Quando te exiges nada menos que tudo, ficas disposto a uma forma suspeita de ser maior. Ao ser esse algo que não se fica pelo provado, mas que busca incessantemente novas perguntas, estou somente a impor a minha posição nesta raça que não avança por todos, não pode, e ainda bem. O meu vizinho padeiro fará o seu trabalho, até o médico, eu também, mas nunca poderemos dizer que vivemos numa rua de casas iguais quando lá dentro vivem outras pessoas. Aplico este raciocínio de uma forma global, principalmente quando me pedem para ter na mesma conta o que se faz noutro lado, seja cotas, estatísticas, regras, seja bem, seja mal. Eu sou relativo a uma parte que se insere, também relativa, a um todo e esse contexto de identidade não irei perder – mas só porque o resto não está preparado para essa fantasia igualitária civilizacional.

the MONSTRUKTOR

— the monstruktor