Awareness

Sempre reparei no ar cândido, por vezes dramático e de grande remorso, que a maior parte apresenta quando se fala do passado, da ausência física ou da morte de alguém. Essa incapacidade de lidar com a dor, com a emoção ou com a simples constatação da verdade de facto, garantiu-me curiosidade. Sentir a falta de alguns, não por terem partido, mas porque estiveram presentes, deixa-me com um ar cândido, dramático e por vezes de grande dor. É momentâneo, e resume-se a mim, pois não extravaso. A seguir avanço, e demonstro a todos esse calhau frio e distante que consigo ser e ( acima de tudo ) sem qualquer remorso.

July 30, 2019

Enemies are the ultimate external sign of a developed stature. Friends are the prevalent state of infinite scale, from within. Dissidents are the ones in the middle, occupying a dimensional space between those antipodes.

These three territories are a part of my theory conjuring the outer shell ( defensive attacks ) the inner depth ( critic and creationism ) and the obsolete social medium ( unequal procedural structures ).

Exhaling keeps the focus on the personal body ecosystem, inhaling subtracts the politics from the ethical conundrums of the past while breathing proficiently can make up for all the inefficient time spent living as a human.

May 5, 2019

#light #stone #window #spain #awareness #road #trip (at Baiona, Galiza)
https://www.instagram.com/p/BvqkoYTlihW/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=roomxergl76q

March 31, 2019

Pop culture is the foundation of the former truth in an ongoing postulation.

. MONSTRUKTOR

March 17, 2019

Curating oneself is the first step to egocentric POLITICS!

the MONSTRUKTOR

December 15, 2018

Da perspectiva dominante retenho sempre a forma que agora tem e o conteúdo que a fez crescer. Desde o pretexto que a ignição do argumento gera, posso perfeitamente assumir que a continuidade se alimenta de humanos, hipoteticamente livres, tanto na sua propriedade física quanto intelectual e que de todo o panorama possível, foi decidido pela maioria que essa é a forma de avançar. Obrigado evolução, por regularizar a decadência da espécie, também dominante, através da ausência de crítica pessoal e partilhada, ao invés de garantir a individualidade da opinião pelo acesso e/ou criação consciente da informação.

the MONSTRUKTOR

November 2, 2018

#curveball #memory #Musa #paradisiaca #thin #reality #second #meanings #awareness #view #knowledge #collective #thinking #ambiguous #concerned (at Galeria Municipal do Porto)
https://www.instagram.com/p/BpTnCxBAKch/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=zxqjpc3jlwam

October 24, 2018

Sou dono de uma sinceridade galopante e por isso os meus cascos servem de drama para muita gente. Esquecem-se todos que os Pegasus voam e não pisam, nem pesam, nem mentem.

the MONSTRUKTOR

September 28, 2018

Recomendo vivamente a experiência! Espectáculo único em todos os aspectos possíveis e inimagináveis… #amazing #quality #dazzled #night #theatre #performance #lugar #decay #passado #art #recontextualisation #congrats #thanks #portugal #production #porto #futuro #awareness (at Shopping Center Brasilia – Associação de Comerciantes)
https://www.instagram.com/p/BnzVbQYhcLb/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=kpp1vvcozcpk

September 16, 2018

Recomendo vivamente a experiência! Espectáculo único em todos os aspectos possíveis e inimagináveis… #amazing #quality #dazzled #night #theatre #performance #lugar #decay #passado #art #recontextualisation #congrats #thanks #portugal #production #porto #futuro #awareness (at Shopping Center Brasilia – Associação de Comerciantes)
https://www.instagram.com/p/BnzVbQYhcLb/?utm_source=ig_tumblr_share&igshid=kpp1vvcozcpk

September 16, 2018

Senssness

Eu consigo fazer o mundo brotar, desde a pele que te cobre, à minha que sobra. É possível que seja uma boa altura para parar, até porque não há quem consiga fazer igual. Melhor, com certeza, mas ainda não vi ninguém copiar.

Dar a vez, por vez, ser a forma de retribuir ao mundo aquilo que nunca pedi, nem recebi, ou tive que ter para ser e servir o propósito de ser, ser. Deslocar-me para deixar passar, nem pensar; pensar, melhor é e faço, quando subo e puxo por tudo comigo, quando levo esse peso do umbigo dos outros e o deixo por aí, nú.

Daqui, verte uma substância invisível, inodora, e que convida o ónus a entrar. Substitui-se em todos os poros por novos topos, antes ocos, agora cheios mas não só de espaço; para voltar a encher, com o que ainda não faz falta, e que sei será pouco, efectivamente necessário para tudo o que faço chegar ao mundo.

Desse momento que só me interessa a mim, proponho um início que peca por ser só peça, a peça. É tão forte que dura, penetra e emana de dentro, ardente e não pouco, mas sobejamente, destrói o que ainda se mantinha real. Descarta em mim sentido, pele, carne, tudo passa a ser essa engrenagem normal, que me mata em ser capaz de ver-me a mim capaz de tudo.

E ninguém nota, sente ou vê, como me matam sem eu gritar a dor que me inflijo.

June 6, 2018

As if the weight of a simple breath could measure the inability to understand how much I am love. Coping with this cathartic fact – of what I can sense to arise from the track of the past – as a living chapter I have been writing in the long history of life, while living and always learning. I stopped free absorption and replaced it with my expelling path until I prove me, how I have beaten my own mortality.

the MONSTRUKTOR

March 4, 2018

Pacto

Vivo num despudor de aceitação, mas nem de acordo com a mentira que vive dentro dos outros! Só, porque me deixo usar pela bondade e gratidão que emano, a que só, eu dou.

A retribuição não existe. Essa forma plena de obrigado é uma miragem concreta na cabeça de quem a profere, mas em mim… nem a sinto. Essa mentira contada a eles próprios aflige-me, pois de alguma forma pactuei com esta falta de carácter ao longo destes anos. Devia ter sido ainda mais direto, menos respeitador dessa demência que incapacita, mais eu – assertivo e inconvenientemente carrasco da falta de verdade – até porque, no final, quem sente a deficiência, sou eu.

Agora, que mostro da minha forma adulta o que não posso aceitar por cada um que me rodeia, sou um tirano. Sou desmedido e exagerado, demasiado intenso, demasiado sério. Pedem-me que mude, me mude. Que altere a forma rigorosa e assertiva de ser notável. Ser, rigoroso, exigente, disciplinado. Sagaz.

Quando posso ser visionário, sou finalmente eu. Livre, para criar dentro de todas as regras, sistemas e normas que alimentam a visão de excelência e notabilidade de onde nasci. Visualizo-me, e a eles, e nesse duplo reflexo ajo como o espelho da verdade. Assim vêem-se momentaneamente, miram-se incapazes. As pernas tremem da verdade incontornável, pública, despudorada, essa sim, algo em que aceito viver. São mesquinhos, mentem por pouco, até aceitam o roubo de uma carica por ser só isso, uma carica. São indecentes comigo, mas primeiro com eles. Escolhas.

Neste claro momento de mim, só, porque ninguém me acompanha, devo assumir essa solidão? Só, porque os carrego comigo, vou resignar-me a ser um ser, só? Só porque eles não são capazes eu tenho de abrandar? Há quem diga que temos que ajudar o próximo, há quem clame que nós somos o primeiro momento de ajuda aos outros, eu afirmo que me prefiro, só.

Vou continuar, mais adentro. Ninguém que eu conheço tem a capacidade de me ignorar, de ser indiferente ou que eu o seja a si. Sou marcante pela minha excentricidade humilde; pela minha intensidade que humedece os olhos aos amigos e as pernas ás que me cobiçam. Deixo sempre uma marca, sem cicatriz visível, mas com o tempo, transforma-se numa marca destruidora de normalidades. 

Sou só, este monstro humano, tirano, que é tão dócil como os poucos que me conseguiram afagar.

February 1, 2018

Pacto

Vivo num despudor de aceitação, mas nem de acordo com a mentira que vive dentro dos outros! Só, porque me deixo usar pela bondade e gratidão que emano, a que só, eu dou.

A retribuição não existe. Essa forma plena de obrigado é uma miragem concreta na cabeça de quem a profere, mas em mim… nem a sinto. Essa mentira contada a eles próprios aflige-me, pois de alguma forma pactuei com esta falta de carácter ao longo destes anos. Devia ter sido ainda mais direto, menos respeitador dessa demência que incapacita, mais eu – assertivo e inconvenientemente carrasco da falta de verdade – até porque, no final, quem sente a deficiência, sou eu.

Agora, que mostro da minha forma adulta o que não posso aceitar por cada um que me rodeia, sou um tirano. Sou desmedido e exagerado, demasiado intenso, demasiado sério. Pedem-me que mude, me mude. Que altere a forma rigorosa e assertiva de ser notável. Ser, rigoroso, exigente, disciplinado. Sagaz.

Quando posso ser visionário, sou finalmente eu. Livre, para criar dentro de todas as regras, sistemas e normas que alimentam a visão de excelência e notabilidade de onde nasci. Visualizo-me, e a eles, e nesse duplo reflexo ajo como o espelho da verdade. Assim vêem-se momentaneamente, miram-se incapazes. As pernas tremem da verdade incontornável, pública, despudorada, essa sim, algo em que aceito viver. São mesquinhos, mentem por pouco, até aceitam o roubo de uma carica por ser só isso, uma carica. São indecentes comigo, mas primeiro com eles. Escolhas.

Neste claro momento de mim, só, porque ninguém me acompanha, devo assumir essa solidão? Só, porque os carrego comigo, vou resignar-me a ser um ser, só? Só porque eles não são capazes eu tenho de abrandar? Há quem diga que temos que ajudar o próximo, há quem clame que nós somos o primeiro momento de ajuda aos outros, eu afirmo que me prefiro, só.

Vou continuar, mais adentro. Ninguém que eu conheço tem a capacidade de me ignorar, de ser indiferente ou que eu o seja a si. Sou marcante pela minha excentricidade humilde; pela minha intensidade que humedece os olhos aos amigos e as pernas ás que me cobiçam. Deixo sempre uma marca, sem cicatriz visível, mas com o tempo, transforma-se numa marca destruidora de normalidades. 

Sou só, este monstro humano, tirano, que é tão dócil como os poucos que me conseguiram afagar.

February 1, 2018

Domínio

Faço-me nascer, agora que sempre quis, quando afinal, nem preciso.

Essa vida, onde sou domínio, não me foge, nem muito, nem perto, é só essa presença de mim, que não me ilude.

É por isso que brindo ao espaço, o que é meu, ao fluido, que pelo tempo se dilui na transparência da cadência, mais e mais anormal.

Excêntrico, enquanto concêntrico, momentaneamente ascenso a camadas de mais e mais, simples. Menos denso, propenso a ser usado por mais.

Nunca reduzido em nada, elevado à dimensão da compreensão, mais e mais, simples.

O códice de uma vida que nunca se encriptou além do meandro da sua própria existência, é agora, o mais importante elo na transição para o valor que se encontra quando se avança, em frente.

Tanto, em tantos, os que rodeiam o meu mundo, meu, porque o fiz assim… Sem dono, livre de ser a sombra que me paira, protege e ampara a falta, a falha, o tempo.

Anímico, positivo como o sangue que corre além das minhas veias, nos monstros que vejo crescer, nascer, morrer e a sentir, o que a mim é somente corroborar, o génio do meu olhar.

January 24, 2018

Domínio

Faço-me nascer, agora que sempre quis, quando afinal, nem preciso.

Essa vida, onde sou domínio, não me foge, nem muito, nem perto, é só essa presença de mim, que não me ilude.

É por isso que brindo ao espaço, o que é meu, ao fluido, que pelo tempo se dilui na transparência da cadência, mais e mais anormal.

Excêntrico, enquanto concêntrico, momentaneamente ascenso a camadas de mais e mais, simples. Menos denso, propenso a ser usado por mais.

Nunca reduzido em nada, elevado à dimensão da compreensão, mais e mais, simples.

O códice de uma vida que nunca se encriptou além do meandro da sua própria existência, é agora, o mais importante elo na transição para o valor que se encontra quando se avança, em frente.

Tanto, em tantos, os que rodeiam o meu mundo, meu, porque o fiz assim… Sem dono, livre de ser a sombra que me paira, protege e ampara a falta, a falha, o tempo.

Anímico, positivo como o sangue que corre além das minhas veias, nos monstros que vejo crescer, nascer, morrer e a sentir, o que a mim é somente corroborar, o génio do meu olhar.

January 24, 2018

Eficiência e eficácia são as principais diferenças de desempenho entre todos os que ambicionam reconhecimento. Seja auto infligido ou dependente do ambiente próximo, esta perniciosa bipolaridade de forma é o fundamento primordial de carácter profissional que reconheço em muitos.

A primeira diferença traduz produção competente, habilidade, organização e em casos especiais, a proficiência. Apregoa ser capaz de adjectivar a forma como o percursor se debruça sobre a tarefa e mede, em relação ao emissor, a capacidade e utilidade da ação. A segunda depende do resultado final, na perspectiva do qual e do quando se atinge. Sendo a eficácia uma unidade de medida quantificável, pela obtenção de um fim, define um espectro demasiado contextual à ação e ao seu receptor para ser possível uma generalização homogénea e de acordo com a universalidade desse mesmo entendimento.

É nesta relação que o ratio do binómio eficiência/eficácia não deve ser uma média obtida pela divisão algébrica de valores, mas inquestionavelmente uma adição de critérios, conscientes e instruídos, acumulada sem género e sem qualquer tipo de constrangimento e contexto. A relação entre termos é para mim, o fruto de uma progressão exponencial, natural e evolutiva.

Por muito que muitos apregoem serem capazes deste domínio, sei bem como, em consciência, e em auto análise, cada um desses muitos dirá que o resultado obtido é geralmente diferente do esperado. Este factor pronuncia de forma inexorável o engano em que a maioria se inflexibiliza pela falta de capacidade de adaptação ao desenvolvimento progressivo exponencial.

Juntas, estas diferenças são a última arma da excelência, pois fundem intensidade e conhecimento com perseverança e foco num valor final que designo de performance, o resultado final de tanta equação. Separadas, são somente a explicação do quanto a maioria não percebe nem saberá porque não me consegue acompanhar.

November 19, 2017

Ratio

Eficiência e eficácia são as principais diferenças de desempenho entre todos os que ambicionam reconhecimento. Seja auto infligido ou dependente do ambiente próximo, esta perniciosa bipolaridade de forma é o fundamento primordial de carácter profissional que reconheço em muitos.

A primeira diferença traduz produção competente, habilidade, organização e em casos especiais, a proficiência. Apregoa ser capaz de adjectivar a forma como o percursor se debruça sobre a tarefa e mede, em relação ao emissor, a capacidade e utilidade da ação. A segunda depende do resultado final, na perspectiva do qual e do quando se atinge. Sendo a eficácia uma unidade de medida quantificável, pela obtenção de um fim, define um espectro demasiado contextual à ação e ao seu receptor para ser possível uma generalização homogénea e de acordo com a universalidade desse mesmo entendimento.

É nesta relação que o ratio do binómio eficiência/eficácia não deve ser uma média obtida pela divisão algébrica de valores, mas inquestionavelmente uma adição de critérios, conscientes e instruídos, acumulada sem género e sem qualquer tipo de constrangimento e contexto. A relação entre termos é para mim, o fruto de uma progressão exponencial, natural e evolutiva.

Por muito que muitos apregoem serem capazes deste domínio, sei bem como, em consciência, e em auto análise, cada um desses muitos dirá que o resultado obtido é geralmente diferente do esperado. Este factor pronuncia de forma inexorável o engano em que a maioria se inflexibiliza pela falta de capacidade de adaptação ao desenvolvimento progressivo exponencial.

Juntas, estas diferenças são a última arma da excelência, pois fundem intensidade e conhecimento com perseverança e foco num valor final que designo de performance, o resultado final de tanta equação. Separadas, são somente a explicação do quanto a maioria não percebe nem saberá porque não me consegue acompanhar.

November 19, 2017

In the future of 1979.

the MONSTRUKTOR

August 19, 2017

I live in a paradox of knowledge and awareness: the more I find the less I know!

Strange?

the MONSTRUKTOR

July 4, 2017

People defend only what they have by granted, making the wrong choice by unprotecting what they can loose. Importance is a deference of necessity and not by a small amount of faith, meaning that the intensity of the delivery and attention you give to what you need should be inverted and proportional to what you are ready to loose.

Unproportional and inverted goes the life of some, the majority of the unsatisfied, the dissidents of individual thinking and humanely dedication to a fruitful life with others.

the MONSTRUKTOR

March 13, 2017

Awareness is not expansive, is not outward facing the world or even imposing new boundaries on others, reflecting our image as a way to justify egos.

Awareness is the savant predicate of curation, construction and selected inner path.

Learning trough error design and will.

the MONSTRUKTOR

December 5, 2016

Motivation by exaltation of mediocrity and punitive control is a doomed cause made from and for the unconscious pseudo enlightened.

the MONSTRUKTOR

July 12, 2016

the seer

May 24, 2016

We project our biggest challenges in others and radically at the world around but, everything starts when we define the biggest challenge of all, us.

the MONSTRUKTOR

May 24, 2016

Ordinary people waste time with entertainment, the life of others and opinions. Extraordinary people seek education and learning, the purpose by presence of my own life and truth.

the MONSTRUKTOR

April 4, 2016

As soon as air kicks in, you start to control the surface of the cradle, the faces that were a blurry smudge of care, the close beings of infatuation and truth anonimously participating in an unstoppable cry of control and awareness.

A never ending torrent of faith and commitment in legacy and hopes.

the MONSTRUKTOR

March 24, 2016

Perceptive of the settling, an innocuous moment of inverted sight brought by the sea of ceilings that condone the horizontal clarity. Deflecting light to give birth to the blackest truth of them all. Yet.

the MONSTRUKTOR

March 7, 2016

What I do everyday is simply my way to communicate with the world. Yes, you!

The importance you had in my life was such that even today, when i’m creating, from thought, i know you are present. So present that I still feel the scars you gave me and left me alone to cure. I feel them as rock rolling while gorging me through the throat of a beast engulfing yet another talented rebel. I feel it!

From the early moments our paths have crossed, i sensed we could have a wonderful time together. Me, glazed with you. You, expecting nothing more than another ambitious boy you knew would fail. I don’t remember the common feeling of that time about ourselves but i know i still admire you for your tenacity and belief in the species you are curating. 

I kept my faith as a man, in this consecutive and symbiotic relation we have accomplished together all this years, but… I’m very sorry, very very and deeply sorry, dear world but this isn’t working for me anymore. I will continue, alone, ascending to the material oblivion of us all, forcing you to tell my story. This will be the regret you will have from me. The only one.

This is not a defeat, a token of my own demise or even a give up shoulder movement of some sort. This is a notice, a letter of self construction and evolution. This is me using you to my own egoselfishpower of expression and creation. This is me saying you don’t have what i need to be with me and be a part of this transcendent path of awareness and enlightenment. Sorry, but you don’t…

I will continue my presence as flesh until i have recycled myself through the elements, as a rite of kindness and share to the ones who i love unconditionally. They deserve it. I will keep them close as particles of me. Inside. Protected with these words of me and you. They know because I have told them.

I know this is hard, but i also know you will overcome this situation with a lot more experience and focus on protecting yourself from the illusions of control you though you could have on a sage. 

Thank you, It was good, but now its going to be even better.

When you change your mind you know where to find me, always!

the MONSTRUKTOR

February 6, 2016

To prevail, achieve longevity, enforce on you the reasons why you need anything and keep aware a simple mind that sees beyond knowledge.

the MONSTRUKTOR

December 23, 2015

The longest one, the heaviest, hardest, unpleasant as a rite, significant as yet another link in the chain of infinite changes is occurring, happening as I think and write, conscious of the path of destruction that builds empires, deducts and aligns a simple man.

the MONSTRUKTOR

December 15, 2015

A still picture engraves with time an authentic point of view through my eyes. A sound, a taste, all are a recordable medium of human conscience. I am what i can engrave in others.

Am i?

Every bit of information can be a fact, a measured and recorded value of pragmatic limits, numerical, alphabetical. Quantification and qualification are therefore the end goal of this propositional gathering. With me, and humans in general, it cannot be done. Can it? Can we measure success, happiness, ambition, friendship and so many predicates we so desperately need to quantify/qualify in our life?

I believe we are already doing it. People measure everything and anything in front of the small/big black slab of loneliness, inside the fashion, food and fun stores, outside, inside, everywhere and anywhere. Why? What for? 

I also need people and things and measures in my life but i see the general scale tilted to the side of greed, envy, to the compulsion of possession and to the illusion of power. The majority of the measurers don’t even know what to look for, feel for, or even accept when they achieved what they wanted in the first place. In the end, it’s just a waste of precious time in life.

I measure my own monstrous rage, this serendipitous way of feeling everything around me, as gulfs of air and water vented through me as cosmic particles of dark matter passing through my body, marking my soul with spots and a healthy more and more and more… The older i get the better it feels, utterly simple and straightforward obvious. Enjoyable, liveable, correct and never enough, never. Thirstily i admit I am a dark caged animal resonating my anger against everybody in a single thought: awareness. 

It’s not a due response of eagerness to become unique but rather a strong and opposing feeling of singularity.

A simple yet undeniable restless truth that lies deep inside this beast.

the MONSTRUKTOR

September 19, 2015

We all stare at the night sky when only a few have starlight in our eyes.

the MONSTRUKTOR

July 27, 2015

Experiencing the many rebirths of my lifetime just to expand and use the directional flow of time and space.

the MONSTRUKTOR

June 18, 2015

I feel your life as a vacation away from myself.

the MONSTRUKTOR

June 1, 2015

Run away and follow your instinct, you will find me in the opposite direction.

the MONSTRUKTOR

February 25, 2015