e eu

[ sobre a inquisição da matéria social ]

É-me impossível falar dos outros sem falar em mim.

e eu
A construção do eu a partir da figura geométrica em progressão para o sólido geométrico. A mudança de perspectiva, a dimensão espacio temporal da posição, da pedagogia e do poder.

Primeiro, porque a responsabilidade de saber de mim enquanto arquiteto, é somente o ato coerente de elaborar um tema do qual estou disposto a falar, mesmo que errado, por forma a propor uma alternativa do pensamento prevalente. Esta minha ética, sobre a política posicional da minha própria pedagogia de autoanálise e conhecimento/reconhecimento do poder a que tenho acesso e/ou contruí através da arquitetura, assim me impele a fazer. Por isso um doutoramento, na segunda parte da minha carreira, na qual abandonei a minha ligação ideológica com a arquitetura em detrimento de uma possível reconfiguração filosófica da minha disciplina.

Segundo porque, tenho a inabalável certeza de que sou um corpo colonizado. Sei que carrego em mim a herança de uma escola, pela influência dos grandes mestres, que pela proximidade, simbologia, analogia e afinidade se traduzem constantemente na minha prática. Não estou à procura da minha autobiografia científica, mas sei que, como outros antes de mim, me debato com o estado da arte que pratico, na forma com o faço, e no juízo do seu resultado. Evito deliberadamente falar de originalidade, essa é minha, ou não fosse eu um autor.

Terceiro porque estou preparado para ser cobaia. Ser o primeiro a preencher os programas de autoanalise, de ser amostragem e dissecado como o corpo político e construído que sou.

versos de imanência e transcendência

— the monstruktor

Article

January 3, 2022


FOR ANY QUESTIONS