only recognized as coming of a master, ascending from his own birth; the mark of this new age of enlightenment. The product of a human, decoding the prerequisites of a larger life into the particles that enable ignorance to leave. Intense, pungent, fulfilling, erect, this is the smell of ambition and perseverance, in the mind of the man.

the MONSTRUKTOR

March 12, 2018

Um homem no seu génio, não pode ser menos, pelo amor de escolha, muito menos, a de uma mulher. Irrevogável, como a morte, tentada, na forma do drama, somente a Alma controla a vontade de viver através do ponto notável – esse homem que a permite ser válida. Que dança de horrores terrenos, que perniciosa a vida de incomuns. Que retrato de mim.

the MONSTRUKTOR

March 11, 2018

Um homem no seu génio, não pode ser menos, pelo amor de escolha, muito menos, a de uma mulher. Irrevogável, como a morte, tentada, na forma do drama, somente a Alma controla a vontade de viver através do ponto notável – esse homem que a permite ser válida. Que dança de horrores terrenos, que perniciosa a vida de incomuns. Que retrato de mim.

the MONSTRUKTOR

March 11, 2018

Hei-de morrer com um único remorso na minha vida: não ter tido remorsos de nada.

the MONSTRUKTOR

March 9, 2018

Hei-de morrer com um único remorso na minha vida: não ter tido remorsos de nada.

the MONSTRUKTOR

March 9, 2018

The end result of this focused intensity is a remarkable insight into the notable future of titans. The leftovers are mediocrity and a regretful past.

the MONSTRUKTOR

March 8, 2018

Rules exist only to be extinct by the will of the sage.

the MONSTRUKTOR

March 7, 2018

Restrictions will always create more freedom.

the MONSTRUKTOR

March 7, 2018

Resent life or contempt people; explain actions with absurd emotions; constrain myself as the expansion of low expectations takes it place; accept nothing but the success of the assertive one, made of rigorous vision, passion and a very specific oddity.

the MONSTRUKTOR

March 6, 2018

Preciso desesperadamente mudar a minha imagem: todos me confundem com um gajo porreiro, mas que nunca deixa de magoar com a verdade e isso deixa-me triste porque eu não sou nada assim… Ó pá, eu só sou aquele gajo, porreiro, que gosta de estar bem, com todos, sempre na minha vida pacata, e a pensar no meu quentinho. Continuo sem perceber, porque me confundem, e é sempre com o que não lhes interessa, e é sempre quando eu lhes digo isso que fogem. Até acredito mais do que eles que eles não são medricas – pelo menos é o que me dizem – mas eu não penso muito nisso. Até porque, dizem que é da forma como eu falo, mas eu estou sempre a avisar que não é! É do conteúdo! Eu sei, eu preciso mesmo mudar a minha vida, rapidamente! É que até vem aí o sol, e tudo. Quentinho…! Ahhh… Vou mesmo mudar 😉

the MONSTRUKTOR

March 5, 2018

As if the weight of a simple breath could measure the inability to understand how much I am love. Coping with this cathartic fact – of what I can sense to arise from the track of the past – as a living chapter I have been writing in the long history of life, while living and always learning. I stopped free absorption and replaced it with my expelling path until I prove me, how I have beaten my own mortality.

the MONSTRUKTOR

March 4, 2018

Agora sei que nem o tempo me acompanha. Nem no espaço nem da dimensão que sabemos existirem várias. Seja por causa ou razão humana, minha ou por minha causa, em ambas há sempre uma diferença inconciliável entre pensar, agir e de facto fazer, por mim ou em grupo. É irascível o que vejo não acontecer; insuportável na insurreição da minha vontade mas também na decadência de vê-los mirrar. Extintos, auto inflitos, aflitos, mas vorazes a reivindicar o reino do nada, dedicam tudo a não ser como eu, um titã.

the MONSTRUKTOR

March 4, 2018

Este sucesso de viver o fracasso.

the MONSTRUKTOR

March 3, 2018

A serenidade, solene, em equilíbrio com tudo o que é necessário à minha volta. Sensível, sem dúvida do que ser humano significa para todos estes outros que vivem de mim.

the MONSTRUKTOR

March 3, 2018

A serenidade, solene, em equilíbrio com tudo o que é necessário à minha volta. Sensível, sem dúvida do que ser humano significa para todos estes outros que vivem de mim.

the MONSTRUKTOR

March 3, 2018

A vida de alguns é uma erva ao vento; esse sopro que o meu movimento provoca.

the MONSTRUKTOR

March 3, 2018

A vida de alguns é uma erva ao vento; esse sopro que o meu movimento provoca.

the MONSTRUKTOR

March 3, 2018