Reconhecer um lugar é primeiro reconhecer a importância para as pessoas, desse mesmo lugar. É também conhecer a origem de onde emana o interesse por esse lugar, nós. Pela empatia é possível demonstrar (em nós) a faculdade humana que exprime como melhor cuidar o lugar do outro, pelo outro, através de nós ou em conjunto.

É descobrir desta forma, um novo lugar, um sítio nosso por afinidade.

A cultura é o meio que facilita este percurso, o que vai do espaço de todos ao interior de cada um. Por esta atividade associada, potenciam-se os interesses individuais numa força maior, a do coletivo. Para isso, não basta o lugar. É preciso que dele se fale com interesse, se viva com vontade e que esse espaço seja uma parte da vida comum.

Em pátio algum se ouviu falar assim.

EMPÁTIO – associação cultural

May 5, 2022

Dou por mim a pensar, que sou uma tentativa de poeta que nunca quis ser arquiteto. E vice versa.

May 4, 2022

Para já, apetece-me reconhecer que há os que não se ouvem a falar, e os que só ouvem a si próprio a falar.

Para já, basta.

April 10, 2022

What is a fresh start, if not an opportunity in adversity to look at things differently and, perhaps from an entirely new perspective.

Reflecting on the way you’ve always done some things makes it easier to change.

April 4, 2022

Joy is becoming a banal feeling of completion and belonging. Joy is also assertively lacking on what makes an epiphany, the panorama of all things aligned in meaning. Simple things are therefore becoming rarer and pose themselves as singularities. Being ready for an epiphany is something one must practice, but to be able to behold and contemplate on an epiphany is certainly a superior achievement. Practice, achieve and only after, evolve.

April 3, 2022

Imagina que a relva já não é verde e o céu deixou de ser azul.

April 1, 2022

Há questões que por vezes nos assolam como lutas.

Por exemplo, recentemente, tento perceber qual é a versão mais recente de mim. Além da que os outros vêem, procuro aquela versão que eu ainda não sei ser totalmente sincero em admitir, comigo, dirigindo-me ao centro mitocondrial do meu âmago.

É uma alquimia que exige a noção de todos os componentes químicos perfeitamente identificados e não, não acontece como que por magia.

March 30, 2022

O sentimento que persiste, só porque vemos o mundo pela nossa lente.

Repetidamente, como só a agonia pode ser normal, percebo que há coisas difíceis de mudar. Não é de todo impossível, mas a raiz que me invade é essa: como, do mesmo pé, brotam corpos diferentes.

Até o trigo já foi outrora uma variação, uma anomalia, uma vontade (ou acaso) que se transformou em ação. Até eu já pensei diferente, e continuo, aos dias de hoje, a cuidar de certos enxertos que decidi encetar.

É uma agonia constante, esta, a da nossa própria realidade.

March 21, 2022

This is his war: only half of a territory.

Ukraine as a whole is a decoy.

An inhumane excuse to set a plan in motion. One that thrives on the lives of innocents, both Ukrainian and Russian. This is a war that creates a crippling tension, generates global attention and considers a long pronounced presence in the main economic spotlights.

By disrupting positions between oil/gas/cereal interests, one can lead to a process of positioning, regarding individual nation’s stand on political alliances.

When you burn the grass, enemies show themselves and, either run or attack back.

This is how he thinks he will revolve the established doctrines and change the position he’s not able to unsettle otherwise.

The supposedly seized trillions of the oligarchs are protected in opep oil investments (the ones actually winning something short term in this war). They will come out of this laundered, clean and even more rooted inside rotten economic systems.

It seems this concertation is aimed and enhancing the importance of oil and gas before the lithium revolution, thus prolonging the west dependance of fossil fuels as much as possible.

I think that the main intention is to change what was inevitable before it became established: Russia is a decadent nation, built on the sociology of fear and capitalism.

Contemporary Russia is a wrong turn for the primal socialist project – the one millions still defend and are in dire need to believe is still alive, specially now when consumerism keeps knocking on their doors…

The idiosyncrasies are visible when capitalist desire is not available within socialist ideology.

Political arguments are not enough when social collectives are susceptible to be tempted by individual power. Changing the placebo from socialism (or even a dictatorship) to capitalism is nothing new and almost every opep country can be traced back on those behaviours. History is indeed repeating itself.

Russians, death soldiers and imprisoned protesters, are a collateral damage, predicted and manageable. Sanctions are a way to justify the strategic ideology to the remaining population about the western plots against him. Logistic problems, poor soldier training and great numeric losses are the issues of western media.

The “real” news Russians are getting daily are the ones of great suffering and of the urgency of territorial defense against an enemy of the state.

Propaganda is the main weapon.

Nationally and internationally this is first, the war of the politicised media and only then, the result of a human tragedy.

We are slowly falling in the confort of our own protection, either by distance or by political position in a NATO country. Unheard relativisation of loss and of the importance of human life is a process than denies the urge to act. It’s a strategy of fear, slowly burning the entire world.

Consumerism is the pill that creates the apathy. Media are the syringe…

Long term, I don’t know what to think will be the outcome but I am tentatively avoiding this is all about Putin himself.

What is this war really about?

March 14, 2022

We are witnessing, in real time, the settling of confort in people’s mind.

All the atrocities of war and criminal occupation of a territory will soon become a vulgar part of the day for millions.

It is as if death and oppression could be a banal daily topic. These traumatic conditions of humanity are processed as benign entertainment.

In a few days (as it never truly ended), consumerism will have again, the main role in the ambitious mob of collective absenteeism.

The next product, the access to credit and to the best interest rate and immediate availability, are the trias moralis where the world stands on.

Nobody is going to be able to be what they want to be without choosing the alternative to themselves in this world.

March 12, 2022

An unbalanced world is not a question of perception or even context, but rather the observation of reality.

Prosperity is a collective ambition and shouldn’t be misunderstood with growth. The continuous and alarming focus on the ability to enlarge everything beyond universal needs is not a sustainable way to provide basic conditions to a human. This conundrum surely has to do with the way we are not seeing alternatives to my understanding of the classical status quo: everything must become something. For me, this is not prosperity. Neither is degrowth. Let us think about alternatives then.

First we can think on scale and, how the proportion of an infinite growth is not applicable to our existence. A road can add lanes, a computer can add cores and grow our access to some sort of advancement but there’s a limit to human needs. I only need one bed, one chair, one shower and I only have one life to live in. We don’t need much more than this to live perfectly. Of course we must account for friends and family but, this way of seeing things is applicable to everyone, so it scales proportionally. This is a reduction of all that is implied for us to continue as a collective and I’m not against progress, only the insensitive one.

Second we can think on time and, how our lifetime and general health conditions presume comfort as an individual state of existence. I can choose to do as many things invented as possible but (and there are a few exceptions), I cannot enjoy, fulfill our even produce mensurable evolutionary gains on all of them. Generally speaking, a factory worker can produce a much more stable environment for everyone of us to thrive on, than a raging entrepreneur testing the limits of consumerism. There’s so many other “things” to research and invest and find those gains. Think health, environment, culture, science, … Frenetic consumerism affects our notion of ethics, virtues and humanistic principles.

Just start Thinking on how our knowledge of space and time within the human condition, incites us to reconfigure our notion of life. We need to live our life learning, not only to die properly, but in order to set the most appropriate tone for generations to come.

Think about them when you think about you.

March 1, 2022

How easy it is to break down in tears, as empathy is the most overwhelming emotion when human life is at risk. This can be felt through violence or wither but health, should be consequently the only inoperative control of our body – the only possible territory.

Aggression is not acceptable. Discrimination is not even admissible. War is never justifiable.

We, as a collective presence, have the responsibility to exempt our time from this inhuman experiences in a supposed modernity. We have sufficient knowledge and known cultural geographies to understand diversity as a positive allegory of our own individual story as a single group.

I celebrate the end of this ancestral and primitive manifestation of cultural destruction called war.

I celebrate how we as a collective opus, seize the opportunity to evolve in to the next moment in time, consolidating empathy as the base to thrive.

We are not enemies my friend. I just want you to help me with the time I need to be able to understand, us.

February 28, 2022

Stop war everywhere!

Reduce consumerism altogether.

Avoid gasoline, logistics, news.

Our individual position about these three political arguments can decrease the economic value of war drastically.

Think about it.

Public transportation, local goods & relevant information.

February 24, 2022

Como marcar o curso de uma água que se agita? Como demover uma águia assertiva da visão da sua presa? Como fazer pedra sem o tempo que demora o mundo? Como ser, sem ter que parecer?

O que é sempre foi? Nem sempre o mesmo porque só assim é algo mais. Nem quantidade nem qualidade, só a indómita vontade que me rói, e já nem dói, porque afinal, sempre foi.

Desta história reza a persistência de uma fé. Uma crença em que a diferença nem sequer é o punctum que merece. É antes o factum de um studium que nasce inventado. O spectrum isento da eulogia do passado, sem qualquer remorso, só CRítica. Uma vida desenhada com o carvão ainda ardente, quente, emocional. Paixão.

Tudo ainda por dizer. Nada serve como completo. Tudo é estranho. Todavia, há quem fique contente com este sonho fervente, do que se espera que eu, nunca venha a acordar – murmúrios de pequenos bichos medrosos.

E aqui estamos, perante a oferta da eternidade. A única verdadeira ambição que demove a angústia dos homens. Um rigor de vida que transcende as fronteiras da carne, do entendimento e se produz numa mera obra, viver.

February 21, 2022

Não posso ser pós moderno, quando deixei de procurar as formas dos espaços e passei a procurar o tempo da proporção.

February 10, 2022

Infinite, never ending, post state of the previous level.

All started with the forward loop.

In the middle there were cycles.

Concurrently, I’m approaching the moving landscape from the adimensionality of time.

Like a post mannerist queer punk.

February 7, 2022

O ímpeto não é comunicar, é evitar estar só.

A vontade que move o ato de falar e partilhar a vida íntima com os outros, além dos nossos, os tais próximos, com todos os desconhecidos possíveis e acumuláveis, é a evidente incapacidade em aceitar o silêncio e a solidão.

Nada nestes termos é mau à partida. São estados transitórios que justificam modos e condições, caracterizam e influenciam muito mais do que a imagem irrefletida dos outros na nossa vida. São terapia e são a forma mais pura de saber manter a nossa sanidade.

Não são purga nem cura. São subaproveitados. Precisam de instruções.

February 6, 2022

Pequenos ajustes, sempre em tandem. Como se a consequência do caos estivesse programada em cada movimento possível observar.

Não acredito que a ordem exista, seria demasiado para absorver, por nós, simples humanos.

No entanto, queremos esse poder. Controlar, impor, dominar, quando afinal são tudo compensações de uma percepção clara sobre o declínio.

Nós, humanos, não temos medo da morte, temos sim, medo de não viver até lá.

Assim, presos, condicionados, num rítmico bater de desilusão. Como se estivéssemos sobre carris, em direção a um destino inegociável.

Ou talvez não.

January 31, 2022

Por vezes, nem preciso falar. As moléculas invisíveis do meu discurso alinham-se por mim. Carregam a semântica de uma força em forma de força. É como se o próprio ar decidisse ter a densidade desse discurso. Sem discussão, emocional como só o meio pelo qual a narrativa flui. Um arranjo simples, sem qualquer variação precedente, mas disponível para quem quiser derivar. É, assim, flutuante. Calmo. Nunca pacato. Sempre teu …

January 27, 2022

Hoje chamaram-me vulcão. De quem vem, talvez seja assim que me veem…

January 21, 2022

Até um certo ponto, quem se dedica só a fazer aquilo em que é bom, é covarde.

É como se essa cobardia fosse uma traição ao erro, ao fracasso e à possível descoberta de uma alternativa pelo acaso. Nem tudo precisa ser racional, se houver outra parte dessa vida.

January 21, 2022

O que será que se move por entre as sombras? Nada.

A luz talvez ainda não tenha cá chegado. Quando chegar, com certeza, acaba a sombra. Se não acontecer, ou a luz ou a sombra darão azo a mais luz, ou, mais sombra.

Um diálogo infinito, como o tempo. A luz, isto é. Esta matéria que não é material. Nem os fotões a provam certa.

É para já, impossível de manter sob o controlo da matéria que é feita da indeterminada passagem de um tempo. Para alguns, pois outros preferem o degrau, a dobra, a redobra e a desdobra, como medida da sua relação de amplitude com o tempo.

Distorcido, ou só torcido, o tempo de alguns é como o corrimão que acompanha o tiro de uma escada: um falso sentido de segurança, mero apoio à locomoção, um arranjo tecnicista ou então arte.

Para Siza o tempo não passa, porque ele decidiu que nem luz, nem sombra, são motivo de sucesso.

São antes as substâncias mais evidentes do fracasso em nomear o inomeável, como um mero homem Barroco.

January 20, 2022

É o tempo certo para pensar porque nunca fui muito bom naquilo que faço. É porque não o faço para mim ou então, porque nem sempre sei bem o que faço? Às vezes, até gosto de não saber, nem o que faço, nem esse caminho onde aprendo.

Questionar a possibilidade da minha própria mediocridade não é um drama. É um ato consciente de, subtilmente, perceber o meu lugar neste momento. Perceber onde chego, cheguei e poderei vir a chegar. Simplesmente.

Reconheço que esta é ainda uma imagem difusa, idiopática e como tal, provavelmente de difícil rastreamento. A origem, a fonte, a nascença, poderão nunca fazer parte da resposta objectiva do meu percurso mas, uma vida de cada vez. Esta, está garantidamente a ser vivida. Rodeado de desafios, problemas e soluções. Nunca banalizada mas sempre relativa a mim.

Ao que sou capaz, cumpre-me manter presente a necessidade de partilha. Isso sim, riqueza. A única que aumenta sempre que a dás.

Talvez seja isso em que seja realmente bom. Não só para mim, mas também a mostrar como se faz.

January 17, 2022

January 17, 2022

Viver fora de uma norma, não é necessariamente ser a-normal, pois nem sempre esta posição implica conflito ou repúdio. Falo disto porque o termo anormal está colonizado por um significado negativo e depreciativo.

Por vezes falamos só de tema ou estilo, o que valida somente o nosso interesse no campo, como uma espécie de investigador boémio. Esta curiosa vontade implícita em saber mais, significa algumas vezes, ser anormal.

Ser excêntrico, porque se sai de um centro – mas sem essa deslocação evitar reconhecer que se mantém uma certa relação geométrica, concêntrica, mesmo que irregular, com esse mesmo centro, do qual saímos.

Nos temas e estilos que todos mantemos como universais, há quem saiba sair sem avisar. Evitando lugares comuns, consegue inesperadamente, ou não, implicar muito mais do que pensávamos possível.

É tão evidente que só depois de muito tempo e digestão, se consegue sequer, iniciar o processo de assimilação. A nossa sociedade não está preparada para dispender tempo consigo própria. Os que têm esta noção, abusam da sua condição anormal para o fazer desmedidamente. Como é tão mais verdade na verdadeira arte.

January 11, 2022

O primeiro é o amador, o segundo o filósofo e o terceiro o crítico.

1 induz 2 deduz 3 transforma

O primeiro induz, enquanto absorve, entranha e prospera na base da arte visual e da literatura. Simultaneamente, como se de um ímpeto de sobrevivência para além dos meros estados de mortalidade se tratasse. É passado portanto, não porque passou (na simples contagem do tempo), mas porque tem a história que escreveu como seu aliado. Esta indução reflete a passagem de energia potencial. É no acumulado poder de construir, para além do simples ato de materializar que, simplesmente, algo se constrói, primeiro na obra e depois na observação da obra. Primeiro pela posição como se ama, autor, depois como permite uma posição ao seu público.

O segundo deduz, analisa a sua construção, sentado, exausto. Exaurido pelo seu próprio estado de criação, deixa-se galvanizar pela dúvida constante do perfeito, do conclusivo, ao ponto de abnegar a criação como sua. Mas, e mesmo em convulsão constante, permite-se momentos de êxtase, geralmente ilusões fantasiosas de dimensões paralelas onde o encontro com o seu público é pacífico. Geralmente, é, e reflete toda uma pedagogia de comunicação clara e coerente. Um saber da base. Quando não é, ou se aprende ou se desiste.

O terceiro transforma. Só isso. Reduz e simplifica ainda mais a noção de valor e validade da obra. Enfrenta-se num juízo sem parcimónia, fermentando a matéria primal numa construção passível de ser perceptível aos outros. Poder, no seu estado mais puro, o que consegue existir sem ser uma existência, mas uma condição para a criação.

Nenhum destes estados é um estado de paz e saúde, apesar de todos serem um estado de construção e adoração. É pelo menos assim que nos querem (sempre!) fazer entender o estado normal (natural para alguns) da criação. Algo doloroso, tenebroso e pouco sadio. Um processo de loucura e decadência, o processo do fim. Romântico, que não distingue o contexto do possível com a vontade da repetição impossível. Recursos como justificação de recurso.

A construção para além do óbvio e da tecnologia está ao alcance de alguns. Não porque a atingem mas porque a incorporam na energia pulsante do seu próprio reconhecimento como nados vivos. Falo daquela que ultrapassa o âmago do entendimento genérico e é, só. Beleza. Universal.

Por isso, completar, ou tentar completar, o poder que poucos atingem desta forma é usurpar o direito a que a inquietude de poucos, fazem verdade a vida de todos os outros. Fiquem-se pela constatação de beleza. Mesmo que tenham sido uma parte dessa criação.

January 9, 2022

A obra de Siza é feita do plano que ele decidiu retirar dos seus pés.

Chã, plana, penitente, poética e plena, tal como uma pérola obtusa, a perspetiva da sua arquitetura é a singular expressão do seu homem, Álvaro.

Álvaro

O mesmo que começou por perceber que a obra se faz por subtração do supérfluo, na adição do significado, sempre imperfeito. Algo que só esculpido se sabe mostrar.

Heresia

E por isso a distinção entre material e matéria, carrega o drama deste enredo, denso, como o arquiteto que escolheu viver no decorrer da sua obra.

Tratados

Admiráveis poemas visuais, as suas obras carregam um peso semântico, imanente e intelectual, tanto quanto existencial. Vemos nelas, como que o desenrolar de um processo de punição.

Adeus Loos

Um processo que começa por maneirismos progressistas que avançam uma noção de libertação das bases clássicas da arquitetura em direção ao campo intersecional e inclassificável da sua narrativa barroca, magistral.

Mais do que um pleno barroco poético, uma visão pós maneirista punk.

January 7, 2022

O viajante não é só o que se desloca, mas acima de todos, o que se dedica a parar.

Observar é um ato confundível e mundano, comum até, mas a diferença persiste na forma como, da observação se transita para a percepção, exigindo assim, assumir a contemplação como um estado pessoal dessa deriva.

Poderei eu, desde Wanderer above the Sea of Fog, Caspar David Friedrich

January 6, 2022

Pouco importa o que fazemos, excepto nascer.

Independentemente do que se venha a desenhar como vida, a morte, tal como a sombra, equilibra a noção de viver. Mesmo assim, prefiro arriscar aprender como o fazer, o desafio.

Imaginar viver sem morte é, em si, um ato desesperado. Sem precisar ser repúdio ou negação, imaginar sequer este cenário é deveras perturbador. Sem um fim, como significamos o durante? É um conceito extraordinário, que não pode ser confundido com a imortalidade. É como o estado das pessoas que não conseguem esquecer. Imaginem viver assim, a lembrar tudo, talvez sem conseguir perdoar, ou talvez em conflito com a maior alegria, a da nostalgia.

A patina da vida é em parte saber que esta tem fim e outra parte perder a noção da própria vida. Ao saber a noção do fim colaboramos com o tempo, de uma forma inquestionavelmente produtiva: por dedicação suprema ao percurso. Ao perder a noção da vida, damos atenção ao tempo após, o da ausência.

Esse tempo é fascinante. O que será de mim quando já não for uma presença? Serei uma memória ou uma lembrança? Serei nesse estado, proporcional à minha descendência biológica? Deixo algo para trás, ou fui só esse fluxo de energia que se transformou de novo?

Sim, essa energia sou eu. E pode ser cada um de nós. Somos uma troca temporária da matéria, entre a condição consciente da existência e a nova matéria da ausência. E é tão fácil aceder ao que somos, basta parar em frente a nós próprios. O que vemos é o que temos que ser. Se por acaso essa imagem não corresponde, o “fim” não será coerente.

Gosto da frase de um autor desconhecido que diz que “vive a aprender a morrer”. O que eu acho curioso, até porque todos aprendemos (sem alternativa) a viver. Uns melhor, outros pior, mas raramente dedicados ao futuro pós existência. Porque será?

January 4, 2022

[ sobre a inquisição da matéria social ]

É-me impossível falar dos outros sem falar em mim.

e eu
A construção do eu a partir da figura geométrica em progressão para o sólido geométrico. A mudança de perspectiva, a dimensão espacio temporal da posição, da pedagogia e do poder.

Primeiro, porque a responsabilidade de saber de mim enquanto arquiteto, é somente o ato coerente de elaborar um tema do qual estou disposto a falar, mesmo que errado, por forma a propor uma alternativa do pensamento prevalente. Esta minha ética, sobre a política posicional da minha própria pedagogia de autoanálise e conhecimento/reconhecimento do poder a que tenho acesso e/ou contruí através da arquitetura, assim me impele a fazer. Por isso um doutoramento, na segunda parte da minha carreira, na qual abandonei a minha ligação ideológica com a arquitetura em detrimento de uma possível reconfiguração filosófica da minha disciplina.

Segundo porque, tenho a inabalável certeza de que sou um corpo colonizado. Sei que carrego em mim a herança de uma escola, pela influência dos grandes mestres, que pela proximidade, simbologia, analogia e afinidade se traduzem constantemente na minha prática. Não estou à procura da minha autobiografia científica, mas sei que, como outros antes de mim, me debato com o estado da arte que pratico, na forma com o faço, e no juízo do seu resultado. Evito deliberadamente falar de originalidade, essa é minha, ou não fosse eu um autor.

Terceiro porque estou preparado para ser cobaia. Ser o primeiro a preencher os programas de autoanalise, de ser amostragem e dissecado como o corpo político e construído que sou.

versos de imanência e transcendência

January 3, 2022

É violenta, a procura da decadência. Tentar encontrar uma razão pela qual o caos, ou a ordem se extinguem, levam-nos o sonho. Sentimos como que uma perda, sob a forma da incapaz obtenção de uma regra, provavelmente impossível de obter. A nossa medida não é compatível com este domínio, só com a perda da inocência realista da noção da própria perda sob a forma de um crime capital, viver.

Desilude não só pelo percurso mas também pelo processo. O trauma que fica é incapaz de sarar em tempo útil e por isso carregamos para bem dentro da nossa ausência o que ficou por tratar. Interior e exterior, a cicatriz não dói, só marca e por existir, lembra a luz que se propaga inexoravelmente como o tempo, numa dança que nos dá a realidade sustentada pela existência também da sombra.

É por isto que deixei de sofrer. Porque é certo que se não curo em vida, alguém terá que curar por mim a seguir. De que vale a pena assistir a esta perda, se não for para atingir aquele momento limite que se traduz num sussurro final. Um sussurro direto à história que escrevemos na cabeça dos outros, diferente das folhas de papel da outra história, a que regista a decadência que afinal é nossa, ordenada a partir do caos que nunca foi ordem, mas senão uma tentativa de ordenar a desordem natural da vida.

Vivo normalmente ausente, como se o espaço que ocupo fosse um desenho que faço, sem peso, limpo, mas com marcas e borrões nas costas da folha, e uma das pontas dobrada.

January 2, 2022

Apetece-me dizer que durante o tempo que passou não gostei mesmo nada que tudo tenha ficado tão igual. Até houve quem mudasse, mas foram tão poucos, ou então foi de casa. As moratórias deram muito jeito. Se alguns pouco ou nada mudaram, muito poucos evoluíram, e a semântica é transcendental.

Começo por filas. A pé ou de carro, dá igual. Filas intermináveis para coisa nenhuma. Comprar, principalmente, mas também para mostrar que até têm um automóvel moderno, com luzes ligadas de dia, a ser pago sabe-se lá como, ao banco de que todos somos donos. Um ouroboros, ou uma pescadinha de rabo na boca para os ocidentais. E os testes! Tchiiiiiii, ninguém vai à bola sem reprovar! São aos 50 mil de cada vez, mas dentro das regras…

Continuo pela opinião. Sim, a opinião pública, não é a minha, mas a que domina, mascarada de entretenimento, o horário “nobre” do país. São horas intermináveis de desinformação, comentário saloio e dramático o suficiente para provocar cortes auto infligidos na axila. É a variante prevalente e é impressionante a falta de pudor (já para não falar de síntese jornalística) rigor e até honestidade. E são todos iguais, os canais. Safa-se a 2 ou não fosse eu um snob, artista, culturalmente ativo, blá blá blá…

Saúde, educação, economia, tudo vai mal. Pelo menos é isso que se entende por política. Não interessa como está, só que está mal, uma miséria, nunca foi pior e assim não dá mais. Convoquem-se novas eleições, principalmente, porque estão previstas na democracia. Depois, porque dá jeito o tempo de antena. Ah, e dá para mudar de tema, que já toda a gente ouviu falar das férias dos famosos nas ilhas do Pacífico. É como o povo, e nada contra, mas há limites para a preguiça participativa, a falta de interesse. Sei lá, ficava feliz com uma pequena centelha de urbanidade e cidadania, mas não há. Está tudo em casa, a ouvir os outros a formar as suas próprias opiniões, enquanto olham o telemóvel naquela gestão multi tarefas do único neurónio disponível. Gelados com a testa!

Convoco agora todos os processos falhados, sejam os de largo espectro, como as oportunidades perdidas de reconfiguração da nossa própria vida; sejam os de pequeno impacto, como o das reivindicações hierárquicas superiores de decisões democráticas em júri de pares, sendo assim nada mais que a identificação de processos subliminares de novas e mesquinhas colonizações (com cartas públicas de ambas as partes, de outras partes e assinadas de cruz).

Homens musculados por pós(z)es, mulheres sufocadas por leggings, crianças com o queixo no peito, à mesa e portanto com a testa na sopa (sopa, pfff nem sabem o que é isso).

Mentiras em todos o lado e nós, compra. A sociedade a ruir e nós, até nem vamos mal. Aproveitemos mas é esta oportunidade, que amanhã há mais. Somos uns perdulários. Eu também, atenção…! Mas não consigo deixar de me deter pela beleza do mundo como ele é, mesmo que o que vejo seja o que gostava de ver diferente. Se assim fosse possível, todos teríamos um mundo nosso, à nossa própria imagem e isso seria muito feio de mostrar. Já basta este!

January 1, 2022

Talvez seja por hábito, ou então porque é simplesmente incontornável, mas sem a menor dúvida, estamos sempre à beira do colapso. Em todos os tempos, geografias e estados, há quem sinta a necessidade de apregoar o cataclismo maior possível, o fim. É como se estes profetas nascessem diariamente em cada um de nós, assim que ouvimos falar de algo menos que ótimo, maravilhoso ou menos fácil.

Para mim, esta gente é primeiro, uma cambada de preguiçosos, que prefere que tudo acabe para todos do que fazer parte de uma construção comum, mesmo sabendo que, efetivamente tudo acaba para todos. Preguiçosos e invejosos, portanto… Talvez não seja isso em que acredito mas é possível ser assim.

Acredito que é mais a improvável noção do tempo. Sempre a contar, sempre a seguir, sem esperar por nada e por ninguém. Sem regras, sem método, sem dimensão humana que não a que nós conseguirmos fazer senso entretanto. Sendo assim, essa entidade abstracta comanda subliminarmente a vida de todos, pressionando a realidade individual a fazer parte de uma contagem imparável. Ninguém tem voto na matéria e tudo alinha pelo tempo de todos. É a verdade mais democrática do universo, seja qual for a galáxia, pelo menos ao nível cosmológico (do quântico não falo).

Não nego que me fascina a incontrolável atração dos humanos para o drama, o enredo, a vitimização como uma profissão exigente. A minha atração não é mórbida como quem pára para ver um acidente ou ouvir uma discussão mas tem dias em que também eu páro. Geralmente faço-o para observar. Tentar a percepção de algo. Não precisa ser erudito ou avançado, pode ser tão simples como uma basura, um contentor, num determinado local, como hoje.

O contentor, mobiliário urbano, público, disponível sem qualquer entrave e significando sobretudo a incapacidade humana de gerir os seus próprios excessos. É um símbolo de uma questão de educação, a da falta de formação.

Posso ensaiar, a partir dos menos óbvio, tanto quanto a filosofia, a sociologia, a geografia, o design, a ética e a política mo permitem, mas hoje vou simplificar. O caixote do lixo mais vulgar do mundo permite-me olhar para o colapso mais recente: a desresponsabilização total do homem consigo próprio na incapaz gestão de resíduos, na forma como lida com o seu consumo e como tal, como violenta publicamente o meio ambiente com a anuência política geral. Tenho dito.

Como o tempo não pára, está na altura de deixar de ser lixo. Lúcidos.

December 31, 2021

O que faz alguém citar alguém, seja obra ou autor? Porque nos reduzimos ao que aprendemos ou ao que sabemos que aprendemos porque alguém já validou? É importante refletir sobre o que alguém pensou, enumerou ou até citou de um outro alguém, por forma a manter uma linha de pensamento ativa e clara, mas, será essa a nova forma de pensar? Pensar a partir de algo pensado? É esse o modo de operar do futuro? Se depender da instituição, sim. Principalmente por conforto, mas também por mera praticalidade da produção de agentes de uma qualquer disciplina, sim.

Se sim, o que seria dos antigos. Aqueles clássicos que deram o passo do desconhecido, em direcção a nada em particular, que não a vontade única de pensar. Esses seres isentos da liberdade que vivemos hoje em dia, a que não me interessa em nada viver.

Achamos nós que somos livres quando afinal somos agrilhoados. E somos nós os carrascos dessa vida! Oprimidos pela miragem do espelho que nos reflete por obrigação.

Oprimidos não. Oprimimo-nos!

Somos feitos de uma matéria comprometida com uma fantasia, uma ilusão, a da liberdade. A que afinal não queremos, até porque não sabemos viver com ela. A liberdade não é uma condição que se adquire, mas antes um estado que se atinge e isso, paternalisticamente falando, exige tudo, repito, tudo! de nós. É como um casamento, onde a falta de cuidado, manutenção e evolução, faz colapsar a base indivisível desse compromisso definido pelas partes…

Interessa-nos assim, mais do que ser algo, parecer algo, de preferência único e diferente. No final, é tudo igual. É como se a sugestão de alguma coisa fosse o argumento de partida para qualquer hipótese de solução social. De que me interessa ser, quando posso só parecer? É mais simples assim, pelo menos para a maioria. Os outros, são artistas, revolucionários ou inconformados. São estes os que validam os outros e nada contra este eterno equilíbrio. Os 99% precisam desse 1% para existir nessa forma, validados entre si, pela sua maioria. Quem é que acha que este não é o maior elogio possível ao pressuposto do original? Quem acha que vale a pena, que é preciso sequer, sermos todos iguais?

Mesmo assim, continuamos a reivindicar a liberdade como algo pessoal. Achamos nós que o custo de não a ter é maior do que parecer não a ter, quando afinal, não sabemos muito bem o que ser, sequer. Oportunidades não faltam, e já nem sequer as desperdiçamos, porque nem sequer nos dedicamos, às tentar aproveitar.

Bom ano, mais um, do resto das vossas vidas, aquelas que seriam iguais à minha, não fosse eu existir.

December 30, 2021

Quando me interesso é por amor. Aquele amor amoroso não, o outro, o de amador. Amar é um ciclo que revejo facilmente, talvez por isso esteja a escrever perto do fim, o do ano. Amar é também ser curioso, na medida em que se é especial e também, especialmente incapaz de preencher cabalmente a vontade de ver mais e melhor. Curioso e curioso, portanto, um sinónimo de alguém inquieto, insatisfeito mas plenamente capaz de amar. É curioso.

Escrever agora tem o potencial acrescido do tipo do resumo ser do interesse comparativo. Quem lê, talvez espere perceber onde falhou e onde pode copiar para ser melhor. Possivelmente, talvez seja só como o gato, curioso. Duvido, até porque estou habilitado a falar de gatos, agora que sou parte da vida de um (há outros que me visitam, mas este vive cá em casa). Curiosos, há assim muitos, mas nem todos se movem pelo tempo constatado, mas antes pelo tempo que acham ter perdido. E comparam-se a mim, não ao gato. OttáriOs!

Aos que não sabem escrever por si, e aos que são curiosos de mim, aqui vai:

– amigos, menos, cada vez melhores. Conhecidos, alguns, talvez futuros amigos, mas nunca piores.

– gente nova, gente velha e a certeza de que a realidade que te conforma é a mesma que se muda num ápice. Nem tempo tens para pensar o que perdeste, por nem pensar em amar o que tiveste.

– mais do que desafios, a motivação em desafiar.

– desenho, livros e não só, com mais intenção do que pensava ser capaz, e sou!

– um ano… espera lá, um ano porquê? 365 dias, a começar em janeiro, porquê? A astronomia a reger o mundo dos perdidos não implica nada aos ciclos de cada um. Primeira lição.

Até já, ao próximo.

December 29, 2021

Com o tempo, talvez seja assim que tem que ser: a celebração passa a ser um estado e não uma condição isolada num dia particular. Presentes, ausentes, nós, na ordem da necessidade e nada mais.l

Que a hipocrisia seja agora, para que no resto do tempo, a redenção tenha lugar.

December 24, 2021

Há um silêncio que me interessa,
aquele que eu não consigo ouvir,
aquele que me afasta e me aproxima
sem que eu tenha a noção que estou num movimento perpétuo.

Aquele que é tão perto e tão longe,
aquele que é tão audível e tão silencioso,
que nem damos conta que estamos a ouví-lo.

Esse silêncio que eu procuro,
é o silêncio que afinal,
nunca encontro.


December 19, 2021

O poder da arquitetura não é o mesmo da arquitetura do poder.

December 16, 2021

A critical reading of the state of the discipline of architecture can start with the identification of its dispositifs, in an objective analysis of the prevailing physical, institutional or administrative mechanisms.

A position from the vitruvian geometry

Architecture is the direct manifestation of the set of powers of the trias politica of antiquity. Perhaps it is time to assume its position as the fourth, or rather the fifth power, since the media are in their place.

Nothing prevents me from invoking Her as The fifth power.

December 12, 2021

Estou suspenso do uso da meta crítica e da minha densa forma de pensar.

Essa que me alimenta na análise do meu estado de ser, como a condição do mundo que me rodeia. Infelizmente, prevalece uma normalização silenciosa que a disciplina da arquitetura professa como sua e que me evita como seu membro excêntrico tanto quanto notável. A sociologia tem mediado este espaço de inquisição, mas a geografia dessa ágora imaginada, será sem dúvida o local de uma discussão pelo poder que uma política de virtude isenta da ética mais elementar. Essa suspensão temporária, por princípio, tem tudo para ficar, mas serei o seu guardião atento, para que possa escapar assim que as regras estejam de novo em causa.

Até lá, vivo sem respirar.

December 1, 2021

Sim, eu tenho uma predisposição para a articulação de raciocínios complexos. Complicados, estruturais e nem sempre inteligíveis, estes raciocínios são uma parte de mim. Há quem dispense tempo para os compreender e há quem os evite. De qualquer das formas, quero afirmar que apesar de tudo eles vão continuar a existir, nas suas formas exatas, sem condições adicionais que não a sua dinâmica, na minha cognoscência. Percebem agora?

November 29, 2021

A maior dificuldade é ouvir. A nós, ao corpo, aos outros, a tudo o que nos rodeia e ainda a esse mundo de saber que nunca teve a presença que desejo em mim.

Vou-me dedicar a ouvir e para isso tenho só que parar.

November 27, 2021

Uma língua assente numa linguagem, a da forma, esta arquitetura, e pela estética contemporânea.

Iminentemente expressiva, artística e cultural, mas no entanto, sem o seu fervor consequente, mais clássico e Universal. A ética, a virtude e o princípio estão ausentes!

É esta a presença de espírito que a maior parte das imagens consumidas diariamente pelo público da sua mensagem invocam na sua leitura. Uma posição frágil e descomprometida, baseada na pedagogia falhada do orçamento ou do ornamento, que de tão desprezo que tem pela prática, é pretensiosa, como só uma disciplina obsoleta pode ser. A obsolescência vem do agora, sem que com isto esteja a exaltar algum classicismo mas, é um facto que, só ontologicamente podemos observar o poder que exalta a manifestação do artifício humano no reino do natural.

De que vale a inocência, a naïveté que não passa da meia medida, quando o copo só se enche com um repúdio ou uma ausência e não com uma ainda maior complexidade? É esta a contradição do momento exato em que vivo, a de saber que o caminho se faz pelo percurso da crítica, na observação da prática pela percepção da disciplina. A quem me dirigir e culpar? Ninguém, pois todos são ainda vítimas da indómita vontade em saber, que o corpo é um dos sentidos que nos falta aprender.

E tudo é poder. O quinto poder. A arquitetura.

November 22, 2021

No more coal in Portugal.

Maybe we are the new classic, like in classical antiguity, starting with a progressive take on energy, despite politics and economics being a capitalist variable.

Perhaps this a turning point on how we should profit from our naiveté and ingenuity forming together from a strong sense of responsibility. This comes from the younger generations of people who became aware of how this place is special, immanent and transcendent while representative of the opportunities to evolve from crisis, as a global example.

November 21, 2021

The more we fail as a profession the more we succeed as “the” discipline.

By educating practices, we can perceive the necessary ethical positions to take, both individually and collectively, in regard to knowledge.

November 15, 2021

O momento em que a vida se inverte no conjunto de experiências e passa a ser a experiência da vida individual no conjunto.

November 6, 2021

O cliente paga para ser cliente.

Pode emitir opiniões.

Pelas decisões, são eu o responsável.

November 5, 2021

A responsabilidade em mudar algo ou alguma coisa começa sempre nos outros, num qualquer processo exterior a cada um de nós, o qual só por ser necessário ou evidente, esse processo exterior, comprova a nossa posição estática e inoperante, como perfeitamente plausível… Os dogmas, estigmas e preconceitos são assim carregados de uma forma subliminar, ofuscando a necessidade de mudança, com a falta de estima e amor próprio e que, a existirem, são razões suficientes para a tal imediata regularização do equilíbrio virtuoso ou moral nesse tal contexto. Ninguém se mexe para nada se não tiver um ganho claro, incluindo ficar estático como o ganho da energia propulsora da ignorância.

November 2, 2021

Mais uma, sempre há mais uma, e todos querem é mais, não interessa se devemos ou não, só que há uma para ir e supostamente é para divertir. Nem interessam as imagens degradantes do fim, nem a culpa dos erros cometidos pela ébria forma de substanciar a existência coletiva, só que todos fomos e nos vimos ali, naquele local, onde se escondem os medos de todos na fantasia de nenhum. A euforia da festa é algo que me consome, pois também eu percebo o seu enredo, mas assim não.

November 1, 2021

É protocolo, quase obrigatório, para todos os que usufruem da viagem, demostrar o ecletismo das suas experiências privilegiadas, ao expor uma foto da sua benevolência para com os hábitos, as vistas, (enfim, qualquer predicado situacionista é suficiente), de tais exóticas paragens. É tipo, além fronteiras é um direito adquirido, não é, e da máxima humildade, partilhar publicamente a vida privada, ou será que não é?

October 31, 2021

Azul menino ou rosa menina… Há lá nada mais normativo, incontestado pelos 99% e acima de tudo, completamente desnecessário no mundo em que vivemos (seja o de agora ou o de sempre). Cor e sexo é uma noção capitalista que nem percebemos bem como persiste na mente do mundo moderno, com a força e a persistência do conceito. Poderia explicar como surgiu mas nada mais me interessa do que evitar essa análise, recontada, e assim, esperar (de esperança) que essa dúbia noção binária desapareça.

October 30, 2021

Brilhante, dourado, muito ou pouco, depende do gosto, mas a marcar a propriedade, o comprometimento, na sua maioria inconsequente, inconsciente, inconsistente, com a verdadeira realidade dos factos: de que vale o anel, se a relação é frágil ao ponto da mentira. Fidelidade, essa palavra em forma de logro.

October 29, 2021

Pressão da resposta, sempre certa, sempre em cima, o daquele momento que é sempre mais útil se utilizado a pensar no que dizer, do que arrependido do que poderia ter sido dito. É uma mensagem automática a favor da mediocridade, sem questionar que o fórum se faz com calma, reunião e ponderação, dure o tempo que durar o compromisso individual de cada participante, sem necessidade de impor outra visão que não a melhor resposta a esse coletivo.

October 28, 2021

Público, como em transporte público, ou seja, livre de acesso, a todos, sem qualquer tipo de restrição que não a regra plural mais simples possível, o bilhete de entrada, que não garante a desresponsabilização do cuidado, da simpatia e da urbanidade.

October 27, 2021

Estreia, simplesmente a inauguração, de algo ou alguma coisa, que vai ficar em exibição e portanto com acesso, a todos, durante um certo período de tempo, além do dia inicial, seja um filme, uma exposição ou até uma promoção, conseguem provocar histeria e segregação, a partir do pseudo estatuto da presença ou do estreante.

October 26, 2021

Fila de trânsito, lenta, quase parada, várias faixas de rodagem e há sempre quem desespere por um metro de espaço, um meio segundo de tempo e a opulente ignorância da calma, da paciência e da consideração, sem pensar que, de facto só provoca ainda mais aquilo que, supostamente, pretende evitar.

October 25, 2021

Folha de avaliação, descendente, do melhor para o pior, de cima para baixo numa lista que claramente define (publicamente) o culto do resultado, excluindo da equação pedagógica a dificuldade individual, a necessidade de apoio e a ajuda como meio de sucesso coletivo.

October 24, 2021

“Thank you for the invitation” in academia is starting to feel like presumptuous snobbery. Pretentious. What about just an honest and private “thank you” ? Thanking publicly to the host (individuals, collectives and/or institutions) should not be the introduction to your invoked participation!

This “invitation concept” is wrongly applied when the majority of those occasions deal specifically with an “invocation” of some sort (surely epistemological, perhaps technical or even just an opinionated point of view). Considering a position without this initial proposition of status, hierarchy, superiority and privilege is not justifiable to the audience, to whom the invoked has the obligation to consider on a “equal degree of importance”.

Perhaps, if the “invited” part considered the true meaning of the participation itself beyond curriculum, peer pressure and faculty portfolio, some sort of a “deeper pedagogy” could appear and make “thank you for the invitation” obsolete.

October 23, 2021

Momentos, sublimes. A beleza do momento como o momento de si mesmo. A forma como há quem se atreve a ver tanto em tão pouco. Esse pouco que é demasiado em tantos que nos rodeiam. Que medo, não existem nem demónios, nem fantasmas, seja de nós próprios, até que nós próprios, os invocamos, incitamos até, ao nascimento.

Depois tudo acaba e a beleza que sempre foge, escapa-se. Definitivamente.

Corre.

October 21, 2021

A evolução é um mecanismo de sofisticação. Quão avançada nos demonstra a real crueza da nossa existência.

Deixemo-nos de apreciar a arte, a cultura, esse espaço temporal da história.

Vivamos da degradante política da ética ausente e da virtuosa forma de destruir tudo, a partir do todo incompleto de cada um de nós.

October 17, 2021

O futuro é com certeza ausente de pensamentos cartesianos.

Como no momento em que compreendes que o homem que suspiras ser e o homem que és convergiram num espectro de uma possível presença humana, sem forma.

Por isso, tudo no legado é a ponte para o todo análogo, seja ele biologia ou filosofias diversas.

October 11, 2021

We feel the urge to communicate. It gets larger everyday. In that process we tend to transmit unique anthropological concepts, using generalisation tools, as languages and words. Each individual culture is built upon specific semantics. We are “losing” it, quantumly, bit by bit, without even noticing the scale of loss. The unstoppable force of universalisation of knowledge leads me to write these words in English. Imagine what we may be doing without knowing. Bad, wrong, wright, good, it doesn’t matter. This entangled predicament continues to thrive in my mind.

Universal symbols are becoming less questioned by the 99%. A book, an appliance, a house, a street, a government, a practice, a border, a sea, a planet, a light, a fire.

September 26, 2021

Blue is stable, throughout the day, the year and before every submission to light.

This is the colour of truth, of magnanimity and, of the correct balance between benevolence and discipline just as the world condones.

My blue is affected by my black. It’s something that I control and impose to the way I want people to know how I am able to live and train, to die. This is my tool to shift between the states of human consequence and those of an utterly undimensional scale.

In this medium I thrive, and through thought, perception and observation I create an object, that while absent of a real definition, keeps appearing in all the episodes of the narrative. This token, is not real. This is not a key, a tool. It’s a process of continuous construction. Critical and conscious. It ignites concepts, contemplations and creates life, intrinsically linked to death.

The concept of death is somehow conditioned by the concept of mortality and, both seem to direct our understanding to the physical end. The end of the body, the end of the presence. My blue dimensions keep me focused on the process of production, the one who is related to live learning how to die and to a definitive ambition of eternity.

How can we compare, then? How can we talk about and for the same predicaments of reality and sociality? How can we be equal in the seized opportunities to prevail, prosper and maintain continuity beyond the supposed end?

No religion can gives us answers. Not a single doctrine, definition or miraculous motivation. Just life. Life lived with the responsability of a never ending cycle of energy.

My cycle is blue. Stranded in time and space by the contemplations of a simple self.

September 12, 2021

A perda é dor? Porquê? Talvez porque não sabemos designá-la de outra forma, ou então é mesmo isso, dor. E se essa dor for como o amor: um sentimento genérico, proposto na convergência de emoções, próspero na sobreposição de estados ilusórios?

A dor da perda é real. Perder é real. Deixar de ter. Mas ter algo é diferente de ter alguém. Mesmo assim, na sua maioria, perder alguém significa que ancoramos a nossa dor no sentimento de posse ou propriedade dessa perda. Talvez seja isso que perdemos: o direito declamado de limitar o uso a alguém que tem algo nosso, e nós, algo desse alguém.

Esta manifestação da posse sentimental ou emocional é demasiado primitiva para ser entendida e aceite nos dias que correm… Baseia-se na dor, a forma mais primária de sentir, inibir, limitar, controlar, dominar, etc. que podemos reconhecer como ferramenta de uso do poder e posse. E é assim que queremos aceitar a perda? Com este tipo de dor?

Sou um insensível. Perder um ente querido é doloroso. Sentir a sua ausência no imediato não se compara sequer com a realidade do futuro, onde a amplificação da distância no tempo da perda só pode crescer.

Cala-te. Já viste bem o que é sentir a dor da perda décadas a fio?

Sem impor, quero assumir que há outras formas de sentir a perda, a ausência e a distância no tempo, pela falta de alguém.

Começa pela perda. Nunca perderei ninguém. O seu corpo, sim. A sua presença, não.

A ausência, depende da forma como a companhia se proporcionou, pois uma relação convivial pode ser também procedural. Como aquelas pessoas que completam as frases umas das outras por tão bem se conhecerem no tempo que tiveram juntas. Lembro-me e crio, ensinamentos partilhados por e com, pessoas ausentes, como se estivessem ao meu lado.

A distância depende da escala e da direção que lhe queremos aplicar. O tempo que passou desde, ou o tempo que passa enquanto, são conceitos básicos que podem ser relativos à dor. Uma perda de 20 anos pode ser entendida como completamente diferente de uma perda de 02 meses e nenhuma tem prevalência sobre outra qualquer. A nossa incapacidade em processar o tempo dessa distância, sim.

Perder alguém significa que algo é mau, porque o sentimento resultante é a dor. E se em vez da perda, a tristeza que nos invade pelo fim físico de alguém, fosse substituída pela celebração da sua vida, das suas experiências, e do seu legado herdado em nós?

Há povos que celebram a morte, discutem a ausência de forma diferente, e festejam esse fim carnal. Mas, na verdade, substituem a existência da realidade atual por uma outra, consecutiva a esta, apoiada numa mitologia qualquer, mais apropriada a este medo que nos invade e se coliga, numa única forma coletiva de ser humano.

Se há quem sofra, quem celebre, quem pare e quem avance, com tantos exemplos da forma, talvez assim se explique melhor porque sentimos a dor na perda. O que sentimos é o presságio, o futuro, numa mensagem clara e inquestionável, irrefutável e universal: também nós vamos deixar este corpo. E isso é inegociável com o instinto diário da sobrevivência.

A diferença está em quem transforma a sobrevivência em vivência e constrói o seu futuro estado de ausência, distância e perda implícita. Em quem vive a aprender a morrer.

September 10, 2021

A promise appears with life.

A breathe, then another and a loop emerges. Bounded to me, to the archaic assumptions of existence and of that possible greatness, we are defeated by a thought alone.

Sadness is the exchange we carry deep within our organs – as if air is not enough. Happiness completes the exchange system of demise – sealed inside our vascular psyche.

Still, as ignorance, as a statue, as all the symbols we follow onto a lost fray. A battle won from the losses of others. Still, we carry our self into those paradises. A sanatorium is built around us.

I’m not a warrior. I am war itself. Not fear, but fear as I am; a bearer of everything possible and, the outcome of fury and struggle. I chose to choose a side and this changes your expectation of rage. I can, as your reality, experience the observation of perception.

I was only flesh. I am not a whisperer. I will never be a human.

I am, yet a spiritum.

And so we bond, beyond the understanding of this world, unstill, until the strengths of this physical time and land.

Nothing more. Nothing. More. And death will carry the story above the ground I refuse to face.

September 7, 2021

We keep missing the opportunity to reconfigure our entire life, specifically the part connected with the way we spend our time alone.

September 7, 2021

I used to waste my time… I never had time… I have no time, to regret. I cannot live thinking about what I could have been, or how could things have been done.

Instead, I chose to be how I am today and I keep choosing this way everyday. Regret anchors you to the lowest possible outcome of any expectation you may consider as an alternative to an honest, humble and fulfilling life.

Considering the result of our decisions is a process of the utter most importance and is directly connected to the evidence of time. The closest and prior to the ignition point the better, as if it ignites past the moment of that specific action, it will be considered for sure, as regret. It’s critical to have an equilibrium about this proportion of before and after “the decision” as this tipping point can unbalance the process of self awareness, social relations and personal autonomy.

Don’t over rationalise and don’t neglect it either. Live thinking about you. Focus on ideas, people and events and deny conversations about anything except truth.

You will not regret it.

September 4, 2021

The perception can radicaly change from a different consideration and point of view but ( and there’s a big one ) I consider everyone’s jobs as essential.

The bin collector, the health worker, public servants, lawyers, economists, everyone, can have an essential part in our observation of a socially impactful job. But, ( and here comes the big one ) , people consider only the classification of that specific job while forget to consider the process embedded in course of the activity itself.

A profession and title needs to be more than only the surface of what is expected and still, we tend to oversimplify the importance of being accurate in our presumptions of the term essential. Take the global pandemic as an example, and we can for sure agree on what could be a superfluous activity and what was indispensable from our daily struggle to cope or even survive altogether.

My perception shows me how wrong we are: while I consider public health and adjacent services as essential during extremely uncertain times, I observed influencers on the rise and media consumption went abnormally high. And then there’s publicity, news and public announcements! Entertainment is in fact the self lobotomy of our times and is being delivery over the air…

Let’s put it this way: I know everything is relative and we shouldn’t impose anything to anybody but, respectfully, you are being pretty ignorant on this one if you don’t start purging current social affairs from your “timeline” and accept you instead live in a “lifeline” made of every essential molecule of our existence.

August 30, 2021

Money is the most accepted currency and happiness is the only possible state of mind.

Well then, let’s happiness be bought!

I’m sure by now people can recognise that “the life” they are living is directly connected to suppressed emotions, and fantasious events. People aspire to live in perfect scenarios, where nothing contradicts the reality of a real life. Everybody is happy, everything is the best possible, everywhere is the most exclusive and original. Entire families are painted masterpieces of canonical perfection.

These people, places and faces ( going Agnès Varda on the topic ) don’t exist.

I repeat: these people, places and faces don’t exist. This contagious way of seeing the world through the screen of a never ending happiness fantasy is not real!

Why? Because we do not erradicate parts of the human natural emotional habitat without acknowledging the consequences of the newly established unbalanced ecosystem. We are not acknowledging the lack of sustainability in training, experience and education people suffer from in this new setting of possible cultural standards. We cannot avoid anthropological arguments our ancestors carried through cultural space-time relating their habits with individual characters, collective environments and social relations.

I can understand the temptation of this life style but we are not even close to being ready for the demands ( and to a certain point the nobility ) this way of existence expects from us. I can see a real world where happiness prevails and money is not an obstacle but everything else should exist also. Sadness, melancholia, mourning, introspection are all possible too, because humans are free to feel them and no-one should impose the lack of that to anyone…

August 29, 2021

É possível mostrar a paz, a ordem e a participação pela beleza, pela contemplação e pela simples presença do indivíduo.

Na posição mais simples de um indivíduo perante todos os outros, podemos encontrar, o que podemos idealizar, ser a escala de um suprimento. A vontade individual é sempre o fator de posição individual e nunca deveria ser questionada a liberdade de escolha das coordenadas de cada um de nós. No entanto, consecutivamente, prevalece uma vontade coletiva universal em achar que falta algo aos outros para estarem naquilo que consideramos o nosso “bem”. O problema começa exatamente aqui : em porque devemos presumir que a vontade individual, na posição individual, é a falta de algo?

Se continuamos a achar que o standard é o nosso, o melhor, ou até o universal, vamos com certeza impor a esse mesmo indivíduo algo que o pode radicalizar a si próprio!

Imagine-se alguém que não concorda com algo. Pois bem, respeite-se a sua opinião, quer se aceite ou não a sua posição. O problema em relativizar as escolhas dos outros está novamente na forma como as sociedades se organizaram desde sempre, propondo identificadores comuns que se transformaram em rituais de pertença, o que levou a aceitação de standards como fatores de classificação e avaliação do indivíduo. Se não há um reconhecimento do indivíduo no coletivo este não nos pertence. Se o indivíduo quer pertencer há exigências de base para a sua avaliação.

Podemos discutir a segurança ( a desse indivíduo e a de todos os outros caso a sua posição seja agressiva ) mas mesmo assim a força da autoridade e do poder judicial ao punir, vai com fracas chances de reabilitar, e o problema de base mantém-se : é imposta uma posição que não a individual.

Outro exemplo, pode ser o de ensinar uma criança a usar uma bicicleta, o que implica um humano capaz de informar a função correta e não a forma da competência mecânica motriz. A técnica é uma competência adquirida pela destreza e como tal independente de um racional individual, onde a “prática” da atividade exige uma posição do indivíduo perante os outros. Posso até ir mais longe e afirmar que de nada servem as regras de trânsito implícitas na competência da atividade, se a criança não se sabe contextualizar perante o seu cumprimento e em alguns casos a sua correta manipulação. Pernicioso, eu sei, mas a diferença entre um humano passivo e cumpridor e um ser ativo e possivelmente manipulador.

Os valores mais elementares da nossa existência foram evoluindo de algo orgânico, procedural e estranhamente universal ( mesmo em extremos do planeta há paralelismos nas civilizações mais relatadas ) para algoritmos antropológicos rígidos e extremamente condicionantes. O uso do telemóvel é o exemplo mais recente desta forma de estabilização na sociedade pelos valores mais interessantes a promover por entidades a quem não interessa a posição individual mas a massa coletiva social, dócil e conformada. O telemóvel é o veículo, a ferramenta e a manifestação da dependência clara de entidades normalizadoras que suprem a necessidade da posição individual com propostas de posição coletiva.

A maioria prevalece neste estado débil, atrofiante e decadente. Vivem na pútrida conquista dos outros e chafurdam felizes com isso nas suas vidas ausentes.

A apatia dos resignados é pois consternante. As oportunidades perdidas seguem-se imediatamente a qualquer tentativa de manter o estado das coisas no conforto do passado. O futuro fica condicionado ao acaso, ou à força da imposição de algo novo, nem sempre melhor.

Capitalismo, socialismo, e outros ismos que tais, trouxeram a obrigação coletiva para o dia a dia da mediocridade, sem que com isso, aproveitassem a posição individual como a alavanca para o progresso, a prosperidade e a evolução da cultura humana. Duvido até que se mantenha equilibrada a relação das pessoas com os seus objetos, implicando desta forma uma subserviência do ser à tecnologia inimaginável até há bem poucos anos atrás. Mesmo no início da industrialização, o bucólico, a nostalgia e a própria interpretação da vida podiam ser relacionadas com a forma como o indivíduo queria participar do prosperidade económica comum ( apesar de rapidamente convencidos do contrário pelos valores económicos das sociedades ocidentais ). Era interessante ver a deslocação individual para o local coletivo na tentativa de participar na construção de uma vida melhor, e nós como oportunistas que somos, perdemos todas as possíveis em melhorar efetivamente a linha da história.

Será mesmo que sim? Será que a minha expetativa do melhor é de tal ordem contaminada com uma visão fantasiada do bem, que me esqueço que há perda, fracasso e sofrimento em tudo que nos rodeia? Será que estou mais uma vez a contemplar o universo perfeito e erro como todos antes de mim? É fácil justificar o estado das coisas com analogias naturais, com utopias e fantasias literárias, dramáticas e até litúrgicas, mas relativizar e aceitar tudo? Nem pensar!

Consigo, tal como vem sendo provado pelos eruditos clássicos, extrapolar desde a minha excentricidade um conjunto de argumentos e coordenadas que serão considerados basilares, muito antes de uma carta universal dos direitos humanos. É possível encontrar este código em cada um de nós, só temos que melhorar o acesso e praticar a norma.

Praticar a “norma”, e voltamos à estaca zero…! Ao zero não, mas a hipótese de reset, de reposicionamento, de repensar caso a caso, é algo que nos foge sempre que é preciso que alguém escreva sobre a mais elementar premissa da nossa existência: o indivíduo.

August 27, 2021

O amor é uma desculpa filosófica: há quem saiba como se traduz e há quem viva num conceito banal. De todos os tipos manifestados em texto e imagem só um me deixa curioso ( além dos constantes ensaios sobre a sua possível tradução ) e ainda hoje me leva tempo a enquadrar o cenário: o amor pa/maternal.

Será mesmo “amor”, tanto quanto uma gata cuida das suas crias? Será responsabilidade, preservação e continuidade, mascarados das formas mais humanas possíveis, com narrativas emocionais de apego e carinho misturadas com a realidade da sobrevivência? Será que assim, racionalizando a ligação familiar direta, se explica porque há relações familiares falhadas?

Em todos os outros “tipos” há uma racionalidade implícita, imposta, traumática ou de grande desejo, mas na relações dos progenitores com a prole, o tema vai além do comportamento imposto/proposto.

Começa pela própria relação dos progenitores, onde o cenário é cada vez mais abrangente e sugestivo, dentro dos limites da procriação e da criação de um ambiente familiar, o que implica uma posição cada vez mais ampla para a condução de uma família além do ímpeto da procriação.

Talvez puro egoísmo, ou até puro altruísmo, ainda não me decidi… nem tenho que o fazer! Cada um faz o que a sociedade permite, pela sua própria interpretação da relação biológica entre a vontade pessoal em querer ter descendência e a missão biológica reprodutiva. Reproduzir é para mim um termo odioso, onde por definição existe uma tentativa de impor um feitio desde a base. Até se buscam parecenças! E que as há, há, mas daí a serem procuradas como sinal de sucesso… Há ainda quem o faça por acolhimento, entrando no espectro do altruísmo pela beneficência, solidariedade e humanidade. Quem o faz teologicamente pode ou não ser sucedido.

Então, em que penso quando penso no amor? Penso na beleza do seu silêncio. Deixo-me inundar pela sua presença e não o tento explicar. Evito até pensar e sigo o caminho proposto até ao céu mais próximo… Pois… Isto é exatamente o que não faço em todas as minhas experiências com expetativa de definição do termo amor…

Talvez um filho mude a minha visão do tal amor, mas até lá, reproduzir é uma responsabilidade que terei somente em preparar-me para acolher a nossa decisão, até porque não estou sozinho nesta equação!

August 26, 2021

Ter que dizer que se gosta, é ter que aprender a gostar. Apreciar o que se gosta é sempre muito melhor quando não exige algo público. Sem serem precisos segredos mas também, sem nada menos do que essa cumplicidade natural que nutre uma relação com esse tipo de gostar.

August 22, 2021

I

O Porto é alto, mas habitou-se a viver da baixa. Do centro, da praça, da avenida, do evento. Este local mais propício, era até à pouco tempo a única forma que o Porto tinha de se ver a si. Quase se pode pensar que não havia mais nada em redor, que a cidade era aquele local obrigatório, para onde se apontava quando se queria “… ir ao Porto“.

Quem lá estava, sabia que não era assim: sabia que haviam bairros e locais, zonas e outros sítios que tais, meandros e uma cidade inteira em redor mas talvez, a passar uma fase atípica – para cidade está claro. Entretanto, tudo isso mudou, tudo, exceto a visão das gentes de sempre, essa ficou. A que mais interessava passar, e passar para as gentes de fora, sim, avançou. Foi decidido e o Porto deserto do pico dos 90 deu lugar a uma cidade conhecida, rejuvenescida, oportunista e mais aberta à que se sabia até, de si mesma.

O Porto cresceu para fora da baixa mas ainda não se assumiu totalmente assim. Começou por abrir o milénio a apostar numa reformulação do seu desenho de rua, da sua praça e até a abusar do seu próprio material fundacional. Caiu no tema do ícone, e foi atrás da estrela que trazia muita dívida. Deste Porto 2001 só sobra a Casa da Música para muita gente, mas é preciso reconhecer que o ímpeto de mudança e a vontade portuense foi orgulhosamente posta a nu. Na década de 10, com todas as políticas e contas que se seguiram ( e quase até aos dias de hoje ), os verbos planear, investir e comunicar foram os escolhidos para ser mais fácil outro verbo, reabilitar. Foi assim que eixos programáticos como as indústrias criativas e o turismo, como a fixação de empresas ligadas aos serviços e dedicadas a estabilizar a ponte com o sector produtivo da região norte, foram o motor desta nova máquina de mostrar a cidade. A cultura, na forma particular de aceitar uma visão global, integradora e potencial, foi a lubrificação necessária e assim prevaleceu.

O que vemos por agora já não é evolução, é um ponto de grande mudança. Para mim é visível quase ao ponto de uma revolução, ( bem necessária digo eu ), e da qual podemos realmente aproveitar o ímpeto. Nem todos gostam do termo, eu percebo a nostalgia, mas a ontologia que proponho é sempre a da noção pacifista da definição e perfeitamente ao alcance de todos. Revolução é o que falta, e foi o que faltou fazer até aqui, mas o tempo é agora.

Então como posso aludir ao que foi feito e achar que foi por bem e agora querer revolucionar tudo isso de novo? Por contradição, oposição, escárnio? Nada disso, tudo tem o seu contexto e o meu respeito pelo que foi bem feito e devidamente implementado, mantém-se. O resto, repudio pelos canais oficiais, os institucionais e devidamente intitulados. No Porto, desde que estejam sempre bem feitas as contas o assunto tem gente. O resto é perder tempo. Comigo também é assim. Zás.

Pontos certos, avanço para este tempo revigorado da “revolução”. Revolucionar e evoluir são termos semelhantes, não são idênticos mas ambos demostram movimento. Isso por si só interessa-me, em como evoluir de novo a visão que temos desta cidade, agora com a intensidade de uma revolução. Muito se fala em mudar mas isso não chega, precisamos certamente de um placebo mais forte, quem sabe, até de um simples ato de coragem que nos dê a certeza e nos dê massa crítica coesa na progressão.

II

O Porto alto é o porto das torres, das encostas, dos miradouros e das pontes. Esta, é a cota do Porto que vemos de cima ao aterrar, que vemos rasante quando entramos por uma qualquer ponte. É uma visão que ainda não tem baixa e que muitos procuram alcançar, e é fácil perceber porque tantos a querem ter. É assim que se vê a majestosa elegância de um rio, que em tanto tempo ousou desenhar as margens perfeitas, só para o homem se deter a ver como ele encontra o mar. Este Porto ainda está por mostrar e só precisa de ajuda para se permitir descobrir mas, é bom pensar em como é que a cidade inteira se pode abrir. A cidade não precisa de mais limites, condições ou barreiras, mas de um nova linha, fluída, que dança com a fenda cravada pela água, que ora divide o pessimismo ou une os otimistas.

Sortudos os pássaros, que chegam do mar com o sol por trás. Trazem consigo a maresia e a vista da ponte. Com a Afurada numa asa entram pela Arrábida de rompante. Seguem Massarelos até onde a Alfândega se postra calma e dominante, e atracam em Miragaia já com a vista nos rabelos parados no cais de lá. Afinal, há mais uma, enquadrada com outra ainda mais, e há mais! Dom Luís e Infante são o panorama interior desta entrada no Douro, onde (ainda) a pacata Dona Maria se mostra aos poucos, alta, no pilar. Há planos para mais uma baixa, antes de encontrarmos a última, mas esta história ainda está por contar. Por agora do Areinho olhamos para o Freixo, e sentimos o peso a flectir sobre a maior, a de São João, onde o voo de quem chega é alto e ritmado a ferro pelo caminho a ganhar.

Esta alusão a rotas e percursos, guias e outros enfeites turísticos à parte, é pobre, mas é de onde partimos para podermos falar sobre cotas e circuitos possíveis de criar. Há diversas oportunidades por aproveitar, por explorar e que o raciocínio urbanístico e paisagístico tem que saber criar. A mobilidade é uma realidade em franca definição no território da cidade e merece o seu devido valor reconhecido na imagem da cidade e no conforto dos seus habitantes.

Território paisagem, sim mas património também é vista, percurso e deambulação. São por consequência história que se percorre, exaltando ponto a ponto os diferentes tempos, os diferentes símbolos do orgulho, da cidade e da região, e aqui, podemos afirmar a tal sustentabilidade do amanhã : o turismo dos bares e dos hotéis pode ser copiado em qualquer ponto do mundo mas o genius loci permanece intocável, sem hipótese de replicação.

III

Duas novas pontes, uma alta e uma baixa. Vão ajudar na circulação entre cotas do rio e das encostas, mas não são por si a solução definitiva para a ligação entre dois territórios que mais do que se completam, estão em constante competição.

A ponte automóvel ( baixa, junto ao Areinho ) pode equilibrar a ligação da cota peão ao território a sul e assim fazer tanto pelo trânsito como pela transição para uma cidade sem carros. Os pontos de deambulação, vista e interesse patrimonial são suficientes para que ( até pela enquadramento solar favorável ) se possa olhar para as encostas norte e para toda a sua história marcada na pedra. Surge assim a oportunidade da recuperação das encostas das Fontaínhas, da ponte D. Maria, do corredor ciclavel da linha da Alfândega, e outras hipóteses de derivas menos conhecidas mas facilmente sinalizáveis. Este percurso, até agora sem possibilidade de loop, vai criar o primeiro anel de vistas patrimonial do Porto e Gaia e devia ser sinalizado imediatamente. A possibilidade de ligar o território entre cotas, com suavidade e mobilidade pedonal é um exercício de futuro para a deambulação segura, saudável e sustentável da(s) cidade(s).

A ponte do metro ( alta, junto a Massarelos ) é isso mesmo, uma ponte dedicada ao metro. Espero que tenha perfil misto, com aproveitamento pedonal e ciclovia, por forma a fechar o loop suave acima descrito. No entanto, é importante perceber que o mais importante nesta ponte é a possibilidade de assumir a cota alta do Porto, como uma continuidade da cidade da Baixa. É a cota que falta desenvolver apesar dos esforços de dispersão de interesses ( principalmente culturais ) pelos territórios próximos do centro.

Símbolos como os de 90, tentam impingir a sua validade atrativa além da sua relevância cultural e a proposta para o Matadouro desenvolve a mesma simbologia. Imaginem que em vez de o mui discutível investimento num novo equipamento(?), passamos a ter o mesmo valor investido num sistema patrimonial alavancado pelo território paisagem? Este sistema já existe informalmente. E em parte reconhecido pela UNESCO. Imaginem que em vez de um sítio novo e artificial avançamos com uma ideia, política de deambulação, deriva e fruição de uma cidade andante, como são o Porto e Gaia. Imaginem só que imagem passamos para o interior e para o exterior; os carros que evitamos com corredores, alamedas e vias assentes na mobilidade, seja ela mais ou menos suave; as pessoas! sim as pessoas que vamos captar para esta forma simples de andar, deslocar e apreciar; a vida nova.

IV

Este é o tempo de sobrevoar o rio entre pontes imaginadas. As ligações etno biográficas dos territórios num antropologia sistémica de cariz cultural. É fácil usar esta marca da paisagem na paisagem e a favor da paisagem. É incontestável a sustentabilidade de uma solução plausível a partir do património erigido e como tal adquirido pela população. As pontes são oportunidades claras de ligação entre a fisicalidade geo política da cidade mas acima de tudo entre a arte e o engenho em gerar uma forma de estar com o futuro.

Na prática bastam umas rotas, numeradas, classificadas e impecavelmente mantidas. Circulares, sobrepostas e integradas num sistema de mobilidade, intermodalidade e fluxos orgânicos entre residentes e visitantes.

IV

E que tal PDM?

August 17, 2021

Se até a hipocrisia está em crise, vamos ter que lidar com a realidade em breve. Evitar este mundo real implica distanciar a percepção da observação e, em todo o caso, assumir a ausência da holística como modo.

A percepção, a observação e a holística são os factores essenciais para a consolidação do conhecimento sobre a vida real, a presença e a existência.

Entendimento e compreensão sairão assim da crise! Talvez a seguir o mesmo aconteça com a humanidade.

August 16, 2021

Decidi escrever mesmo não sendo preciso. Caso seja, a tua mãe vai ajudar a traduzir o que te digo por mim.

O mundo como eu o vejo mudou. Assim será para todos, sem fim. Desde atrás, quem me segue foi seguido, e até tu, terás que seguir por ti, assim.

Primeiro vais estranhar, mas como eu, depois, vais gostar. Para isso basta olhar um espelho e perceber, que a imagem se reflete a ti, e ao teu lugar.

Pensa: essa imagem que olhas agora já passou, e só no tempo que demorou a ser vista! Podes usar esse espelho para ver o passado mas a única imagem do presente é a que tu emites pela tua existência.

Foca: a tua posição nesse engenho, pois o resto é futuro e só precisa que olhes para além desse espaço, dentro e fora dos limites que tens em frente.

Mesmo o que te digo tão certo, precisa que penses por ti. Podes entender o que digo e saber onde não estou, mas tem sempre presente, que não me estou a impor, e assim perceber melhor como me foi possível pensar com dor. Podes dominar a tua vontade, sobre o que queres ser teu, desde que nunca ignores a tua influência que tens, da terra ao céu.

És e serás feito do que tu quiseres ser, e aceita só, que há em ti um pouco do que me fez a mim quem sou. Esse é o único legado, que terás que assumir como provado, e nada mais meu te obriga a viver condicionado. Mesmo esta carta que agora lês, é um exemplo da tua vontade em ler, e não da minha vontade em ser lido, como vês.

Vai, aprende a vida na certeza que dar é também a certeza de um fim, seja teu ou de alguém perto de ti. Aproveita o mais que quiseres e como eu tentei, deixa o teu melhor para os outros, que eles vivem bem melhor assim.

Nesta carta carrego a inquietude de tudo por descobrir, e a ti, só ouso perguntar: que mundos ainda te faltam abrir…? Por essas paragens caminhamos juntos, mesmo ausentes, pois aí está o meu mundo, e tu, só te cabe ser quem és por ti.

Também tu és vontade, que eleita entre tantas outras, quis ser verdade. És real, pela tua mãe e por mim. Sem acaso, nem nada que se pareça, és a nossa manifesta certeza em que algo aconteça.

Acarinha a tua mãe, a quem te peço que cuides como a fonte de um amor eterno.

Vive e sente viver, pois só assim saberás como eu, um dia, ter esta vontade que tenho em te escrever.

August 14, 2021

Portugal está a inverter a famosa balança comercial há já algum tempo, onde a exportação tem um valor maior do que a importação. Assim ditam as regras de uma economia próspera e eficaz com relevo na otimização do sector energético. Nesta equação simples, a prosperidade económica tem como principal indicador a matéria, o produto e a transação, como um balanço feito entre o acto da compra e o acto da venda ( descrição leiga ).

Exportar é um desejo económico.
Geralmente sobre bens, transacionáveis, e identificados em várias tabelas compostas por indicadores e variações, influenciando o valor do bem, desde a origem até ao destino. Para o valor real nacional é considerado na origem o custo da extração, da transformação, da produção. Há também o custo da distribuição, aos quais são depois adicionadas impostos e taxas, consoante a sua posição pautal e decorrente de classificações como a de Nice. Há ainda outros tipos de majorações possíveis, tais como sanções entre mercados, sempre consideradas como penalizadoras do valor inicial, bem como inúmeros acordos específicos regionais, aplicados no destino. Um sistema complexo na perspetiva do custo, mas muito simples na aplicação da taxa.

Portugal, tem uma forte indústria de extração, transformação e produção de quadros superiores, licenciados e académicos dos segundo e terceiro ciclo de estudos. São geralmente provenientes das instituições de ensino público, com o impacto conhecido no orçamento da educação e por consequência, na nossa economia. Há investimento real na extração deste tipo de recursos, com a devida transformação financiada em cada unidade particular. Melhores ou piores não é o interesse nesta matéria pois, procura-se principalmente extrair recursos aptos ( o que podemos considerar a maior parte ). A obtenção deste recurso apto é a grande missão coletiva desta indústria transformadora, não fosse essa a única preocupação que a procura identifica, neste mercado claramente regulado. Por fim, geralmente, para o mercado o diploma basta; a proveniência, já não interessa tanto.

A distribuição, neste caso para o exterior ( seja lá onde isso seja ), para onde normalmente existe capacidade de consumo do recurso, é bastante simples: a partir das politicas transitárias europeias, dos acordos internacionais de acolhimento, ou até do simples acesso a praticamente qualquer território que o passaporte nacional proporciona, os recursos podem ser localmente aplicados. São na sua maioria acolhidos com uma boa taxa de sucesso, em contraste com o território português onde os recursos abundam e o mercado está saturado, e logicamente sem qualquer capacidade de absorção de excedentes.

O mercado de origem não tem então capacidade de absorção total e os mercados exteriores continuam a receber recursos, e desde que aptos, são colocados.

Podemos falar de sobre produção mas, será esse o caso na educação? Existe produção a mais ou unidades produtivas sem critério? Outra conversa com certeza, pois o que interessa afirmar é que esta saturação implica variações no recurso, adaptações contextuais, ajustes impossíveis de imaginar num quadro formativo académico e dá azo a novas estirpes sobejamente conhecidas ( precários, inadaptados, geração isto, geração aquilo … ). Mas não será também nestas mutações virais que surgem novas oportunidades e desafios completamente imprevistos? Ficamos por aqui.

De volta à análise de valor, deste ponto surgem duas hipóteses:
01. a depreciação do recurso extraído
02. a exportação do excedente.
01. a depreciação por sua vez decompõe-se em extinção, usurpação e até canibalização do valor do recurso.
02. a exportação, e visto que não é na sua maioria uma atividade regulada, implica o prejuízo direto de todos os esforços de extração, transformação e distribuição que a política de investimento na educação precisou.

Ou seja, se há recursos ( incluindo os custos facilmente identificáveis ) que “saem” sem taxa para o exterior ( ausentes de classificação pautal e designação de exportação ) e sem relação com possíveis proveitos ( presentes ou futuros ), há um indicador económico com falhas na sua análise, a famosa balança comercial. Simplifico, na saída do recurso como equacionamos o prejuízo tido na sua extração? Há algum tipo de retorno previsto?

Os dados não são limpos ao ponto da leitura e do conhecimento dos critérios de micro escala, os quais, mais ou menos relevantes ( não sabemos ) parecem indicar que há um possível problema na análise da matéria. Se, para efeitos da dita simplificação, nomearmos este recurso como “talento”, não temos ideia do impacto económico que a “exportação” ( espontânea ;)) deste recurso tem para nós. A emigração pode considerar a formação mas não considera nenhum valor individual ( e ainda bem que os tempos de preço por cabeça já não voltam ) mas também não consideram a especificidade da origem das remessas. Ou seja, podemos defender que o valor de custo pode ser amortizado na leitura da remessa, mas não há dados ( e bem, pelo direito à privacidade como forma de regulação comparativa entre recursos ) sobre essa possível amortização.

E isto interessa? É assim tão importante definir os limites da nacionalidade para a distribuição de qualquer “riqueza” científica para além das fronteiras económicas e políticas de uma região? Não fosse o sistema capitalista e não, não interessava para nada; haveria somente um bem universal, sem possibilidade de transação e propriedade, e que seria de acesso livre para qualquer tipo de transformação adicional, pessoal ou coletiva.

Mas para muitos é aqui que surge um novo dilema: como garantir os direitos de base à origem… ? E voltamos de novo ao sistema atual, onde a resposta ( económica ) é dada pela identificação da origem e classificação do bem pela proveniência, neste caso, académica. Esta atitude endémica garante que inúmeros sistemas se relacionem e consolidem dependências onde só interessa a extração, transformação e produção de recursos. É um mega sistema, fechado, apoiado no financiamento público, com múltiplas dependências e interesses privados, que se rege por objetivos tão simples como o ratio entre o número provável de diplomas e o número possível de vagas preenchidas. É mais fácil de perceber o impacto negativo para o ecossistema científico e cultural da humanidade, se compararmos este processo com a famosa indústria da carne…! Há paralelismo entre a poluição e o uso da água que o consumo da carne implica, pela sua escala de produção industrial global ( gerando resíduo, desperdício e excedente ao ponto da exportação desvalorizada ) e, a constante produção de recursos humanos altamente especializados pelas academias e instituições de ensino superior. Somos obrigados a exportar! A qualquer custo, seja por iniciativa do produtor de carne, seja pela necessidade básica de subsistência do recurso científico extraído no tal sistema fechado.

Foram várias as tentativas de mitigação deste fenómeno, das quais me recordo das campanhas de captação de capital aos emigrantes, políticas de retorno e até repatriamento aos necessitados, mas também das campanhas locais de tentação aos recursos de outras paragens, assentes na ideia de inversão deste processo de exportação de talento nacional, para que esses externos se instalem e participem na economia local. Resultado prático: ondas migratórias, geralmente associadas a fenómenos políticos e consequentemente económicos, sem qualquer tipo de impacto visível para nada que não a tal perda de recursos nacionais especializados para outras paragens. E porque raio isso é uma perda? É assim tão mau formar alguém num sítio e que depois, vai trabalhar noutro lugar?

Sempre em movimento, a economia não permite parar para perceber o que realmente interessa, no entanto, encontramos termos como reter ou deter, e que parecem regular um sentimento de posse completamente obsoleto. No entanto, são estes quasi princípios que se mantêm presentes nesta forma de manter o sistema em competição, comparação e lucro. Esta mesma forma de quantificar e qualificar o que é nacional, evitando a noção de global é afinal a grande diferença de base etimológica que pretendo sinalizar.

O recurso e o seu valor podem ser relativizados em muitos factores mas nenhum é tão relevante como o custo. Podemos falar do seu valor científico é certo mas, geralmente, esse assunto é renegado para a ( elite ) do terceiro ciclo de estudos, onde a investigação, a associação e a agregação à instituição de ensino, são ainda formas de promover o grau de pureza e concentração endémica verificável pela proveniência. O valor do recurso não é assim definido pela sua capacidade de produção implícita. Um engenheiro produz riqueza, e desde que o mesmo seja apto, vai continuar a produzir independentemente do local onde pratica a sua profissão especializada. O seu talento só vai depender da sua possibilidade de colaboração, ou seja do local onde pratica a sua profissão.

A proposta que falta discutir é a que assenta na participação distribuída do ensino académico como um custo de extração dedicado à humanidade e indiferente do capital regional ( e portanto relativo ) o que estabilizaria as bases de construção comum de uma sociedade global perfeitamente equilibrada. Percebo que para alguns esta normalização pode gerar perniciosas dominâncias ideológicas, mas será sempre um factor a considerar na perspetiva do acesso e da defesa de direitos universais para os os primeiros e segundo ciclos de estudos. Há processos a decorrer com vista a atingir esta bitola, mas as dinâmicas de ranking e captação de valor financeiro destacam certas instituições exatamente para vertente do acesso limitado e da formação de elites endémicas sem valor real aplicável à sociedade ( salvo muito raras exceções ).

O mal não está em exportar talento, está em não saber o que a palavra implica em quem se exporta e sobretudo em quem acha que o melhor termo para a construção colaborativo do futuro da humanidade é um ideal capitalista.

Exportar é um termo colonizado que interessa repensar.

August 12, 2021

Technology, isn’t the topic. Human behaviour is.

What to debate in a reward/cost predicament? Personal reward or collective cost?

What’s the motivation on destroying by excluding the long term vision?

Economists should learn from religions on how to force belief and stimulating responsability.

August 10, 2021

Why, do people, steer away, from simplicity? Why…?

As a general struggle to even understand the definition, (by expecting) for people to thrive on simplicity requires a different type of approach: may it be on the analytic observation of the phenomena, may it be on the proposition of my perception on the topic.

For a start, one can deduce that simplicity is not achieved or overcome; is not a stage in a proven methodical doctrine or a designated step in a innocuous improvement program; is not a synonym of a minimal, scarce or thrift way to include some kind of conscious conduct in the most erect way of being socially aware ( “anti-social” may well be the unapologetic terminology to the contemporary inversion of values in this preposition, specifically for the mob society but, this is rather off topic for the moment ). Simplicity can be deduced from the behavioural set of values people practice daily, routinely and almost unconsciously, as in the organic practice of an identifiable attitude without internal effort or exterior pressure and rather, dealing with the autonomous responsibility to be an individual part of a group, in any known or unknown environment.

There are more environments in which simplicity can be mistaken because of the approach. The observation says that simplicity is the shortest path to the solution, but the perception negates the comfort of what a full blown process can induce in our professional minds. Some say: if we need to take down the rules to achieve the result we must. But I question: where’s the sustainability in that rather simple escapist decision? I am not saying that vertical organisations are always predictable, or bad, and that here and there, a shortcut is not the key… I’m just saying that people are not ready to live in a pseudo horizontal relational schematic and temporary flowchart, that is in reality, a poli directional, omni directional or even directionally absent system! Directors, leaders, managers, captains and sergeants, are not ready to endure in this ecosystem because the mob does not know how to perdure in this kind of ethical simplicity. Work, ( labour wise… ), can be seen as an affront to simplicity, because its currently embed in so much capitalist, racist and egotistic politics that everything around it is simply inexistent as a product of good, prosperous and sustainable practices. Money should not be the problem also, but since it was morphed from a token of a respectful exchange into the fuel of our political control and anthropological happiness, everything collapsed into present day society.

Large companies are complex professional graveyards but they are not the enemy, or even the cause, for this generalised lack of simplicity. People are. The same ones that apply to, and dream of, about the type of life that those professional choices can inflict into others. This games of want to have, by any means, and always better than anyone around me, only reasons waste, acclamation and destructive comparative behaviours. Its easy to feel tempted by the way of life of a few; its easy to forget the real satisfactory and complex way of rewarding life with richness and not wealth; its really easy to forget that we are not able to be alone for a necessary amount of time in order to sense the world around us; its easy to stop engaging with people because we think we are connected; its easy to forget to practice and evolve a set of values that we must consider as insufficient for the next generation to cycle to; its easy to elaborate on complexity.

Once i said: Once I said that : the secret of simplicity is living with the essential ; but now I have to evolve that into : the essential simplicity is living truthfully. I guess this is an ongoing quest! There is no secret for simplicity. Simplicity does not need a definition, or a consideration. Simplicity is existence, in the most profitable form possible, without any type of currency attached than human progression, in any field or medium. I guess I cannot escape the predicament to it either as I keep pushing “definitions” for something that cannot be described without being lived…

In my common places I always find excuses for people in the lack of training, and therefore, absent positioning they suffer from. Also, and near this range of semantics, I can find myself searching for sets of values, ethics and even aesthetics to sustain a possible “cure”. Simplicity shows me that I do not need do to so. I can simply try to describe my position, relative to my life and how it can modulate by influence the presence I have as an existing body of thought and responsibility.

In this lack of definition I endure.

PS I chose to not discuss familiar and amorous relations in this context, and focus on social and professional environments, due to ongoing works in both fields

August 8, 2021

How can there be finesse in exuberance?

August 5, 2021

A man, a thinker, a writer, a poet, should always be a man of his own time.

Neglecting to acknowledge this, can disturb the peace of mind one need to observe and percept it’s surroundings. By no means I am imposing a topic as only being relevant if it reflects the characteristics of social space and time, but rather I am proposing that one should intent to broaden the range of argument to surpass all possible dimensions of intelligibility.

August 4, 2021

In this day and age, this is a practice made available for all. It does not depend on race, creed or any specificity whatsoever. Everybody, everything can be a topic or, a target.

Targeted humiliation is just the manifest inability to process our own demise. People practice this in order to purge the mediocre mechanism of reality as a dimension of life. To cope, is not even a possibility for these absent and abject behaviours of those so called humans.

Humiliation is not a constructive term and while deriving from the same root as humility it presents itself in the far end of the productive spectrum. Humility is yet another shameful definition on how to poorly know one self. It brings some kind of theological burden attached, that makes my heart to want to depart from the definitive application of the concept.

Shame, as another product of this equation, stays foot in the immediate ground made recognisable by the debris of the application of this mechanism. Yet again a highly charged definition with theological connotations adding to the otherwise unrelated boundaries of punishment and offence.

I’m getting traumatised by the intended, mischievous and direct use of these social emotions. Even good honest people, trained in human reality and participating in some kind of advancements in our anthropologic story produces measurable amounts of this contagious and almost invisible particle. It takes shape in deeds, comments and specifically in written form (social writings are the preferred embodiment of this behaviour). Likes, are particularly harmful.

People stopped having the decency to restrain themselves for opinioning about other people’s life. This made available a range of inspirational evil only comparable to the most divergent belief in humanity we could have ever fantasied to exist.

Since this is real, happening for ever as history can relate, and continuously evolving into more refined ways of exposing itself as an alternative to exceptional and elegant conviviality I can therefore request for us to stop and reposition perception training.

I suggest for us to go back to the primordial soup and season it correctly, this time with the hability to have learned from observed experience.

August 4, 2021

I’m not enough for me.

Motivational consistency, continuous improvement, content indexing and archival, and evolutionary analysis are some of the aspects I have a great difficulty to put in a routinely sequence.

I can say I am at my best dealing with newly found challenges, individual or group based, but rather soon in the process I loose my interest and deter myself from continuing.

I am an established igniter, with a respectable drive on critical analysis and on kick-starting anything. I guess it has to do mostly with curiosity, mine; or maybe some kind of feline way of being stimulated in order to maintain the agression levels of my territory well kept. Nonetheless, this happens, I loose interest, and I get bored.

What happens afterwards this state of boredom can range from bursts of creativity (using the common definition of creating something new), enhanced will power, wide group influencing (known and unknown stakeholders) and even procedural revolutions organically changing at least one methodological factor in the process.

I’m not a bad finisher either, but there’s always so much human factors involved that I keep juggling two arguments in my mind in a way to motivate myself to maintain my sanity:

01. I’m not a team player and I find excuses to “end” my participation as soon as people’s start deriving into entropy from the initial propositions (maybe this is an expected behaviour and I’m not able to deal with that decaying scenario and accept that it happens at all levels)

02. I’m balancing a state of quantum social positioning in which I keep a system lubricated by feeding myself with the difficult beginning while I am at the same time expecting to trust to the specialists the time and space expected for them to achieve the “ends” ((the results are surprisingly (and exponentially) increasing in quality, the further I take my ability to keep a safe distance from my natural way of accept the opinion of others out of the equation and, by influencing everything around those “ends” with my next … initial energy! 😉

This indents the second argument in arrogance, ego, vision, talent, power, experience, and so many more meta definitions of restlessness that only a profound self knowledge about intention, ambition and beauty, can help. This can also be seen as an almost closed system, almost a loop, but cyclically forwarding my choices at a lower and lower rate of my own energy. Still, I can say it started with a large amount of it, despite being inversely visible to the quality of the result at higher and higher rates.

This autonomous body of work, and experience is a system of insufficient creation. The beginnings and the multiple ends are continuously connected to one another and appear to have a respectful eternal insatisfaction attached. The process thrives on entropy and honest retribution, analytically conducting more and more unknowns into the core of combustion and still, it is achieving the state of a cristal, in which the transformation quietly expends no visible energy of mine to occur.

However, I wish I had time to learn how to stop and rest, only to know how much more I could do if, I was sufficient for you.

August 3, 2021

What’s the last thing you remember saying to yourself?

July 30, 2021

Um processo longo de auto reflexão. Dificilmente isento e claramente dependente da aceitação do pressuposto ambiental da influência direta. Culturalmente penoso, socialmente ignóbil, mas é assim que registo um percurso onde passei uma década sem ler.

Agora sei porque o fiz, e mantenho a minha escolha, quando descubro vezes sem conta, que orbito na erudição de tantos outros, como se a estivesse destinado a encontrar.

Sociedade, academia, campos específicos da arte, da cultura e das minhas práticas profissionais vão ser invocadas em diversos momentos num conjunto de pontos que reservei para a segunda parte da minha carreira ( a primeira parte foi dedicada a garantir a existência da segunda … )

Títulos e especializações, formações e participações, recolhidos no critério que está definido nas regras deste jogo secular. O tempo ocidental define qual o acesso, o desenvolvimento e a melhor aplicação para praticamente todos os campos de interesse. Com especial atenção para certos campos, onde a manifestação deste ecossistema de propagação global tem maior impacto.

E foi assim que escolhi seguir o caminho do terceiro ciclo, estudando de dentro para fora o que sei ser necessário descolonizar. Improvável?! Surpreendente?! Ou a delação suprema do sistema ocidental? Daqui a uns 3 ou 4 anos eu conto como foi.

July 29, 2021

Vivemos onde, no mesmo sítio que se fala da falta, se vende o excesso; onde, sinalizada a fome, a doença e a morte, permanece o egoísmo, a fantasia e o vício. A sociedade como sistema não tem mais surpresas, pelo menos daquelas que julgamos nem sequer existir e no final, são a rotina de todos, sem exceção.

Vivo e falo por mim, e mesmo assim, junto-me às regras do jogo para poder deixar algo melhor para alguém.

A mudança já não chega, revolução é temporária, violência nunca foi solução. É preciso uma nova posição.

Treinem.

July 26, 2021

O significado da palavra sacrifício está demasiado conotado com a noção de punição, perda e até morte. Ninguém está disposto a largar, afrouxar e até renunciar o que acha que é sei por direito, mesmo que não tenha sido adquirido ( excluo desta missiva a noção de comparação ou até perda sobre qualquer direito fundamental ).

Todos se acham no direito de copiar acefalamente o próximo, progredindo assim o campo de evolução humana, em valores negativos. Educa-se o atalho, sem sequer equacionar o seu possível contexto erudito. Praticam o desprestígio de si próprios através da negação da individualidade, da coletividade participativa e dos valores dedicados à ( extinção da ) antropologia social e cultural. Vivem numa etnografia global, descartável e efémera, no entanto extremamente eficaz e gratificante. São felizes!

Poucos ( pois ninguém é exagero) estão disposto a procurar o sacrifício. O termo, aqui, não implica punição nem sofrimento: só altruísmo, entrega, estudo, posição. Investigando ligeiramente, atingimos uma parte do significado incluído num outro termo que me diz muito: abnegação. Para muitos, até já é demasiado, parece quase nobre, mas mesmo assim não o praticam e como tal caem no vício da falta de sacrifício.

Pais não se sacrificam pelos filhos, no tempo, responsabilidade e dedicação que lhes é exigido, por quem não escolheu vir ao mundo. Filhos seguem os pais, obviamente, e são na maioria a sua imagem fiel. Incluamos grupos, associações, governos, países e entidades mais ou menos globais, onde prevalece o capitalista, o ausente, o egoísta resignado com o seu próximo consumo. A propagação é global.

Relativiza-se assim a importância do valor social que me tentam impingir, seja na rua, no ecrã, no áudio ou no que leio. Prefiro manter a minha atenção na história que deixo para contar, e sem qualquer distinção intelectual afirmar, que o mundo não vai mal, está só a mudar.

July 25, 2021

O que me interessa ter? Quem me interessa conhecer? Quantos mais posso juntar? Será que chegam estes? Em que ponto é demais? Quando posso acabar? No que podemos acordar?

Tudo é nada. Tudo, impede a vontade indómita.

July 24, 2021

When construction is not enough to answer to a specific situation or demand, unbuilding comes as the most appropriate answer.

Constructing only occupies the spectrum of probable solutions, with volumetric space always being conducted to a state of “human like” environment. The term is never dissociated from this enlisting to a categorie of recognisable places, spaces, or faces ( Agnès V. anyone …?! ) and also, is not taken into account the range of possible approaches/solutions that other views, perspectives or coherent positions, in which this occasion may occur.

This can also be a vague statement, but if we defer from the definition of demolition ( the predictable synonym and mental picture the large part of us take into account when considering unbuilding as an action ) most of us can actually impose onto themselves a rather constructive presumption on what actions can be applicable to that activity.

Unbuilding ( or to unbuild ) is therefore the act of conscious decision over a specific habitat, either it has been humanised or have been kept in it’s most natural form.

This semiotic exploration is not in any way exclusively connected to urbanism, architecture or engineering ( as construction actions, but to production as an universal activity ) , and rather as an analytical mechanism conducting specific transactions in our habitat with our presence in any scale, duration and anthropological context. This is not also, a diminished position towards the theoretical anthropocene ( which we strategically do not extend to the boundaries of society, but still regard as a unit in geologic time ) and rather an extension on what proper training, positioning, and perception can induce to us all as useful tactics.

Deconstructing, unbuilding, decolonising are very strong words, that contain the strength of this particular insight on how to propose innovation, in the way we experience systems, methodologies and cosmologies.

July 23, 2021

“… Completa pela bagagem etnográfica da paisagem histórica e cultural de um território e das suas imagens, a representação tem além de todas as provas e camadas do conhecimento universal a leitura no tempo que afetam a noção do espaço onde nos reconhecemos humanos.”.

Sim, reconhecer a nossa posição exige reconhecer a firmeza coletiva dessa sociedade, dos seus valores e dos pescados. Reconhecer a posição é ainda a noção da percepção da forma, na geometria da observação indiciada pela distância relativa do coletivo ao emissor. Reproduzir o óbvio sem transitar para o valor patrimonial do futuro, é uma oportunidade perdida, em participação e humildade. Representar esse processo é a minha opus.

July 23, 2021

O enredo, o segredo, a contemplação. Seja o que for precisa ser contado para alguém, da forma correta, formalizando a política de produção num processo ético e onde a filosofia toma o seu lugar. Publicar, tornar público, sem ser escândalo ou acidente; uma definição reservada para a exclusiva presença dos argumentos da obra, na obra editorial, mais ou menos articulada de forma científica mas certamente intelectual e entendível. Mesmo sem formação há inúmeros exemplos do que agora raramente se faz. Ensaios, manifestos, registos, diários, novelas, dá trabalho escrever. Ninguém lê!

Para mim A exposição é o início e não o fim. Está é A política de produção que pratico. Esta É a obra que componho, e uso quem vê para ser A obra em si. Ciclos.

July 22, 2021

O silêncio que ensurdece, pela falta de uma distinção clara do que entendi. Não é o silêncio que nos ensurdece, mas antes a falta de saber ouvir.

July 21, 2021

De olho na exposição. O artista, a produção, a vernissage. O clímax da vaidade e da energúmena vontade em mostrar. Voyeurs a postos e já está. Consome-se tudo! Quadros, bebidas, narrativas, aperitivos, instala-se uma narcolepsia, cataplexia, que me deixa a mim atónito, paralisado, no quadro alucinatório da obra. Momento medíocre, momento de dúvida, momento de insegurança, momento de julgamento… Momento, nunca epítome prolongada.

Pelo cariz da mesma, a exposição amplifica todas as práticas investigativas reunidas na manipulação da virtude, do pecado e da moral, numa ética de recolha de dados, num ciclo infinito de interação com o público observador.

July 21, 2021

A suprema importância da interação! O artista, a obra, os observadores. Quem serão os participantes? Momentos intermédios de trabalho, provam a importância de uma construção assente num processo de observação a partir de uma metodologia de perceção. Enquanto não houver método não haverá processo. Sem análise não há crítica. Sem conceito podem continuar a jorrar ideias. Sem onerar o público com a parte que lhe cabe, além do bilhete chato é claro, não é possível mostrar o que é a verdade da obra: o medo de ser recusado, negado, repudiado. Abnegação suprema!

July 20, 2021

Emoldurar desvios ilusórios em dilemas sociais: o exercício que fala da falha que falta aceitar: uma imagem repetida pelo espelho que reflete tudo menos sobre o paradoxo da imagem que podia ser vista na noção do tempo que a luz nos trás: os certos locais, que pela sua psicogeografia, demonstram que o espaço não se ausenta do nosso tempo, mas pelo contrário: são esses que nos explicam que somos nós quem descura o habitat que nos contextualiza:

July 19, 2021

Nem uma se faz bem, quanto mais tudo ao mesmo tempo. Complexidade versus a inepta competência de aprender concentrado, de apreciar e ser apreciado, de usar o tempo sem o vagar de outros tempos e mesmo assim atingir o significado que ele tem para todos, decorrer.

July 18, 2021

Ahh… tão pouco é pensado além do pormenor: nem plano pequeno nem maior. A obra evidencia a falta capital: seja de parágrafo, capítulo ou índice nominal. Para quê, se arte se faz do improviso, da vontade, do ego, do que surge e se promete como novo? Método?! Pfff… Nah… Acumular num processo acessível a todos as bases, as que nos dão mais do que o resultado? Mas acima de tudo, propor que o resultado não seja extinto no momento da sua apresentação? E que tal um ciclo contínuo de produção, que ativa pelas suas políticas, uma nova forma de implicar a narrativa do artista no seu público? Eihn…

July 17, 2021

O desenho beaux não está ao alcance de qualquer um, e por isso divagam em supostas ilustrações naïf, como que a suprir a falta de coragem em investir na técnica. Anatomia, biologia, química, física, matemática, sociologia, coreografia, cinematografia, fotografia, enfim, um conjunto de campos que são a soma da tal dedicação… Dão trabalho, muito. São uma teologia, e retiram tempo ao deboche, aos pressupostos que outrora se regiam pela la fée verte líquida (e que agora se fuma). São uma alucinação, pela figuração, para ampliar o reconhecimento individual com os deuses do nada. Uma bande à part do tempo mas dentro do que se espera da moda, e da forma de acabar o golpe, numa glória que só os mesmos conseguem ver, sem uma história nova para contar.

July 16, 2021

Exige-se o contacto com a realidade, pela deambulação. Os espectros da cidade existem, sem sequer ser necessário um filtro paranormal. Basta olhar, mesmo, e ver. O canto, o recanto, a amplitude, a intimidade ou até a falta disto tudo, existe! Cada local faz a sua parte, no entanto, procuram-se sempre as excepções (as mais teatrais possíveis), e ignora-se desta forma o génio de cada lugar, naquilo que o espectro configura como meta momentos de reconhecimento espacial, temporal, cultural e social. Procura-se a foto perfeita e pede-se o encanto da fantasia, bem afastado da realidade da obra.

July 15, 2021

Treinar o exercício de base filosófica, inserido numa purga investigativa, posicionando desta forma, cada indivíduo, perante a sua imagem, em si, a obra. É assim tão difícil esta atividade extra corpórea ser uma prática comum, onde cada pretenso, emula uma visão além dos lugares comuns? O loop interminável de iguais afronta-me, aziado, na inquietude da forma desejada, seja desenho, figura ou bloco de cor…

July 14, 2021

Posicionar o que tende a ser manuseado como figurante. A estratégia infrutífera da ativação pela mensagem erudita, que termina no domínio do emocionalmente social. Sem outra tática que não este acenar descomprometido do outro lado do caminho, com as ferramentas afinadas para o esquecimento, o artista é vítima do que sugere ser o seu próprio dilema.

July 13, 2021